Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Hugo Possolo

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 03.04.2017
03.08.1962 Brasil / Espírito Santo / Vitória
Hugo Possolo de Soveral Neto (Vitória, Espírito Santo, 1962). Diretor, autor e ator. Artista polivalente, destacando-se como clown, diretor e autor, um dos criadores do grupo Parlapatões, Patifes & Paspalhões. Torna-se um renovador na arte dos palhaços e inventivo criador de espetáculos marcados por este viés.

Texto

Abrir módulo

Biografia

Hugo Possolo de Soveral Neto (Vitória, Espírito Santo, 1962). Diretor, autor e ator. Artista polivalente, destacando-se como clown, diretor e autor, um dos criadores do grupo Parlapatões, Patifes & Paspalhões. Torna-se um renovador na arte dos palhaços e inventivo criador de espetáculos marcados por este viés.

Enquanto cursa comunicação social e história na Universidade de São Paulo (USP), Hugo aprende técnicas circenses no Circo-Escola Picadeiro. Suas primeiras incursões no teatro, ainda acanhados exercícios em busca de um estilo, ocorrem em 1984, com Quando Tenho Razão Não É Culpa Minha, direção de Arthur Leopoldo e Silva e, em 1986, diversos esquetes realizados no Circo-Escola Picadeiro.

Após mais algumas realizações funda, juntamente com Alexandre Roit, em 1991, o grupo Parlapatões, Patifes & Paspalhões, lançando Bem Debaixo de Seu Nariz; e, no ano seguinte, o espetáculo que batiza e dá nome ao grupo, logo reconhecido pela crítica. Em 1993 surge Sardanapalo, direção de Carla Candiotto e, em 1995, Zérói, texto e direção do próprio Hugo.

Em 1996, reunindo material de origem medieval, lança U Fabuliô, série de pequenas histórias cheias de verve e alegria, em longas excursões pelo país. Uma homenagem ao grande palhaço Piolim, dirigida em 1997 por Neyde Veneziano, oferece a Hugo a possibilidade de recriar esse magnífico intérprete associado à Semana de Arte Moderna de 1922. Pelo evento Vamos Comer o Piolim, ganha o grande prêmio da crítica da Associação Paulista de Críticos de Artes (APCA).

Em 1998, o grupo estréia ppp@WllmShkspr.br, uma colagem efetuada por Jess Borgeson sobre as mais importantes obras de William Shakespeare, realização dirigida por Emílio Di Biasi, que permite a Hugo demonstrar suas muitas facetas de intérprete e comediante. Em 1998 lança, como autor, Não Escrevi Isto, ao mesmo tempo que dirige uma versão compacta de A Flauta Mágica, de Mozart. Em 1999, um novo texto seu é conhecido: Poemas Fesceninos, abordando poesias medievais de cunho escatológico. No mesmo ano está em Mistérios Gulosos, de Mário Viana, nova realização do grupo Parlapatões; e na direção de Farsa Quixotesca, grande painel sobre a obra de Cervantes que envolve o grupo Pia Fraus Teatro em sua realização, projeto patrocinado pelo Sesc São Paulo, que lhe confere os prêmios APCA e Panamco de melhor autor.

Em 2001, o grupo retoma Sardanapalo, para apresentar uma nova e mais instigante versão e lançar Pantagruel, ambicioso projeto baseado em Rabelais que demandou dois anos de pesquisas, obtendo grande repercussão junto à imprensa.

Analisando a realização de Pantagruel, o crítico Kil Abreu registra: "As imagens hiperbólicas colhidas na pesquisa do grupo ganham na dramaturgia de Mário Viana e Hugo Possolo uma versão redonda, deliberadamente impura, com trajetória clara e grande poder de provocação da platéia, em fábula que projeta a crítica da vida social nas entrelinhas do efeito cômico. [...] Além do inegável talento na provocação do riso que não se nega à reflexão, o melhor dos Parlapatões, reafirmado neste Pantagruel, é a porta de casa sempre aberta à platéia, em um jogo cujas cartas são a sátira e a ironia, e o coringa é alguma surpresa na manga, pronta para a próxima jogada".1

Notas 

1. ABREU, Kil. Parlapatões ficam entre prazer e razão. Folha de S.Paulo, São Paulo, 1 fev. 2001. Ilustrada.

Espetáculos 130

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo
  • ABREU, Kil. Parlapatões ficam entre prazer e razão. Folha de S.Paulo, São Paulo, 1 fev. 2001. Ilustrada.
  • ALCADE, Lúcia. Ele é um palhaço. Veja, São Paulo, p. 20, 13 set. 2000.
  • FARSA QUIXOTESCA. Direção Hugo Possolo. São Paulo, 1999. 1 folder. Programa do espetáculo, apresentado no Sesc em 1999.
  • PAREJA, Luciana. 'Pantagruel'. Folha de S.Paulo, São Paulo, 14 fev. 2001. Ilustrada, p. E-1.
  • Programa da Jornada Internacional do Teatro para a Infância e Juventude - Mostra de Teatro Infantil nos Centros Educacionais Unificados CEUs - espetáculo Bichos do Brasil - 2004. não catalogado
  • Programa da Jornada Internacional do Teatro para a Infância e Juventude - espetáculo: O Bricabraque - 2004. não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Alô, Alô, Terezinha - 2004. Não Catalogado

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: