Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Celso Renato

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 10.04.2017
23.07.1919 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
02.09.1992 Brasil / Minas Gerais / Belo Horizonte
Reprodução fotográfica Sérgio Guerini

Sem Título
Celso Renato
Acrílica sobre madeira usada com cimento
80,00 cm x 80,00 cm
Coleção Ladi Biesus, SP

Celso Renato de Lima (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1919 - Belo Horizonte, Minas Gerais, 1992). Pintor. Ainda criança, transfere-se com a família para Belo Horizonte, Minas Gerais. Recebe alguns ensinamentos de pintura de seu pai, o também pintor Renato de Lima (1893-1978). Forma-se em direito pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, ...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Celso Renato de Lima (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1919 - Belo Horizonte, Minas Gerais, 1992). Pintor. Ainda criança, transfere-se com a família para Belo Horizonte, Minas Gerais. Recebe alguns ensinamentos de pintura de seu pai, o também pintor Renato de Lima (1893-1978). Forma-se em direito pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, em 1944; trabalha como representante de empresas de produtos químicos e, de 1965 a cerca de 1985, como advogado da Telecomunicações de Minas Gerais S. A. - Telemig. Paralelamente, dedica-se à carreira artística e passa a expor suas obras a partir de 1962. Desde a década de 1970, realiza pinturas-assemblages com base em madeiras recolhidas em obras de construção civil. Nos fragmentos selecionados das madeiras, cria, com o uso de poucas cores, composições abstrato-geométricas orientadas pelas marcas neles existentes.

Análise

Celso Renato desempenha importante papel no âmbito da arte mineira de meados dos anos 1970 até a data de sua morte. Ao lado de Amilcar de Castro (1920-2002), é considerado um dos mais singulares artistas em diálogo com a tradição construtiva em Minas Gerais. De formação relativamente autodidata - recebe alguns ensinamentos do pai, o pintor Renato de Lima (1893 - 1978) -, Celso Renato inicia a carreira no começo dos anos 1960. Sua primeira produção é marcada pela influência da abstração informal. No entanto, são as pinturas abstrato-geométricas realizadas em pranchas de concretagem, tapumes e tábuas velhas de construção que conferem originalidade e importância ao trabalho desenvolvido por ele na arte brasileira.

Em 1967, Celso Renato vale-se pela primeira vez da madeira como suporte para pintura. No decorrer dos anos 1970 alterna a pintura sobre tela, de teor expressionista abstrato de cores sombrias, com obras sobre madeira. Pouco a pouco, as manchas e os grafismos gestuais dão lugar a registros formais geométricos que despontam como índice de outra concepção espacial. Nos anos 1980, dedica-se exclusivamente ao trabalho sobre madeira de cunho construtivo, que lhe proporciona um convite para integrar a 17ª Bienal Internacional de São Paulo, em 1983.

A singularidade de suas pinturas-assemblages sobre madeira encontra-se no uso criativo dos formatos e texturas do material aliado a uma intervenção enxuta, restrita ao uso de linhas e formas geométricas, e das cores branca, vermelha e preta. Em suas mãos, a madeira velha torna-se mediadora de novos significados. Em geral, Celso Renato coleta o material em canteiros de obras, faz a limpeza das superfícies, retirando os detritos (pregos, cimento etc) desnecessários à composição. Muitas vezes, as intervenções com tinta à óleo são mínimas, procurando realçar os acidentes (frestas, rachaduras, vincos), formato e textura da madeira. Nesse sentido, o trabalho sobressai pela capacidade de transformar o suporte em elemento eminentemente plástico.

Como observaram diversos críticos, a pintura de Celso Renato alia-se a uma espécie de "geometria sensível", que se desenvolve no Brasil a partir dos anos 1950 como uma vertente da arte abstrata geométrica. Sem o caráter racionalista e projetivo da arte concreta, alguns artistas se utilizam de forma intuitiva da geometria como componente estruturador do espaço pictórico. O crítico de arte Luiz Camillo Osório nota que a partir dos anos 1970 há no trabalho de Celso Renato uma vontade de enfrentar a cidade, presente na obra como "destroço, resultado de uma apropriação caótica de materiais pobres que aos poucos vão se ordenando e conquistando uma geometria irregular". Importante salientar que nesses trabalhos uma aproximação ao universo da arte popular, principalmente ao decorativismo geométrico da arte indígena e africana.

Apesar de relativamente desconhecido no resto do país, Celso Renato é referência para alguns artistas mineiros contemporâneos. Figura em diversas exposições ao lado de artistas como Marco Tulio Resende (1950), Marcos Coelho Benjamim (1952), Manfredo de Souzanetto (1947) e outros. Suas pinturas-assemblages com restos de madeira - nas quais matéria e intuição construtiva atingem um equilíbrio expressivo -, a influência que desempenharam na constituição de uma linguagem contemporânea em Minas Gerais e como exemplares de um desdobramento singular da arte construtiva no Brasil, aguardam mais atenção dos historiadores da arte brasileira.

Obras 12

Abrir módulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Objeto I

Técnica mista sobre tapume
Reprodução fotográfica autoria desconhecida
Reprodução fotográfica autoria desconhecida
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Sem Título

Óleo sobre tapume
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Exposições 84

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 21

Abrir módulo
  • 10 X Minas. Curadoria Leonardo Bahia; tradução Charles Bacon, Henrique Oliveira. Ipatinga: Centro Cultural Usiminas, 2003.
  • 4 X Minas. Belo Horizonte: Palácio das Artes, 1993.
  • 4X minas. Texto Marcus de Lontra Costa, Angelo Oswaldo, Philippe Cyroulnik, Ferreira Gullar, Roberto Pontual, Márcio Sampaio; tradução Maurício Fernandes. Rio de Janeiro: MAM, 1993. 48 p., il. color.
  • BIENAL BRASIL SÉCULO XX, 1994, São Paulo, SP. Bienal Brasil Século XX: catálogo. Curadoria Nelson Aguilar, José Roberto Teixeira Leite, Annateresa Fabris, Tadeu Chiarelli, Maria Alice Milliet, Walter Zanini, Cacilda Teixeira da Costa, Agnaldo Farias. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1994.
  • BIENAL INTERNACIONAL DE SÃO PAULO, 20., 1989, São Paulo, SP. Catálogo geral. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1989. v. 1.
  • BIENAL INTERNACIONAL DE SÃO PAULO, 7., 1963, São Paulo, SP. Catálogo. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1963.
  • CAMINHOS da liberdade: bicentenário da Inconfidência Mineira e centenário da República - exposição de artes plásticas. Belo Horizonte: Secretaria de Estado da Cultura, 1989. , il. color.
  • CELSO Renato de Lima. Apresentação de Walter Zanini e Amílcar de Castro. Belo Horizonte: Pace Arte Galeria, 1988.
  • CELSO Renato: arte no sangue, arte na memória. Belo Horizonte: Museu Mineiro, 1985. , il. p&b.
  • CONSTRUÇÃO selvagem. Belo Horizonte: Grande Galeria do Palácio das Artes, 1990. il. color.
  • DESTAQUES da arte contemporânea brasileira. São Paulo: MAM, 1985. 22 p., il. p&b.
  • DEZ artistas mineiros. São Paulo: MAC/USP, 1984. , il. p&b.
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • HISTÓRIA de uma coleção: arte brasileira entre os anos 1960 e 1980 no acervo do Banco JPMorganChase. Curadoria Luiz Camillo Osorio; texto Luiz Camillo Osorio; versão em inglês Carolyn Brisset. Rio de Janeiro, 2003. 236 p., il. p&b color.
  • MANFREDO de Souzaneto, Amilcar de Castro, Marcos Coelho Benjamim e Celso Renato. Tradução Maurício Fernandes. Rio de Janeiro: MAM, 1993.
  • NEMER, José Alberto. ícones da utopia. Belo Horizonte: Fundação Palácio das Artes, 1992.
  • RENAULT, Claudia (coord.). Celso Renato de Lima. Texto Márcio Sampaio; curadoria Marília Razuk. São Paulo: Marília Razuk Galeria de Arte, 2003. [20] p., il. color.
  • RIBEIRO, Marília Andrés (org.); SILVA, Fernando Pedro da (org.). Um século de história das artes plásticas em Belo Horizonte. Belo Horizonte: C/Arte, 1997. (Centenário).
  • SALÃO GLOBAL DE INVERNO, 8. , 1981, Belo Horizonte, MG. Minas / Arte atual. Belo Horizonte: Rede Globo, 1981.
  • ZANINI, Walter. Itaugaleria expõe Celso Renato. Guia das Artes, São Paulo: Casa Editorial Paulista, v.4, n.19, p.47-49, 1990.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: