Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Leopoldo Plentz

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 30.03.2017
22.05.1952 Brasil / Rio Grande do Sul / Porto Alegre

Pedra de Amolar, Joinville SC, 1987
Leopoldo Plentz
Matriz - negativo

José Leopoldo Plentz (Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 1952). Fotógrafo e artista plástico. Gradua-se em artes plásticas pelo Instituto de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (IA/UFRGS), em Porto Alegre, em 1980. Nesse período, estuda gravura no Atelier Livre da Prefeitura de Porto Alegre. Fotografa desde 1975, dedicando-se a trab...

Texto

Abrir módulo

Biografia

José Leopoldo Plentz (Porto Alegre, Rio Grande do Sul, 1952). Fotógrafo e artista plástico. Gradua-se em artes plásticas pelo Instituto de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (IA/UFRGS), em Porto Alegre, em 1980. Nesse período, estuda gravura no Atelier Livre da Prefeitura de Porto Alegre. Fotografa desde 1975, dedicando-se a trabalho autoral e à documentação de bens culturais. A primeira exposição individual acontece em 1979, exibindo conjunto de gravuras no Museu da Gravura de Bagé, Rio Grande do Sul. Entre 1980 e 1990, coordena o Gabinete de Fotografia da Faculdade de Arquitetura da UFRGS. Nesse período, participa de diversas exposições coletivas e realiza suas primeiras mostras individuais de fotografia. Em 1984, é contemplado com a Bolsa Marc Ferrez, concedida pelo Instituto Nacional da Fotografia da Fundação Nacional de Artes (INFoto/Funarte). De 1990 a 1996, integra a equipe do Núcleo de Fotografia da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação da UFRGS. Atua como professor de fotografia do Curso de comunicação social da Universidade de Passo Fundo, entre 1996 e 1998. Nesse ano, recebe o Prêmio Gaúcho de fotografia, promovido pelo Governo do Estado do Rio Grande do Sul. Em 2001, é contemplado com o Prêmio Icatu e, no ano seguinte, com a Bolsa Vitae de Artes, para dar continuidade ao projeto Cidades Visíveis. Em 2007, recebe o Prêmio Pestana, em Portugal, concedido por meio do concurso internacional de fotografias Niemeyer 100 anos.  Em 200, torna-se  professor do Centro de Fotografia da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM-Sul), em Porto Alegre.

Análise

Leopoldo Plentz inicia sua carreira como fotógrafo, na década de 1970, dedicando-se à fotografia de arquitetura e ao registro de bens culturais. Nesse período, realiza também algumas fotografias de paisagens urbanas e rurais. Quando desenvolve um trabalho autoral mais definido, nota-se uma característica incomum ao tipo de fotografia com que começa sua produção: o plano fechado. Em ensaios como Erótica (1991) e Simulacro (1998) as imagens são tomadas de ângulos muito próximos aos objetos, como se o fotógrafo quisesse oferecer ao espectador a possibilidade de penetrar em seus detalhes, sentir suas texturas. Um dos objetivos de Plentz nessas pesquisas parece ser explorar a capacidade inerente à fotografia de atrair e provocar o olhar, “recortando” um fragmento do mundo. A natureza desses fragmentos “recortados”, porém, é variável. Em Erótica, sequências de imagens exibem partes de uma cama desfeita, com roupas e lençóis amassados, evocando o erotismo pela ausência dos corpos. Já em Simulacro, o artista faz “fotografias de coisa nenhuma”, como sugere o subtítulo do catálogo da mostra: um papel amassado no chão, paredes descascadas, um fragmento de portão de ferro, uma pia no canto de um banheiro, um quadro de energia. Embora “de coisa nenhuma”, as imagens são compostas com rigor formal. No catálogo da mostra, as fotografias são acompanhadas por versos de Fernando Pessoa (1888-1935)  – um deles diz “O essencial é saber ver”– e Oscar Wilde (1854-1900) sobre o ato de olhar, reforçando o convite a descobrir, nas imagens, a poesia contida em detalhes daquilo que muitas vezes olhamos, mas não vemos.

Obras 8

Abrir módulo

Exposições 46

Abrir módulo

Feiras de arte 2

Abrir módulo

Workshops 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 11

Abrir módulo
  • ARTE gaúcha contemporânea. Porto Alegre: Casa de Cultura Mário Quintana, 1991. 70 p., il. p&b. p.47.
  • CARBONCINI, Anna (coord.). Coleção Pirelli / MASP de Fotografias: v. 3. Versão em inglês Kevin M. Benson Mundy. São Paulo: Masp, 1993.
  • CENTRO de Fotografia ESPM. São Paulo. Disponível em: < http://foto.espm.br/index.php/professores/ >. Acesso em: 15 maio 2013.
  • COLEÇÃO Pirelli/ Masp de Fotografia. São Paulo. Disponível em:< http://www.colecaopirellimasp.art.br/autores/44 >. Acesso em: 15 maio 2013.
  • EXPOSIÇÃO Aquisições 1999-2002. Projeto Fábio Luiz Borgetti Coutinho. Porto Alegre: MARGS, 2002.
  • MARGS. Disponível em: . Acesso em: 9 nov. 2011. Não catalogado
  • PAIVA, Joaquim (org.). Visões e alumbramentos: fotografia brasileira contemporânea na coleção Joaquim Paiva. Versão em inglês Katica Szabó, Laura Ferrari. São Paulo: BrasilConnects Cultura & Ecologia, 2002.
  • PLENTZ, Leopoldo. Efêmeras. Texto Luiz Carlos Felizardo. Porto Alegre: MARGS, 1999.
  • PLENTZ, Leopoldo. Erótica. São Paulo: MIS, 1991. 4 p., il. p&b.
  • PLENTZ, Leopoldo. Simulacro ou fotografias de coisa nenhuma. Porto Alegre: Usina do Gasômetro-Galeria dos Arcos, 1998.
  • RÖSING, Tania Mariza Kuchenbecker; BECKER, Paulo Ricardo (org.). Memória. Jornadas literárias de Passo Fundo: 20 anos de história, 4. Passo Fundo: UPF: Edelbra, 2001.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: