Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Camilla Amado

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 06.06.2021
08.08.1939 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
06.06.2021 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Estreia revelando seu potencial de atriz, em 1957, no espetáculo com o qual o diretor Luís de Lima (1925-2002) lança o teatro de Ionesco no Brasil, num programa com os textos A Lição, A Cantora Careca e As Cadeiras. Seguem-se: uma substituição em Eles Não Usam Black-Tie (1958), de Gianfrancesco Guarnieri (1934-2006), na visita carioca do Teatro ...

Texto

Abrir módulo

Camilla de Holanda Amado Martins Nercessian (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1939 - idem, 2021). Atriz. Intérprete carioca ligada ao teatro experimental, capaz de atuar em papéis cômicos e dramáticos. Na década de 1970 trabalha com os principais diretores do período.

Estreia revelando seu potencial de atriz, em 1957, no espetáculo com o qual o diretor Luís de Lima (1925-2002) lança o teatro de Ionesco no Brasil, num programa com os textos A Lição, A Cantora Careca e As Cadeiras. Seguem-se: uma substituição em Eles Não Usam Black-Tie (1958), de Gianfrancesco Guarnieri (1934-2006), na visita carioca do Teatro de Arena de São Paulo; uma participação em Um Elefante no Caos (1959)de Millôr Fernandes (1923-2012), direção de João Bethencourt (1924-2006) e uma substituição na remontagem carioca de Anjo de Pedra (1960), de Tennessee Williams (1911-1983), com direção de Benedito Corsi (1924-1996), numa produção do Teatro Brasileiro de Comédia (TBC).

De jovem promessa ela passa a atriz profissional prestigiada, sobretudo pelos jovens diretores de maior destaque, a partir dos seus trabalhos em A Vida Impressa em Dólar (1962), de Clifford Odets (1906-1963), direção de Paulo Afonso Grisolli (1934-2004) e Amor em Três Dimensões (1963), de Murray Schisgal (1926-2020), direção de Ivan de Albuquerque (1932-2001). Mas é em uma montagem quase marginal de A Exceção e a Regra (1967)de Bertolt Brecht (1898-1956), dirigida por Antônio Pedro (1940), que ela atinge o primeiro ponto alto da sua carreira. No papel do carregador ela demonstra uma inteligência interpretativa e uma variedade de recursos que lhe valem críticas elogiosas. Praticamente todos os seus trabalhos subseqüentes dão-se em espetáculos que, seja pela natureza dos textos, pela empostação da encenação, ou pelas características dos esquemas de produção, situam-se à margem da corrente principal do teatro profissional. É assim que ela atua em O Segredo do Velho Mudo (1972), de Nelson Xavier (1941-2017), direção de Cecil Thiré (1943-2020); Encontro no Bar (1973), de Bráulio Pedroso (1931-1990), direção de Celso Nunes (1941); As Desgraças de uma Criança (1973), demolidora e debochada versão da comédia de Martins Pena (1815-1848) dirigida por Antônio Pedro, onde Camilla revela um corrosivo temperamento farsesco; e Vôo dos Pássaros Selvagens (1975), de Aldomar Conrado (1936), direção de Aderbal Freire-Filho (1941). Em 1976, participa da tentativa de Ziembinski (1908-1978) de produzir a mise-en-scéne original, de 1943, de Vestido de Noiva, de Nelson Rodrigues (1912-1980), no papel de Alaíde, que ela realiza com sinceridade e liberalismo. No mesmo ano, está num outro texto de Nelson Xavier, Trivial Simples, dirigido por Ruy Guerra (1931).

O teatro dos anos 1980 aproveita pouco o talento de Camilla Amado. Sua experiência como autora, em Don Quixote de la Pança (1980), direção de Aderbal Freire-Filho, resulta frustrada, assim como, sua tentativa de direção de O Banquete (1982), de Mário de Andrade (1893-1945). Também a sua atuação em Tá Ruço no Açougue (1985), adaptação de Santa Joana dos Matadouros, de Bertolt Brecht, dirigida por Antônio Pedro, pouco acrescenta à sua trajetória. Já em Momentos (1987), um emocionante solo em que, dirigida por Ítalo Rossi (1931-2011), ela dramatiza crônicas de alguns dos expoentes nacionais do gênero, Camilla realiza uma convincente exibição das suas possibilidades interpretativas.

O crítico Yan Michalski (1932-1990) escreve sobre a atriz: "Camilla Amado é uma das mais sensíveis, versáteis e inteligentes atrizes da sua geração. Seu rosto excepcionalmente expressivo, seu gestual preciso e bonito, sua capacidade de inflexionar com colorida gama de emoções e a sua abertura a tudo que não seja rotineiro contribuem para desenhar uma presença cênica muito pessoal. Mas os seus interesses, a sua personalidade artística e a sua ousadia têm-se chocado com as limitações do mercado de trabalho da atualidade, resultando dali uma carreira aquém do seu potencial interpretativo".1

Nota

1. MICHALSKI, Yan. Camilla Amado. In: ___________. PEQUENA Enciclopédia do Teatro Brasileiro Contemporâneo. Material inédito, elaborado em projeto para o CNPq. Rio de Janeiro, 1989.

Espetáculos 38

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • ALBUQUERQUE, Johana. Camilla Amado (ficha curricular). In: ________. ENCICLOPÉDIA do Teatro Brasileiro Contemporâneo. Material elaborado em projeto de pesquisa para Fundação Vitae. São Paulo, 2000.
  • AMADO, Camilla. Curriculum enviado pela atriz. Rio de Janeiro, 2000.
  • COSTA, Luiz Antônio. Morre atriz Camila Amado, aos 82 anos. G1, Rio de Janeiro, 06 jun. 2021. Disponível em: https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2021/06/06/morre-a-atriz-camilla-amado-aos-82-anos.ghtml. Acesso em: 06 jun. 2021.
  • EICHBAUER, Hélio. [Currículo]. Enviado pelo artista em 24 de abril de 2011. Espetáculo: O Mistério do Amor (Vida de Cristo) - 1990.
  • MICHALSKI, Yan. Camilla Amado. In: ___________. PEQUENA Enciclopédia do Teatro Brasileiro Contemporâneo. Material inédito, elaborado em projeto para o CNPq. Rio de Janeiro, 1989.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: