Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Fábio Noronha

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 01.11.2017
26.12.1970 Brasil / Paraná / Curitiba
Fábio Jabur de Noronha (Curitiba, Paraná, 1970). Artista plástico, professor. Entre 1990 e 1994, estuda na Escola de Música e Belas Artes do Paraná - Embap, formando-se em pintura. Em 1996, começa a lecionar na Embap e desenvolve a série de desenhos Condutores de Limites, feitos com aquarela, grafite e cera. Realiza a série Conservadores de Carn...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Fábio Jabur de Noronha (Curitiba, Paraná, 1970). Artista plástico, professor. Entre 1990 e 1994, estuda na Escola de Música e Belas Artes do Paraná - Embap, formando-se em pintura. Em 1996, começa a lecionar na Embap e desenvolve a série de desenhos Condutores de Limites, feitos com aquarela, grafite e cera. Realiza a série Conservadores de Carnes, 1998, em que utiliza fotografia, desenho e pintura. Torna-se chefe do departamento de pintura da Embap, em 1999, e logo após inicia curso de especialização em história da arte, nessa instituição. Entre 1998 e 2003, produz a série Acidez, e escreve um texto de ficção com o mesmo nome para o catálogo da exposição Panorama da Arte Brasileira, no Museu de Arte Moderna de São Paulo - MAM/SP. Desde 2000, trabalha com vídeo e imagens digitais, apropriando-se de imagens já existentes. Em 2005, faz mestrado em artes visuais na Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS.

Análise

As pinturas iniciais de Fábio Noronha têm pinceladas fortes e seguras que buscam integrar massas de cor e grafismos. Em vez da gestualidade gratuita o artista busca refletir sobre o próprio ato de pintar. Passa a utilizar telas agrupadas em módulos, formando um espaço único que deixa evidente sua materialidade com base nas fendas que surgem entre elas. Esses aspectos levam o artista a buscar relações formais internas a cada módulo, mas que provoquem novas relações em seu conjunto.

Ainda em seu período de graduação, entra em contato com a fotografia, inicialmente usada para registrar seus trabalhos, depois passa a utilizá-la em suas obras ao lado da pintura e do desenho. A partir de 1996, elabora obras em séries, lidando com algumas delas simultaneamente de forma não-linear. Em 1996, inicia a série de desenhos Condutores de Limites e, em 1998, a série Conservadores de Carnes.

Na série Acidez, além das massas de cor e grafismos, são utilizados auto-retratos e frases em algumas obras. Essas frases, embora possam ser interpretadas como metáforas, são usadas de forma literal, "provocando o espectador a não substituir aquilo que ele vê", afirma o artista. Em 2000, inicia sua produção em vídeo, interessado nas características dessa técnica. Noronha trabalha com imagens já existentes, como trechos de vídeos pornográficos retirados da internet e algumas imagens anteriormente registradas por ele. Utiliza para isso cortes, duração, contrastes, justaposições e sobreposições e um formato influenciado pela pintura. Sua produção passa a ficar focada no desenvolvimento dessa linguagem e no uso de imagens digitais.

Exposições 47

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 12

Abrir módulo
  • BIENAL DE ARTES DE GOIÁS, 3., 1993. 3ª Bienal de Artes de Goiás. Texto Miguel Jorge, Geraldo Coelho Vaz. Goiânia: MAC, 1993. [22] p., il. color.
  • FÁBIO Noronha; Pazé. São Paulo: Paço das Artes, 1999. folha dobrada, il. color. (Temporada de projetos 1999).
  • HERKENHOFF, Paulo (org.); PEDROSA, Adriano (org.). Marcas do corpo, dobras da alma. São Paulo: Takano, 2000.
  • MOSTRA DO DESENHO BRASILEIRO, 10., 1994, Curitiba, PR. 10ª Mostra do Desenho Brasileiro. Curitiba: MAC, 1994.
  • NORONHA, Fábio. Fábio Noronha. Paraná: MAC, 1994. s.p., il.
  • RUMOS ITAÚ CULTURAL ARTES VISUAIS. Deslocamentos do eu: o auto-retrato digital e pré-digital na arte brasileira (1976-2001). Curadoria e texto Tadeu Chiarelli. São Paulo: Itaú Cultural, 2001. [20] p., il. color.
  • SALÃO DA BAHIA, 1., 1994, Salvador. 1º Salão MAM-Bahia de Artes Plásticas. Salvador: Museu de Arte Moderna da Bahia, 1995.
  • SALÃO NACIONAL VICTOR MEIRELLES, 6. , 1998, Florianópolis, SC. 6º Salão Nacional Victor Meirelles. Curadoria Charles Narloch. Florianópolis: MASC, 1998.
  • SALÃO PARANAENSE, 53., 1996, Curitiba, PR. 53º Salão Paranaense. Curadoria João Henrique do Amaral. Curitiba: MAC/Paraná, 1996.
  • SALÃO Pernambucano de Artes Plásticas. Texto Raul Córdula. Recife, 2000. [46] p., il. color.
  • SUITE Vollard, Picasso: uma interpretaçao paranaense. Curitiba: Museu de Arte do Paraná, 1994. , il. p&b.
  • VENTOSUL: MOSTRA DE ARTES VISUAIS INTEGRAÇÃO DO CONE SUL - ARGENTINA, BRASIL, CHILE, PARAGUA, URUGUAI, 2., 1994, Cascavel, PR. Ventosul: Argentina, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai. Curadoria e texto Tício Escobar, Fernando Cocchiarale, Adalice Araújo, Laura Buccellato, Alícia Haber, Nelly Richard; texto Fidelcino Tolentino, Gilda Poli, Luiz Ernesto Meyer Pereira, Angela Ceccatto,; tradução J. J. Durán. Cascavel, 1994. 82 p., il. p&b.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: