Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Silvana Garcia

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 01.06.2020
1951 Brasil / São Paulo / São Paulo
Após formar-se em direção teatral na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP), em 1973, Silvana inicia uma carreira acadêmica que inclui a dissertação de mestrado Teatro da Militância, sobre o teatro de resistência no período da ditadura, lançada em 1990, e a tese de doutorado As Trombetas de Jericó, em 1997, dedicad...

Texto

Abrir módulo

Silvana Garcia (São Paulo, São Paulo, 1951). Teórica, ensaísta e professora. Analista voltada para as atividades cênicas paulistas nos anos 1990, dedica-se a perceber o trabalho de grupo continuado junto às pesquisas experimentais e a dramaturgia contemporânea brasileira.

Após formar-se em direção teatral na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP), em 1973, Silvana inicia uma carreira acadêmica que inclui a dissertação de mestrado Teatro da Militância, sobre o teatro de resistência no período da ditadura, lançada em 1990, e a tese de doutorado As Trombetas de Jericó, em 1997, dedicada ao teatro de vanguarda. Torna-se professora de matérias teóricas na Escola de Arte Dramática (EAD), assumindo sua direção de 1997 a 2000.

Como dramaturgista acumula algumas significativas realizações, como com os espetáculos: Farsas e Improviso de Molière, direção de Beth Lopes (1956), ECA/USP, 1997; Em Lugar Algum, adaptação do livro Tempo de Despertar, de Oliver Sacks, direção de Beth Lopes, ECA/USP, 1998; Luzes da Boemia, de Ramón del Valle-Inclán, direção William Pereira (1962); A Casa de Bernarda Alba, de Federico García Lorca, direção de William Pereira, Projeto Sesc Lorca na Rua, São Paulo, 1998; adapta o romance Viva o Povo Brasileiro, de João Ubaldo Ribeiro (1941-2014), para o Teatro Vila Velha, do baiano Márcio Meirelles (1954), texto lido em Salvador, 2001.

Sua produção ensaística registra contribuições internacionais importantes, como: ...Yet there is method in't. Ham-let. José Celso Martinez Corrêa (1937), em Gestos. University of California/Irvine, 1995; Vau da Sarapalha: la poética de Guimarães Rosa en escena, em Teatro al Sur, Buenos Aires, 1995;  Jó, su cuerpo y Diós..., em Teatro al Sur, 1996; Éxubérance et pluralité théâtrales. Bilan de la production théâtrale de São Paulo, em Teatro al Sur, edição especial em língua francesa, 1996; Production, Diffusion Et Public Des Spetacles à São Paulo, surgida em La Mediation Théâtrale, Bélgica, 1998; Un homme de spetacle bien brésilien: Antonio Nóbrega (1952), em Teatro al Sur, edição especial em língua francesa/Festival de Avignon, 1999.

Junto às publicações brasileiras possui diversas contribuições, com destaque para De Büchner a Bread & Puppet: Sendas do Teatro Político Moderno, no livro J. Guinsburg: Diálogos sobre Teatro, de 1992;  A Cena Classicista, na obra O Classicismo, de Jacó Guinsburg (1921), de 1999, e Do Sagrado ao Profano: O Percurso do Teatro da Vertigem, uma análise sobre o trabalho do grupo, presente no livro Teatro da Vertigem: Trilogia Bíblica, 2002.

Em 2001, passa a dirigir a Divisão de Pesquisas do Centro Cultural São Paulo (CCSP) e lança, no ano seguinte, Uma Odisséia do Teatro Brasileiro, agrupando depoimentos dos mais expressivos criadores da cena brasileira contemporânea, numa série de encontros promovidos pelo Ágora - Centro para o Desenvolvimento Teatral.

Silvana Garcia é assiduamente convocada como debatedora, curadora e integrante de comissão julgadora de encontros, eventos, festivais, premiações e editais em torno da produção teatral paulista.

Sobre a trajetória da pesquisadora, declara o crítico e teórico Edelcio Mostaço (1949): "Silvana Garcia representa, na vertente das pesquisas contemporâneas, uma presença atenta e inquieta. Seu olhar percorre o panorama internacional (nele fixando o que de modernidade persiste em nosso dia-a-dia) e o nacional (os grupos à margem do mercado, o teatro fora das instituições) com a mesma chama inquieta. Inteligente, gosta de perquirir onde ainda restam traços de um teatro tomado em seu sentido transgressivo e perturbador. Divulga, no exterior, notícias daquilo que entre nós pode se ombrear com a cena mundial; ao mesmo tempo em que, integrando corpos curatoriais ou de arbitragem, leva às discussões novos olhares de apreciação sobre a prática que se faz. Encorpa, assim, a massa crítica indispensável à atividade teatral de nosso tempo, mediada entre as propostas e os resultados que, nem sempre, alcançam um ponto ótimo de realização".1

Nota

1 MOSTAÇO, Edelcio. Depoimento sobre Silvana Garcia para a Enciclopédia de Teatro. Florianópolis, out. 2002.

Espetáculos 7

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 3

Abrir módulo
  • ALBUQUERQUE, Johana. Silvana Garcia (ficha curricular) In: ___________. ENCICLOPÉDIA do Teatro Brasileiro Contemporâneo. Material elaborado em projeto de pesquisa para a Fundação VITAE. São Paulo, 2000.
  • Planilha enviada pelo pesquisador Edélcio Mostaço.
  • Programa do Espetáculo - Memória da Cana - 2009.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: