Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Teatro

Bosco Brasil

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 30.07.2018
27.03.1960 Brasil / São Paulo / Sorocaba
Bosco José Lopes Rebello da Fonseca Brasil (Sorocaba SP 1960). Autor. Integrado ao movimento de renovação dramatúrgica dos anos 1990, privilegia os temas da juventude e suas contradições.

Texto

Abrir módulo

Biografia
Bosco José Lopes Rebello da Fonseca Brasil (Sorocaba SP 1960). Autor. Integrado ao movimento de renovação dramatúrgica dos anos 1990, privilegia os temas da juventude e suas contradições.

Formado pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP), Bosco tem uma bem-sucedida estréia em 1994 com Budro, direção de Emílio Di Biasi, onde enfoca a vida da juventude classe média na São Paulo do final do milênio. Arrebata os prêmios Shell e Molière de melhor autor.

Funda o Teatro de Câmara de São Paulo, na Praça Roosevelt, juntamente com Ariela Goldmann, Jairo Mattos, Lavinia Panunzio e Luis Fruguli. Inspirado no Teatro de Câmara de Estocolmo, fundado por Strindberg, ambiciona criar uma companhia onde a direção sirva mais como um "guarda de trânsito" da criação artística dos integrantes do grupo, à maneira dos grupos de música de câmara. O repertório é dedicado integralmente à dramaturgia contemporânea. Em 1995, estréia o novo espaço como autor e diretor de Atos e Omissões, texto em que contextualiza a discussão da juventude na periferia, debruçando-se sobre personagens das camadas excluídas da sociedade. Aqui o tratamento é de comédia, embora a encenação se revele algo pesada e distante da comicidade.

Em 1996, é a vez de Qualquer Um de Nós subir à cena, novamente encenado pelo próprio autor. O Teatro de Câmara apresenta, ainda, Balada de um Homem Ridículo, de Vadin Niktin, inspirado em Dostoievski, e o Homem da Flor na Boca, de Pirandello, com Cacá Carvalho, artista convidado, encerrando o histórico deste espaço. Em 1998, Os Coveiros, mais uma comédia, encontra em Hugo Possolo um diretor ajustado a seus climas leves e brincalhões. O Acidente, escrito em 1995, é dirigido por Ariela Goldmann, em 2000, afirmando as virtudes do jovem autor e seus temas preferenciais: a discussão de seu tempo e sua geração.

Em 2001, um texto curto entusiasma público e crítica: Novas Diretrizes em Tempos de Paz, apresentada num ciclo de nova dramaturgia promovido pelo Ágora, Centro para o Desenvolvimento Teatral. Através da delicadeza da encenação de Ariela Goldmann, a obra revela sua terna magia e complexa rede de intenções deflagradas entre um imigrante polonês e o agente policial que faz a triagem na imigração. Com esta montagem, ganha o prêmios Shell e APCA de melhor autor em 2002. Escrito no mesmo ano, Blitz, também sob o formato de texto curto para a Mostra de Dramaturgia Contemporânea, empreendida por Renato Borghi, contrapõe um soldado e sua mulher, num momento de exasperação de suas vidas. Medo de Chuva, também encenado em 2002, é dirigido por Marco Antonio Rodrigues.

No comentário crítico de Valmir Santos, percebemos a teatralidade de Bosco no premiado texto Novas Diretrizes em Tempos de Paz: "Clausewitz (Dan Stulbach) desembarca de um navio cargueiro. Horrorizado com os crimes de guerra na Polônia, ele quer abraçar uma nova profissão, a de agricultor, e esquecer os dez anos de atuação no teatro. Atrás da mesa, Segismundo (Jairo Mattos), um torturador da polícia política do governo, obviamente não tem tato para lidar com estrangeiros. O cruzamento das lembranças de um (que teve familiares e amigos brutalmente assassinados) e de outro (que espancou sob as ordens do chefe), pêndulo de frieza e sensatez, expõe máscaras humanas e teatrais. Segismundo vê contradições no depoimento do homem que se diz agricultor, mas não tem calos nas mãos; fala português do Brasil, mas nunca pisou no país. Contudo, deixa-se envolver. Provoca Clausewitz com a aposta de que só permitirá sua entrada se o fizer chorar, por meio de algum relato, nos dez minutos que restam para o navio voltar. A partir de então, dá-se um jogo de convencimento do outro, busca e negação de identidades. Segismundo abre o jogo sobre o trabalho sujo de torturador. O polonês, para afastar a suspeita de espião nazista, lança mão do teatro, especialmente da idéia barroca do grande teatro do mundo, como descreve Calderón de la Barca, e leva o interlocutor aos prantos quando 'interpreta' uma das passagens do clássico A Vida É Sonho, no qual o protagonista, não por acaso, chama-se Segismundo".1

Notas
1. SANTOS, Valmir. Peça vê terror histórico e pessoal da guerra. Folha de S.Paulo, São Paulo, 5 dez. 2001. Ilustrada, p. E-5.

Espetáculos 20

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo
  • ANUÁRIO de teatro 1994. São Paulo: Centro Cultural São Paulo, 1996. R792.0981 A636t 1994
  • FERNANDES, Sílvia. A violência do novo. Bravo, São Paulo, p. 134-139, dez. 2001.
  • Programa do Espetáculo - Cheiro de Chuva - 2008. Não Catalogado
  • Programa do Espetáculo - O Acidente - 2000. Não Catalogado
  • QUAGLIA, Geraldine. O Acidente espelha amor platônico. Folha de S.Paulo, São Paulo, 17 abr. 2000. Acontece, Especial, p. 1.
  • SANTOS, Valmir. Peça vê terror histórico e pessoal da guerra. Folha de S.Paulo, São Paulo, 5 dez. 2001. Ilustrada, p. E-5.
  • SÁ, Nelson de. Diversidade: um guia para o teatro dos anos 90. São Paulo: Hucitec, 1998. 479 p.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: