Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Ernesto Neto

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 14.06.2019
1964 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Registro fotográfico João L. Musa/Itaú Cultural

O Corpo da Janela, 2001
Ernesto Neto
Lycra, tule e styrofoam

Ernesto Saboia de Albuquerque Neto (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1964). Artista multimídia. Na década de 1980, estuda escultura com Jaime Sampaio e com João Carlos Goldberg na Escola de Artes Visuais do Parque Lage (EAV/Parque Lage). Realiza ainda cursos de intervenção urbana e escultura com Cleber Machado e com Roberto Moriconi, no Museu de ...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Ernesto Saboia de Albuquerque Neto (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1964). Artista multimídia. Na década de 1980, estuda escultura com Jaime Sampaio e com João Carlos Goldberg na Escola de Artes Visuais do Parque Lage (EAV/Parque Lage). Realiza ainda cursos de intervenção urbana e escultura com Cleber Machado e com Roberto Moriconi, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ). Sua produção situa-se entre a escultura e a instalação. No início da carreira, sua trajetória é marcada pelas obras dos artistas José Resende (1945) e Tunga (1952), na exploração da articulação formal e simbólica entre matérias diversas. Mais tarde, passa a utilizar predominantemente meias de poliamida e outros materiais mais flexíveis e cotidianos.

Na segunda metade dos anos 1990, Ernesto Neto realiza esculturas nas quais emprega tubos de malha fina e translúcida, preenchidos com especiarias de variadas cores e aromas, como açafrão ou cravo da índia em pó.

As esculturas apresentam alusões ao corpo humano no tecido que se assemelha à epiderme e nas formas sinuosas que se estabelecem no espaço. No final da década de 1990, Ernesto Neto passa a elaborar as "naves", estruturas de tecido transparente e flexível, que podem ser penetradas pelo público.

Análise

Os trabalhos de Ernesto Neto situam-se entre a escultura e a instalação. No início da carreira, sua trajetória é marcada pelas obras dos artistas José Resende (1945) e Tunga (1952), na exploração da articulação formal e simbólica entre matérias diversas. Na obra A-B-A (chapa-corda-chapa), de 1987, explora a tensão estabelecida entre chapas retangulares de ferro, unidas por uma corda de nylon. Opta por procedimentos construtivos simples, que envolvem a articulação desses materiais também em relação ao ambiente circundante.

Na instalação Copulônia (1989), insere pequenas esferas de chumbo em meias de poliamida, que pendem do teto ou se apresentam dispostas no chão. Explora assim o peso do metal, a plasticidade proporcionada pelas pequenas esferas e a aparente fragilidade do tecido. A utilização de meias de poliamida marca a trajetória do artista em relação ao abandono gradual de elementos construtivos mais rígidos e a busca de materiais mais flexíveis e cotidianos.

Na segunda metade da década de 1990, Ernesto Neto passa a realizar esculturas nas quais emprega tubos de malha fina e translúcida, preenchidos com especiarias, de variadas cores e aromas: açafrão, urucum, cominho, pimenta-do-reino moída ou cravo em pó. Em algumas obras, os amontoados de temperos são dispostos no chão enquanto as extremidades dos tubos de tecido são amarradas no teto, gerando a verticalidade das esculturas e também uma interação com o espaço expositivo. As esculturas apresentam alusões ao corpo humano, no tecido que se assemelha à epiderme e nas formas sinuosas que se estabelecem no espaço. Os títulos dos trabalhos reiteram a intenção do artista de situar o corpo humano na centralidade de sua obra: O Céu É a Anatomia do Meu Corpo ou Acontece na Fricção dos Corpos (ambas de 1998).

No fim da década de 1990, Ernesto Neto passa a elaborar estruturas de tecido transparente e flexível, que podem ser penetradas pelo público. Algumas dessas esculturas são denominadas "naves". Na opinião do crítico de arte Moacir dos Anjos, nas "naves" pode ser percebida a inspiração em trabalhos de Hélio Oiticica (1937-1980) e Lygia Clark (1920-1988).

Ernesto Neto realiza ainda um outro grupo de trabalhos nos quais revela a vontade de capturar o corpo humano no interior das esculturas, como ocorre com Humanóides (2001), nas quais o espectador "veste" a escultura, o que transmite uma sensação de conforto e aconchego. Em trabalhos apresentados entre 2002 e 2003, ele utiliza basicamente luz e tecidos. Cria superfícies de lycra, dentro das quais o espectador pode caminhar, ficando imerso em campos de cor. O tecido deixa de ser o recipiente para os pigmentos e tornar-se, simultaneamente, matéria e cor.

O artista cria em suas obras espaços de intercâmbio, que solicitam do espectador a superação da experiência meramente visual, aguçando seus sentidos. O corpo prevalece como eixo de sua proposta. Emprega constantemente formas que se tocam no espaço, estabelecendo sugestões de sensualidade e de união física, presentes em grande parte de sua produção.

Obras 4

Abrir módulo

Colônia

Chumbo de caça (esferas de chumbo banhadas de grafite) sobre meia de seda (malha de poliamida)
Registro fotográfico João L. Musa/Itaú Cultural

O Corpo da Janela

Lycra, tule e styrofoam

Exposições 540

Abrir módulo

Feiras de arte 6

Abrir módulo

Instalações 5

Abrir módulo

Intervenções 1

Abrir módulo

Mostras audiovisuais 1

Abrir módulo

Mídias (2)

Abrir módulo
Ernesto Neto - Enciclopédia Itaú Cultural
O carioca Ernesto Neto queria ser astronauta. Encontra na arte a melhor forma de se expressar no espaço social na década de 1980. “Eu não pensava em ser artista, queria fazer escultura e pronto”, conta. Interessa-se pela concretude da escultura como possibilidade de intervenção social, em obras de micro e macroformatos feitas de materiais diversos, como ferro, pedras, tecidos, cordas e líquidos. São relações binômias que brincam com a flexibilidade, o volume e o movimento na intenção de provocar a interatividade e o aspecto sensorial no público de suas exposições. “O mundo é feito do choque entre a fantasia e a realidade. A fantasia é o seu desejo, estão implícitas a utopia e a vontade, você quer aquilo, mas a realidade te segura. Vejo escultura em tudo. Nas relações sociais, no fluxo da cidade. Em tudo”, explica.

Produção: Documenta Vídeo Brasil
Captação, edição e legendagem: Sacisamba
Intérprete: Carolina Fomin (terceirizada)
Locução: Júlio de Paula (terceirizado)
Ernesto Neto: Nós Pescando o Tempo - Investigações (2000)
Trecho do vídeo produzido pela cineasta Karen Harley que revela um encontro do diretor com o artista Ernesto Neto, sua concepção de arte e seu processo de trabalho. Faz parte da série de documentários produzida pelo Itaú Cultural em 2000, como parte da exposição Investigações: O Trabalho do Artista.

Fontes de pesquisa 16

Abrir módulo
  • ARTE e artistas plásticos no Brasil 2000. São Paulo: Meta, 2000.
  • BARROS, Regina Teixeira de. Ernesto Neto. Galeria: revista de arte, São Paulo, n. 31, p. 47, 1992.
  • ENTRE o desenho e a escultura. Tradução Alberto Dwek, Noemi Jaffe Cartum. São Paulo: MAM, 1995. 32p. il. color.
  • ERNESTO NETO. Ernesto Neto. Tradução Sarah Bailey. Recife: MAMAM, 2003. 40 p., il. color.
  • ERNESTO NETO. Ernesto Neto. Tradução Stephen Berg. São Paulo: Galeria Camargo Vilaça, 1994. [8] p., il. p&b. color.
  • ERNESTO NETO. Ernesto Neto: o corpo, nu tempo. Santiago de Compostela, Centro Galego de Arte Contemporánea, 2002. 350p. ilus. color.
  • ESCULTURA carioca. Apresentação Lauro Cavalcanti; tradução Paulo Andrade Lemos. Rio de Janeiro: Paço Imperial, 1994. s.p.
  • ESCULTURA plural. Salvador: MAM, 1996. 24 p., il., p&b.
  • FORTES D'ALOIA & GABRIEL. Curriculo Ernesto Neto. Disponível em: < http://fdag.com.br/app/uploads/2016/11/ernesto-neto-cv-8.pdf >. Acesso em: 15 nov. 2017.
  • MACUNAÍMA 89. Apresentação Iole de Freitas, Luíza Interlenghi, Lorenzo Mammì. Rio de Janeiro: Funarte. Instituto Nacional de Artes Plásticas, 1989. [108] p., il. p&b.
  • MATERIAL, immaterial. Sydney: Art Gallery of New South Wales, 1994. 63 p. il.
  • MOSTRA DO REDESCOBRIMENTO, 2000, SÃO PAULO, SP. Arte contemporânea. Curadoria geral Nelson Aguilar; curadoria Nelson Aguilar, Franklin Espath Pedroso; tradução Arnaldo Marques, Ivone Castilho Benedetti, Izabel Murat Burbridge, Katica Szabó, John Norman. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo : Associação Brasil 500 anos Artes Visuais, 2000.
  • POÉTICAS da cor. Versão em inglês Stephen Berg; apresentação Ligia Canongia. Rio de Janeiro: Centro Cultural Light, 1998. 125 p., il. color.
  • SALÃO NACIONAL DE ARTES PLÁSTICAS, 11. , 1989, Rio de Janeiro, RJ. 11º Salão Nacional de Artes Plásticas. Rio de Janeiro: Funarte, 1989.
  • SÉCULO 20: arte do Brasil. Curadoria Nelson Aguilar, Franklin Espath Pedroso. Lisboa: Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão, 2000.
  • TRANSPARÊNCIAS. Apresentação Helena Severo; versão em inglês Nicola Lopez. Rio de Janeiro: MAM, 1996. 68 lâms., il. p.b.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: