Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Márcio Sampaio

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 16.05.2017
1941 Brasil / Minas Gerais / Santa Maria de Itabira
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Galeria Antropofágica 1, 1974
Márcio Sampaio
Óleo sobre madeira
50,00 cm x 70,00 cm

Márcio Sampaio (Santa Maria de Itabira, Minas Gerais, 1941). Crítico de arte, pintor, desenhista, poeta e professor. Aos 12 anos começa a pintar, copiando cartões-postais e figuras de revistas. Em 1953, muda-se para Itabira, Minas Gerais, onde tem suas primeiras lições de pintura, com Emília de Cause. Transfere-se para Belo Horizonte em 1959, e ...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Márcio Sampaio (Santa Maria de Itabira, Minas Gerais, 1941). Crítico de arte, pintor, desenhista, poeta e professor. Aos 12 anos começa a pintar, copiando cartões-postais e figuras de revistas. Em 1953, muda-se para Itabira, Minas Gerais, onde tem suas primeiras lições de pintura, com Emília de Cause. Transfere-se para Belo Horizonte em 1959, e ingressa na Faculdade de Artes Visuais da Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG. Expõe Poemas-Cartazes na 1ª Semana Nacional de Poesia de Vanguarda, na Reitoria da UFMG, em 1963. Ainda no início da década de 1960, funda, com um grupo de amigos, a revista de vanguarda Ptyx. Realiza sua primeira mostra individual em 1964, mesmo ano em que lança o livro de poesias Rubro Apocalíptico. Passa a atuar como crítico de arte no jornal Diário de Minas em 1965 e lança seu segundo livro de poemas, O Ciclo de Barro. No ano seguinte, começa a colaborar como ilustrador no suplemento literário do Minas Gerais, recém-criado pelo escritor Murilo Rubião (1916 - 1991). Participa da 9ª Bienal Internacional de São Paulo, em 1967. Entre 1968 e 1971, é coordenador do Museu de Arte da Pampulha (MAP). Em 1971, inicia a série de obras denominada Galeria Antropofágica e, no ano seguinte, assume a coordenação do Palácio das Artes de Belo Horizonte. Ingressa como professor na Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais - EBA/UFMG em 1977, e se aposenta em 1999. Em 2005 é realizada na Grande Galeria do Palácio das Artes de Belo Horizonte a exposição Declaração de Bens, retrospectiva de 50 anos de sua carreira.

Análse

Márcio Sampaio dedica-se inicialmente ao desenho, no qual, como nota o historiador da arte Roberto Pontual, revela o interesse pelos costumes e pela cultura mineira. O artista explora também questões da fotografia e da paisagem urbana, como na série Indicações, s.d. e cria obras a partir de objetos do cotidiano.

Uma de suas séries mais conhecidas é a Galeria Antropofágica, iniciada em 1971, na qual recria com humor e ironia obras de diferentes artistas nacionais, como Tarsila do Amaral (1886-1973) , Milton Dacosta (1915-1988) e Amilcar de Castro (1920-2002), apresentando-as juntamente com trabalhos de artistas internacionais, como Piet Mondrian (1872 - 1944) e Kazimir Malevitch (1878 - 1935).

Durante a década de 1970, Sampaio passa a atuar como crítico de arte, escrevendo primeiramente para o Diário de Minas Gerais e em seguida para o Suplemento Literário de Minas Gerais. Como nota a historiadora da arte Marília Andrés Ribeiro, o artista procura ainda incentivar o trabalho de jovens artistas mineiros, promovendo mostras coletivas como o Happening Brasil: a Festa, a Construção, Arte Total, 1970 que, por meio de imagens da arte popular e do repertório moderno, busca uma releitura da cultura brasileira. No final da década de 1960, ao coordenar os eventos do Museu de Arte da Pampulha, organiza o 1º Salão de Arte Contemporânea de Belo Horizonte, com o qual abre espaço para as propostas dos artistas da vanguarda mineira, como José Ronaldo Lima (1939), Lotus Lobo (1943), Jarbas Juarez (1936), Raymundo Colares (1944-1986) e Noviello (1929), entre outros. É curador de grandes mostras temáticas como A Paisagem Mineira, 1977, no Palácio das Artes, que apresenta uma ampla reflexão sobre a história da paisagem local, e Desenho Mineiro, 1979, no mesmo local, que procura demonstrar as potencialidades dessa técnica em Minas Gerais, desde o modernismo.

Obras 4

Abrir módulo

Exposições 57

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 21

Abrir módulo
  • .
  • 4X minas. Texto Marcus de Lontra Costa, Angelo Oswaldo, Philippe Cyroulnik, Ferreira Gullar, Roberto Pontual, Márcio Sampaio; tradução Maurício Fernandes. Rio de Janeiro: MAM, 1993. 48 p., il. color.
  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Organização André Seffrin. 2. ed. rev. e ampl. Curitiba: Ed. UFPR, 1997. R750.81 A973d 2.ed.
  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Rio de Janeiro: Spala, 1992. 2v.
  • BIENAL INTERNACIONAL DE SÃO PAULO, 9., 1967, SÃO PAULO, SP. Catálogo geral. São Paulo: Fundação Bienal, 1967. 700 BI588sp 9/1967
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • GONÇALVES, Regis. O eterno guerreiro da vanguarda. UFMG - Boletim Informativo. Belo Horizonte, Ano 32, n° 1560, 27 nov. 2005. Disponível em: http://www.ufmg.br/boletim/bol1506/oitava.shtml. Acesso em: jan. 2006.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989. R703.0981 P818d
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. R759.981 L533d
  • PONTUAL, Roberto. Arte brasileira contemporânea: Coleção Gilberto Chateaubriand. Tradução Florence Eleanor Irvin, John Knox. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1976.
  • PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1987.
  • PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1987. 709.8104 Cg492pr
  • RIBEIRO, Marília Andrés (org.); SILVA, Fernando Pedro da (org.). Um século de história das artes plásticas em Belo Horizonte. Belo Horizonte: C/Arte, 1997. (Centenário).
  • SALÃO GLOBAL DE INVERNO, 8. , 1981, Belo Horizonte, MG. Minas / Arte atual. Belo Horizonte: Rede Globo, 1981.
  • SALÃO PARANAENSE, 29., 1972, Paraná, PR. 29º Salão Paranaense. Curitiba: Teatro Guaíra, 1972.
  • SALÃO PARANAENSE, 29., 1972, Paraná, PR. 29º Salão Paranaense. Curitiba: Teatro Guaíra, 1972. PRsp 1972
  • SALÃO PARANAENSE, 37., 1980, Paraná, PR. 37º Salão Paranaense. Curitiba: Teatro Guaíra, 1980.
  • TOMA de Minas a estrada. Rio de Janeiro: Hotel Nacional, 1984. , il. color.
  • TOMA de Minas a estrada. Rio de Janeiro: Hotel Nacional, 1984. Mgsec 1984
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: