Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Dança

Eva Schul

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 04.06.2019
03.02.1948 Itália / Lombardia / Cremona
Eva Schul (Cremona, Itália, 1948). Coreógrafa, professora, bailarina e gestora pública. É uma das responsáveis pela afirmação da dança moderna e contemporânea no Sul do Brasil. Nascida na Itália, chega ao Brasil em 1956. Inicia a formação em dança clássica com a professora Maria Júlia da Rocha (1928-1987), em Porto Alegre. Conclui o aprendizado ...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Eva Schul (Cremona, Itália, 1948). Coreógrafa, professora, bailarina e gestora pública. É uma das responsáveis pela afirmação da dança moderna e contemporânea no Sul do Brasil. Nascida na Itália, chega ao Brasil em 1956. Inicia a formação em dança clássica com a professora Maria Júlia da Rocha (1928-1987), em Porto Alegre. Conclui o aprendizado em 1964 e viaja para Nova York, para ter aulas e estagiar no corpo de baile do New York City Ballet. Retorna a Porto Alegre em 1965. Em 1972, estuda dança moderna com Elsa Vallarino e Hebe Rosa (1932), no Uruguai, e, em 1973, com Renate Schottelius (1921-1998) e Ana Itelman (1927-1989), na Argentina. Até 1973, atua como professora, diretora, coreógrafa e solista do Grupo de Dança Moderna Landes e da Escola de Artes Landes. Em 1975, retorna a Nova York e estuda dança moderna com os norte-americanos Alwin Nikolais (1910-1993), Hanya Holm (1893-1992), Martha Graham (1894-1991) e Merce Cunningham (1919-2009).

De volta à capital gaúcha, em 1977, cria para o Grupo Mudança trabalhos como Um Berro Gaúcho (1977), Metamorfose (1978) e Alice (1979). Em 1980, leciona na Escola de Dança Clássica e no Curso Permanente de Teatro, da Fundação Teatro Guaíra, em Curitiba, e atua como professora do Corpo de Baile da Fundação. Na edição 1989-1990 do Troféu Gralha Azul (prêmio oficial que destaca os artistas e técnicos do Teatro no Paraná), Eva Schul é premiada na categoria Coreografia por seu trabalho em A Vida de Galileu, dirigido por Celso Nunes (1941) e protagonizado por Paulo Autran (1922-2007). Em 1984, faz parte do grupo de professores que cria os Cursos Superiores de Dança e Teatro da Fundação Teatro Guaíra, em convênio com a Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC/Paraná), e ministra disciplinas como as de técnica de dança, improvisação, composição coreográfica, didática e expressão corporal. 

Coreografa, ainda em Curitiba, para grupos como o da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e para a União de Artistas Independentes Contemporâneos (Uaic). Em 1990, cria Mater Fillis, para o Grupo Desterro, e Canções, para Alea Grupo de Danças, ambos de Florianópolis. Em 1989, recebe do Conselho Brasileiro da Dança (CBDD), o prêmio de melhor coreografia por Reflexos. No final de 1990, retorna a Porto Alegre para assessorar o projeto de uma escola oficial de dança da Secretaria do Estado da Cultura. Em 1991, funda o Grupo  Ânima, na mesma cidade, coreografando trabalhos como: Estórias para Surdos (1991); Perfil (1992), troféu Sated/RS; O Convidado (1993), Caixa de Ilusões (1994); Tons (1994), De Um a Cinco (2001); Catch ou como Segurar um Instante (2003) e Na Quina do Tempo (2006). De 1995 a 1996, torna-se coordenadora de dança do Instituto Estadual de Artes Cênicas (IEACen), da Secretaria do Estado da Cultura, criando o festival Conesul Dança. Durante 1997, dirige o IEACen, órgão que volta a dirigir de 2003 a 2005. Em 1999, cria o Centro de Dança e Terapia Corporal (Coda), que funciona até 2007, ano em que  integra o corpo docente do Grupo Experimental de Dança da Prefeitura Municipal de Porto Alegre. Em 2008, recebe o Prêmio Açorianos de Dança de melhor coreografia pelo espetáculo Na Quina do Tempo

Análise

As primeiras coreografias de Eva Schul são para o Grupo Landes, no início da década de 1970. Nessa época, Schul trabalha com a técnica de Martha Graham e introduz conceitos de improvisação e análise do movimento em suas aulas e criações. A produção mais importante da primeira fase de sua carreira acontece com o Grupo Mudança, que, junto com a academia de mesmo nome, é um espaço de experimentalismo e contracultura na Porto Alegre dos anos 1970. É com o Mudança que Eva cria Um Berro Gaúcho, obra baseada no mito de Sepé Tiaraju1, que aborda a identidade e cultura gaúcha, revisada sob olhar urbano e contemporâneo. Nessa produção e em outras, há preocupação com integrar  linguagens com profissionais do teatro, da música e das artes visuais que atuam como intérpretes das montagens. O elenco de Um Berro Gaúcho é composto de bailarinos como Gilson Nunes Petrillo e Malú Guimarães, pelo artista plástico Elton Manganelli (1948), a atriz Sonia Coppini e o músico Nico Nicolaiewsky (1957-2014). A obra inova ao trazer trilha sonora criada por dois jovens músicos e compositores populares gaúchos, Carlinhos Hartlieb (1947-1984) e Toneco da Costa. Até então, as produções sempre são acompanhadas por músicas de compositores eruditos.

O resultado desta perspectiva estética é a democratização dos corpos que dançam em cena, abertos à experimentação, não mais restritos aos que dominam as técnicas clássica e moderna. Na montagem Metamorfose, Eva Schul inclui textos criados pelo próprio elenco, comentando a situação local da dança naquele período. Alice, versão adulta para a obra do escritor inglês Lewis Carroll (1832-1898), é o primeiro trabalho integralmente baseado em um texto literário. Desenvolvido com base em improvisações criadas pelos bailarinos, elas constituem vocabulário singular da obra. No elenco está o diretor teatral Luiz Arthur Nunes (1946) no papel de “o gato”. 

Muitas obras da coreógrafa são marcadas pela improvisação e busca da expressividade de cada intérprete. Ao longo da trajetória, Schul desenvolve um projeto estético-pedagógico que se concretiza com a criação do Grupo Ânima. Forma uma nova geração de intérpretes e consegue, deste modo, ter um grupo de bailarinos que traduz suas inquietações artísticas. O  nima se consolida-se com a estreia de Caixa de Ilusões (2005). O espetáculo é inspirado na obra O Balcão, do escritor e dramaturgo francês Jean Genet (1910-1986) e recebe o Prêmio Açorianos de Dança, da Secretaria Municipal da Cultura de Porto Alegre, nas categorias de melhor cenografia e trilha sonora. 

A teatralidade presente nesses primeiros trabalhos do  nima, vai dando espaço a uma dramaturgia corporal que não precisa mais de representação literária e teatral marcante, mas que aposta no movimento. Essa nova perspectiva é evidente em Catch ou como Segurar um Instante. Nele, a coreógrafa revela uma dramaturgia alicerçada nos estados corporais dos intérpretes, com base no trabalho do release technique e do contato improvisação. Conforme destaca a coreógrafa, “a minha técnica é o trabalho de movimentos fluidos com uso mínimo de esforço, aliada ao conceito da Gestalt e à técnica de improvisação de contato, onde os encaixes dos apoios dos corpos possibilitem a eliminação desses esforços desnecessários, e na improvisação como base da composição coreográfica”. 

Um panorama das diferentes fases coreográficas configura-se em Dar Carne à Memória - I e II (2010), em que faz uma revisão de sua trajetória. O primeiro eixo do trabalho é formado pela remontagem com das coreografias Um Berro Gaúcho, Hall of Mirrors e Catch. O segundo eixo do trabalho reúne solos e duos do  nima, dançados pelos bailarinos que originariamente os interpretavam. Entre eles estão: Eduardo Severino, em Ser Animal; Cibele Sastre (1965), em O Fio Partido; Mônica Dantas, em Caixa de Ilusões; Tatiana Rosa, em Tons; Luciana Paludo, em Solitude; e Luciano Tavares e Viviane Lencina, em De um a Cinco. Entre os profissionais que ajuda a formar, além dos citados, estão Osman Khelili, Manuel Francisco, Rosane Chamecki (1964), Andrea Lerner (1966), Airton Rodrigues, Adilson Machado e João Fernando Filho.

Nota

1 Herói indígena, nascido na aldeia jesuítica dos Sete Povos das Missões, no Rio Grande do Sul. É o combatente e líder indígena que atua contra as tropas luso-brasileira e espanhola na chamada Guerra Guaranítica, no século XVIII.

Eventos relacionados 3

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • CUNHA, Morgada; FRANCK, Cecy. Dança: nossos artífices. Porto Alegre: Movimento, 2004.
  • SCHUL, Eva. Base de Dados Rumos Dança. Disponível em: < http://www.itaucultural.org.br >. Acesso em: 29 set. 2009.
  • SCHUL, Eva. Entrevista concedida pela artista em 6 set. 2010.
  • SCHUL, Eva. Memorial. Material não publicado, 2007.
  • SCHUL, Eva. [Planilha Base de Dados]. Enviada pela diretora em 17 de novembro de 2009.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: