Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Chico Pelúcio

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 28.03.2017
25.04.1959 Brasil / Minas Gerais / Cruzília
Francisco Paulo Maciel Pelúcio (Cruzilha, Minas Gerais, 1959). Ator, diretor e gestor cultural. Integrante do Grupo Galpão desde 1984, destaca-se como ator no espetáculo Álbum de Família, de Nelson Rodrigues, 1990, e na direção da montagem de Um Trem Chamado Desejo, 2000. Sua trajetória é marcada pela atuação como gestor cultural, principalmente...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Francisco Paulo Maciel Pelúcio (Cruzilha, Minas Gerais, 1959). Ator, diretor e gestor cultural. Integrante do Grupo Galpão desde 1984, destaca-se como ator no espetáculo Álbum de Família, de Nelson Rodrigues, 1990, e na direção da montagem de Um Trem Chamado Desejo, 2000. Sua trajetória é marcada pela atuação como gestor cultural, principalmente à frente do Galpão Cine Horto e na presidência da Fundação Clóvis Salgado (Palácio das Artes).

Formado em administração e ciências contábeis e com especialização em cinema na Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais - PUC Minas, Chico Pelúcio completa sua formação artística com cursos livres e, principalmente, com a experiência prática. Paralelamente, atua como produtor cultural desde 1981, quando idealiza e coordena o Festival Canta-Conte de Baependi, Minas Gerais.

Inicia sua trajetória no teatro durante o curso universitário na PUC Minas, ao montar com Eduardo Moreira, futuro parceiro no Grupo Galpão, o espetáculo Murro em Ponta de Faca, de Augusto Boal, com orientação de João Machado, em 1982. No mesmo ano, realiza uma experiência comunitária na Ilha de Marajó, Pará, onde cria o espetáculo de teatro de bonecos O Gato Estrepado. De volta a Minas Gerais, participa da montagem de A Escola Acabou, do grupo Teatro de Resistência da Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, em 1983. Em seguida, passa uma temporada em Londres, faz curso de palhaço e monta o espetáculo de rua A Maçã, com o qual percorre Inglaterra, França, Bélgica e Holanda.

Em 1984, após concluir a graduação na PUC Minas, retorna a Baependi, Minas Gerais, cidade onde fora criado, e monta o grupo de teatro amador Cataguá, e com ele produz o espetáculo Nó Cego, de Carlos Vereza, e ganha os prêmios de melhor diretor e melhor ator no Festival de Ouro Fino. No mesmo ano, ingressa no espetáculo E a Noiva Não Quer Casar, do Grupo Galpão, fazendo uma substituição de emergência, e organiza com o grupo o projeto Lápis de Cera - Teatro Vai à Escola, em parceria com Xuxo Lara.

O encontro com o Galpão configura-se como um marco em sua carreira. A partir daí, participa de diversas montagens, em que o grupo desenvolve pesquisas de linguagem que passam pelo teatro de rua, pela commedia dell'arte e por textos de Nelson Rodrigues, William Shakespeare e Molière. Com o Grupo Galpão, atua nos espetáculos Ó Procê Vê da Ponta do Pé, criação coletiva de 1984; Arlequim Servidor de Tantos Amores, baseado na obra Arlequim Servidor de Dois Amos, de Carlo Goldoni, em 1985; Corra Enquanto É Tempo, com texto e direção de Eid Ribeiro, em 1988, e Álbum de Família, de Nelson Rodrigues, em 1990. Por esta última, Pelúcio ganha o Prêmio Cauê de melhor ator do ano. A crítica Clara Arreguy, do jornal Estado de Minas, comenta sua atuação: "Nu, como um louco, sem texto mas com todos os subtextos, contracena com os demais todo o tempo, representa com todos os músculos do corpo, num total despojamento, literal".1

De 1984 até 1994, Chico Pelúcio é coordenador de produção do Galpão. Nesse período, o trabalho do grupo ganha projeção nacional e internacional com a montagem de Romeu e Julieta, de Shakespeare, dirigida por Gabriel Villela em 1992, e com esse espetáculo premiado o Galpão apresenta-se no Globe Theatre, em Londres.

Como produtor cultural, coordena o Festival Internacional de Teatro de Rua realizado pelo Grupo Galpão em 1990 e 1992 e também o 1º Festival Internacional de Teatro Palco & Rua de Belo Horizonte - FIT-BH, em 1994. Inicia uma bem-sucedida carreira de diretor teatral em 1996, com o espetáculo O Mambembe, de Artur Azevedo, em montagem de formatura dos alunos do curso de teatro da Fundação Clóvis Salgado.

No mesmo ano, atua no curta-metragem O Ex-Mágico da Taberna de Minhota, do diretor Rafael Conde. Após cinco anos dedicados às turnês do espetáculo Romeu e Julieta, Pelúcio atua, em 1997, na nova montagem do Grupo Galpão: Um Molière Imaginário, adaptação da comédia O Doente Imaginário, de Molière, com direção de Eduardo Moreira. Ainda em 1997, participa da criação da Cia. Burlantins, dedicada ao teatro musical de rua, e dirige o espetáculo de estreia, O Homem da Gravata Florida, e as duas operetas seguintes. Com a segunda delas, O Homem que Sabia Português, ganha os prêmios Sated e Amparc na categoria melhor diretor. O espetáculo recebe ainda os prêmios Shell e Sesc/Sated de melhor música do ano para Tim Rescala.

Em 1998, assume a coordenação geral do Galpão Cine Horto, centro cultural especializado em teatro, fundado pela companhia. Nesse espaço, gerencia projetos voltados para a formação, a criação e o compartilhamento de experiências artísticas, o que fortalece o teatro de grupo em Belo Horizonte. Integra o conselho editorial da revista Subtexto e realiza o primeiro encontro de grupos e espaços de teatro que dá origem ao movimento Redemoinho, que articula mais de 70 grupos de teatro no Brasil.

Estreia o primeiro espetáculo produzido pelo Galpão Cine Horto, Noite de Reis, de Shakespeare, em 1999. A montagem, com estética inspirada nas manifestações populares do norte de Minas Gerais, é indicada pelo jornal Estado de Minas como um dos melhores espetáculos do ano. Ainda em 1999, atua no longa-metragem Outras Estórias, de Pedro Bial, que aborda o universo de Guimarães Rosa. Faz outra incursão pelo cinema em 2000, quando atua no filme O Circo das Qualidades Humanas, de Geraldo Veloso.

Dirige pela primeira vez o Grupo Galpão em 2000, na montagem de Um Trem Chamado Desejo, criação coletiva com dramaturgia de Luís Alberto de Abreu. O musical, com trilha original de Tim Rescala, narra as desventuras da malograda Companhia Teatral Alcantil das Alterosas, às voltas com a concorrência do cinema, no fim dos anos 1920 e início dos anos 1930. Sobre o espetáculo, o jornalista Israel do Vale escreve: "[...] este 'Trem' trafega por um jogo de espelhos, feito de oposições e imagens invertidas que recompõem, em registro de farsa, a trajetória do próprio grupo. A começar da busca de sobrevivência".2

Um Trem Chamado Desejo conquista o prêmio Bonsucesso/Amparc de melhor diretor, melhor atriz, melhor atriz coadjuvante e melhor iluminação. O espetáculo vence o Prêmio Shell de 2001 nas categorias trilha sonora (Tim Rescala) e cenário (Márcio Medina).

Pelúcio volta a atuar no cinema em 2001, participando de dois curtas-metragens, Dalmar e Rosália e De Incerta Feita, ambos dirigidos por Bel Bechara e Sandro Serpa. No ano seguinte, assina a direção de mais um espetáculo do projeto Oficinão do Galpão Cine Horto, O Homem que Não Dava Seta, que aborda o problema da ética na contemporaneidade; e do terceiro espetáculo da Cia. Burlantins, A Sombra do Sucesso, também uma opereta de Tim Rescala.

Compartilha com Marcelo Bones, em 2003, a direção da peça Bicicleta Branca, de autoria de Ana Régis. No Galpão Cine Horto dirige In Memorian, em 2004, em parceria com Júlio Maciel, e Papo de Anjo, em 2005, com Lydia Del Picchia, sua esposa, também atriz do Grupo Galpão.

Nesse ano, Pelúcio assume a presidência da Fundação Clóvis Salgado, instituição mantenedora do Palácio das Artes e da Serraria Souza Pinto, cargo no qual permanece por dois anos. Na Fundação, idealiza e realiza novos projetos, como Teatro Encontro.com; Concerto Minas Experimental; Música Independente; Orquestra Jovem; Prêmio Estímulo a Montagem - teatro e dança, entre outros. Nesse período, integra ainda o elenco do filme Depois daquele Baile, de Roberto Bontempo.

Em 2006, recebe da Câmara Municipal o título de Cidadão Honorário de Belo Horizonte e participa de mais dois filmes, Arremate, de Cláudio Costa Val, e Batismo de Sangue, de Helvécio Ratton.

Retorna à direção do Galpão Cine Horto em 2007 e atua em mais uma montagem do Grupo Galpão, Pequenos Milagres, dirigida por Paulo de Moraes. No ano seguinte, coordena a edição mineira do Próximo Ato - Encontro Internacional de Teatro, promovida pelo Itaú Cultural, e realiza sua primeira direção de curta-metragem, em parceria com Rodrigo Campos, no projeto Cinema Instantâneo, do Galpão Cine Horto. Ainda em 2008, dirige, em Belo Horizonte e no Rio de Janeiro, a ópera A Redenção pelo Sonho, de Tim Rescala, sobre a obra e a vida do escritor Monteiro Lobato (1882 - 1948).

Notas

1. ARREGUY, Clara. Na montagem do Galpão, toda a magia do teatro. Estado de Minas, Belo Horizonte, 20 mar. 1991. Segunda seção, p. 2.

2. VALE, Israel do. Galpão embarca teatro e cinema no mesmo trilho. Folha de S.Paulo, São Paulo, 28 nov. de 2000.

Espetáculos 50

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo
  • ARREGUY, Clara. Na montagem do Galpão, toda a magia do teatro. Estado de Minas, Belo Horizonte, 20 de março de 1991. Segunda seção, p. 2.
  • BRANDÃO, Carlos Antônio Leite. Grupo Galpão: 15 anos de Risco e Rito. Belo Horizonte: O Grupo, 1999.
  • FERREIRA, Alessandra. O Galpão, da direção coletiva às parcerias importantes. In: PENSARTE.COM. Disponível em: [http://www.terra.com.br/pensarte/noticias/galpao.html]. Acesso em: jan. 2009.
  • GALPÃO Cine Horto. Site oficial da instituição. Belo Horizonte. Disponível em: [http://www.galpaocinehorto.com.br]. Acesso em: jan. 2009.
  • LEAL, Maria Teresa. Do Galpão para a direção da FCS. Hoje em Dia, Belo Horizonte, 03 mar. 2005.
  • MARTINS, Alexandra. Galpão conta em musical as desventuras do teatro. O Tempo, Belo Horizonte, 23 nov. 2000.
  • VALE, Israel do. Galpão embarca teatro e cinema no mesmo trilho. Folha de S. Paulo, São Paulo, 28 nov. 2000.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: