Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Dança

Mercedes Baptista

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 21.05.2021
20.05.1921 Brasil / Rio de Janeiro / Campos dos Goytacazes
18.08.2014 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Reprodução fotográfica Correio da Manhã/Acervo Arquivo Nacional

Mercedes Baptista, 1959

Mercedes Ignácia da Silva Krieger (Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro, 1921 – Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014)1. Coreógrafa e bailarina. Primeira bailarina negra a integrar o corpo de baile do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Mercedes Baptista é figura-chave no âmbito da dança, ao fomentar o processo de inserção étnica e cultural em ...

Texto

Abrir módulo

Mercedes Ignácia da Silva Krieger (Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro, 1921 – Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014)1. Coreógrafa e bailarina. Primeira bailarina negra a integrar o corpo de baile do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Mercedes Baptista é figura-chave no âmbito da dança, ao fomentar o processo de inserção étnica e cultural em curso no Brasil, além de uma grande divulgadora da dança afro-brasileira.

Ainda jovem, muda-se para a capital carioca. Em 1944, frequenta o curso de danças oferecido pelo Serviço Nacional de Teatro do Rio de Janeiro e ministrado por Eros Volúsia (1914-2004), de quem recebe as primeiras lições de balé clássico e dança folclórica. 

Nos anos 1940, ingressa na Escola de Balé do Theatro Municipal do Rio de Janeiro e estuda com o coreógrafo estoniano Yuco Lindberg (1908-1948) e o tcheco Vaslav Veltchek (1897-1968). Em 1948, é admitida como primeira bailarina negra do Corpo de Baile do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, mas atua em poucas coreografias. No mesmo período, participa de apresentações com o grupo Teatro Experimental do Negro (TEN), do diretor Abdias do Nascimento (1914-2011), e aproxima-se da luta pelo reconhecimento do trabalho de negros e negras no teatro brasileiro. 

No fim da mesma década, é selecionada pela coreógrafa e antropóloga estadunidense Katherine Dunham (1909-2006), negra e ativista da causa afro-americana, para estudar na Dunham School of Dance, em Nova York, e, em 1950, também passa a integrar o Conselho de Mulheres Negras, no Rio de Janeiro, ampliando sua militância política em meio às artes.

A aproximação com diferentes esferas da luta pelo reconhecimento das influências negras na arte e sua formação voltada para pesquisas sobre culturas de matrizes africanas levam Mercedes Baptista a fundar, em 1953, o grupo Ballet Folclórico Mercedes Baptista, dedicado à cultura afro-brasileira, que se transforma em ícone da reafirmação do artista negro da dança no país. O grupo é formado exclusivamente por integrantes negros e negras, abrindo espaço para atuação de artistas excluídos dos espaços tradicionais da dança.

Em 1955, o grupo é convidado pelo coreógrafo russo Léonide Massine (1896-1979) para participar de Hino à Beleza, peça elaborada para o Corpo de Baile do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. A companhia também atua no teatro de revista com Agora a Coisa Vai (1956), Rumo a Brasília (1957) e Juju-Fru-Fru (1958), realizadas pela Companhia Silva Filho no Teatro João Caetano.

O primeiro espetáculo exclusivo do grupo no Brasil é África, exibido no Teatro de Arena da Guanabara, em 1962. A companhia faz turnês na Argentina (1955, 1958 e 1962) e no Uruguai (1955 e 1962). Em 1965, participa do Festival de Arte Folclórica na França e sai em turnê por seis meses, apresentando-se em 150 cidades europeias. Em 1966, a companhia faz turnê pelo Chile e, em 1969, segue para Portugal.

Em 1960, Mercedes Baptista atua como carnavalesca na Escola de Samba Acadêmicos do Salgueiro, com o tema Quilombo dos Palmares, contribuindo para a incorporação de novos elementos aos desfiles, como a presença de alas coreografadas no conjunto das escolas de samba. Em 1963, Mercedes coreografa a comissão de frente da mesma escola para o premiado samba-enredo “Xica da Silva”2. Na década seguinte, dedica-se ao ensino, ministrando cursos fora do país, e introduz a disciplina de dança afro-brasileira na Escola de Dança do Theatro Municipal do Rio de Janeiro.

Mercedes Baptista contribui para a história da dança e das artes do corpo no Brasil, através de suas pesquisas sobre matrizes culturais africanas, além de possibilitar a presença de artistas negros e negras em espaços tradicionais do balé brasileiro. 

Notas

1. Não é possível precisar sua data de nascimento, pois existem controvérsias. Em depoimento realizado no Museu da Imagem e do Som (1997) ela declarou: 20 de maio de 1926, algumas outras fontes trazem 1921 e 1930. Seus ex-alunos consideram o dia 20 de maio de 1921.

2. O samba-enredo é uma composição de Arlindo Rodrigues, e a escola é campeã do Carnaval nesse ano, desfilando na Avenida Presidente Vargas, na Candelária. Os desfiles passam a acontecer no sambódromo Marquês de Sapucaí apenas na década de 1980.

Exposições 1

Abrir módulo

Eventos relacionados 8

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: