Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural

Roberto Pereira

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 20.01.2020
02.07.1965 Brasil / São Paulo / São José dos Campos
21.06.2009 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Roberto Wagner Pereira (São José dos Campos, São Paulo, 1965 – Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009). Crítico, professor, pesquisador e escritor. Aos 17 anos, começa a ter aulas de balé na cidade natal. Nos anos 1980, muda-se para a capital paulista e, em 1988, forma-se em Literatura Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo ...

Texto

Abrir módulo

Roberto Wagner Pereira (São José dos Campos, São Paulo, 1965 – Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009). Crítico, professor, pesquisador e escritor. Aos 17 anos, começa a ter aulas de balé na cidade natal. Nos anos 1980, muda-se para a capital paulista e, em 1988, forma-se em Literatura Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Durante a graduação, frequenta os encontros do Centro de Estudos em Dança (CED), coordenados pela professora e crítica de dança Helena Katz (1950).

Interessado pelo balé clássico e pela historiografia da dança, transfere-se para a Áustria nos anos 1990 e dá continuidade ao mestrado na Universidade de Viena. Conclui o curso com a dissertação, depois editada como livro, Giselle: o Voo Traduzido – Da Lenda ao Balé. Volta ao Brasil em 1997 e estabelece residência no Rio de Janeiro. No mesmo ano, é convidado pela bailarina Daniella Visco (1964) a integrar o corpo docente do curso de Licenciatura em Dança do Centro Universitário da Cidade (UniverCidade). É responsável pelas disciplinas de filosofia, estética, história da dança e crítica de dança. Também colabora nas reformulações curriculares do curso, que passa a coordenar em 2002. Inspirado no modelo do CED, de São Paulo, funda o Grupo de Estudos em Dança do Rio de Janeiro, com Lia Rodrigues (1956), Silvia Soter, Dani Lima (1965) e outros artistas. Os encontros semanais seguem até 2006. 

Em 1998, em parceria com Silvia Soter, idealiza a coleção Lições de Dança. Publicada pela editora da UniverCidade, a obra tem cinco volumes e reúne textos de autores nacionais e estrangeiros. Torna-se crítico de dança do Jornal do Brasil em 1999. Ao longo de dez anos, assina mais de cem textos para o periódico. Entre 1998 e 2002, atua como curador do segmento Novíssimos, do Panorama Rioarte de Dança, dirigido por Lia Rodrigues. Em 2002, conclui o doutorado em Comunicação e Semiótica pela PUC/SP, sob orientação de Helena Katz. Sua tese, A Formação do Balé Brasileiro e a Crítica Jornalística, vira livro em 2003.

Nos anos de 2003 e 2004, ocupa o teatro que pertence à faculdade em que leciona com o Projeto Raio X – Danças da Cidade. Com Marise Reis (1963), seleciona licenciandos da UniverCidade e forma a Companhia de Dança da Cidade, que dirige até 2009. A proposta é recriar peças do repertório nacional de dança moderna e contemporânea. 

Em 2007, como coordenador de licenciatura em Dança da UniverCidade, estabelece convênio inédito com a Fundação do Theatro Municipal do Rio de Janeiro e cria uma turma especial formada apenas por bailarinos do Municipal e do Balé de Niterói.

Análise

Criativo, rigoroso, determinado e impulsivo, Roberto Pereira marca indelével na dança brasileira. O crítico, professor e pesquisador investe na construção de uma historiografia da dança, equilibrando o interesse pelo balé clássico com o olhar atento à criação contemporânea. A partir de 1998, quando intensifica sua atividade de pesquisador em dança, dedica-se ao aprofundamento histórico e às biografias. Publica 17 títulos. Um destaque é o livro A Formação do Balé Brasileiro, fruto de sua tese de doutorado e publicado em 2003. Outra obra importante é a coleção Lições de Dança.

Entre as variadas ações do artista no Rio de Janeiro, está a criação, em parceria com Theresa Rocha (1968) e Charles Feitosa, do Encontro Internacional de Dança e Filosofia, que tem duas edições, em 2005 e 2006, no Espaço Sesc. Com Silvia Soter, atua como curador das exposições Movimentos em Solo – A Dança de Isadora Duncan (2003) e  Pistas de Dança – Um Diagrama Possível da Dança Carioca (2004), ambas no mesmo espaço carioca. 

Roberto chega ao Rio de Janeiro no final dos anos 1990, quando a política pública municipal contribui para tornar a cidade uma referência para a dança contemporânea. Percebe, no entanto, que a pesquisa teórica não acompanha a intensa produção. Sua capacidade de diagnosticar as possibilidades para o aprofundamento da reflexão sobre dança  – articulada à agilidade com que identifica oportunidades para seu desenvolvimento  – faz com que ele promova encontros e fortaleça o campo da dança, para que artistas e pesquisadores da área desenvolvam suas práticas. Roberto faz isso no Rio de Janeiro e circula pelo Brasil, ministrando oficinas, palestras e contribuindo com pesquisadores e artistas de outros estados. Colabora com festivais de diferentes lugares, como a 6ª Bienal de Dança do Ceará, em 2007. Nos anos de 2004 e 2005, faz parte do Conselho Artístico do Festival de Dança de Joinville, Santa Catarina, onde idealiza os Seminários de Dança, com Sigrid Nora (1954) e Sandra Meyer (1957). A proposta é abrir um espaço para a reflexão teórica no festival de dança amadora. 

O professor e crítico estimula alunos e colegas a seguirem carreira acadêmica e encoraja-os a direcionar as pesquisas para a dança brasileira. Está ciente de que a pesquisa teórica em dança precisa de esforço para acompanhar a vitalidade da produção artística do país. Roberto é um defensor da importância dos cursos superiores de dança, considerando-os como vivência necessária, inclusive para intérpretes experientes. A parceria que estabelece com o Theatro Municipal do Rio de Janeiro permite que artistas como Ana Botafogo (1957), Áurea Hammerli, Marcelo Missailidis e Hélio Bejani, entre outros, concluam a graduação em dança, em 2009.

Fontes de pesquisa 16

Abrir módulo
  • Morre Roberto Pereira, teórico da dança. Disponível em: http://oglobo.globo.com/cultura/mat/2009/06/21/morre-roberto-pereira-teorico-da-danca-756440412.asp. Acesso em: 23 jun. 2009
  • PEREIRA, Roberto (Org.). Ao lado da crítica: 10 anos de crítica de dança – 1999-2009.. Rio de Janeiro: Edições Funarte, 2009. 2 v.
  • PEREIRA, Roberto. A formação do balé brasileiro. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.
  • PEREIRA, Roberto. Aldo Lotufo: o eterno príncipe. Rio de Janeiro: Faperj: Fundação Theatro Municipal do Rio de Janeiro, 2002.
  • PEREIRA, Roberto. Eleonora Oliosi: um diamante musical. Rio de Janeiro: Faperj: Fundação Theatro Municipal do Rio de Janeiro, 2002.
  • PEREIRA, Roberto. Eros Volusia: a criadora do Bailado Nacional. Rio de Janeiro: Relume Dumará: Prefeitura do Rio, 2004.
  • PEREIRA, Roberto. Giselle: o vôo traduzido – da lenda ao balé. Rio de Janeiro: UniverCidade Editora, 2003.
  • PEREIRA, Roberto. Luis Arrieta: poeta do movimento. São Paulo: Imprensa Oficial, 2010.
  • PEREIRA, Roberto. Luz na dança: contornos e movimentos. Rio de Janeiro: Eletrobrás, 1998.
  • PEREIRA, Roberto. Os passos de Juliana Yanakieva. Niterói: Niterói Livros, 2001.
  • PEREIRA, Roberto; NORA, Sigrid; MEYER, Sandra. (Orgs.). Seminários de dança – história em movimento: biografias e registros de dança. Caxias do Sul: Lorigraf, 2008.
  • PEREIRA, Roberto; SOTER, Silvia (Orgs.) . Lições de dança 4. Rio de Janeiro: UniverCidade Editora, 2003.
  • PEREIRA, Roberto; SOTER, Silvia (Orgs.). Lições de dança 1. Rio de Janeiro: UniverCidade Editora, 1998.
  • PEREIRA, Roberto; SOTER, Silvia (Orgs.). Lições de dança 2. Rio de Janeiro: UniverCidade Editora, 1999.
  • PEREIRA, Roberto; SOTER, Silvia (Orgs.). Lições de dança 3. Rio de Janeiro: UniverCidade Editora, 2001.
  • PEREIRA, Roberto; SOTER, Silvia (Orgs.). Lições de dança 5. Rio de Janeiro: UniverCidade Editora, 2005.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: