Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Marisa Monte

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 26.04.2018
01.07.1967 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Marisa de Azevedo Monte (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1967). Cantora, compositora e produtora musical. Aos 6 anos, estuda piano e, aos 9, bateria. Frequenta a Portela desde a infância com seu pai, Carlos Monte, diretor cultural da escola de samba. Aos 14, estuda de canto e teoria musical. No colégio, participa do musical Rocky Horror Show, di...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Marisa de Azevedo Monte (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1967). Cantora, compositora e produtora musical. Aos 6 anos, estuda piano e, aos 9, bateria. Frequenta a Portela desde a infância com seu pai, Carlos Monte, diretor cultural da escola de samba. Aos 14, estuda de canto e teoria musical. No colégio, participa do musical Rocky Horror Show, dirigido por Miguel Falabella (1956). Em 1985, viaja para a Itália e estuda canto lírico. Nesse ano, estreia em disco na faixa “Sábado à Noite”, de Sérgio Sá, da trilha do filme Tropclip (1985), ao lado dos grupos Barão Vermelho e Roupa Nova.

Em 1987, estreia o espetáculo Tudo Veludo, com direção de Nelson Motta (1944). Em 1989, faz especial para a TV Manchete, cujo repertório origina o primeiro álbum, Marisa Monte. Sua voz torna-se conhecida com a canção “Bem Que Se Quis” - versão de Nelson Motta para “E Po’ Che Fa” [Pino Daniele (1955-2015)] -, trilha da novela O Salvador da Pátria (Rede Globo). Estreia como compositora no álbum Mais (1991), com as canções “Eu Sei (Na Mira)”; “Beija Eu”, parceria com Arto Lindsay (1953) e Arnaldo Antunes (1960), e “Ainda Lembro”, com Nando Reis (1963), em que faz dueto com Ed Motta (1971). Produzido por Arto Lindsay, o disco ganha projeção internacional.

Em Verde, Anil, Amarelo, Cor de Rosa e Carvão (1994), atua como coprodutora. A faixa “Segue o Seco” [Carlinhos Brown (1962)] ganha repercussão, e o videoclipe é premiado na edição de 1995 do MTV Video Music Brasil. A turnê é registrada em Barulhinho Bom: Uma Viagem Musical (1996), álbum duplo com outro disco com músicas inéditas, gravadas em estúdio. O CD é lançado com um vídeo, do qual participam Os Novos Baianos, as Pastoras da Velha Guarda da Portela, Paulinho da Viola (1942) e Raphael Rabello (1962-1995).

Produz os discos Omelete Man (1998), de Carlinhos Brown; Tudo Azul (2000), da Velha Guarda da Portela; e Argemiro Patrocínio (2002), do compositor e cavaquinista Argemiro Patrocínio (1923-2003), lançados por selo próprio, Phonomotor Records. Na mesma época, inicia a pesquisa de sambas da tradição oral da Portela. O trabalho serve de base para o documentário O Mistério do Samba, concluído em 2008, do qual é coroteirista e coprodutora.

Em 2000, lança Memórias, Crônicas e Declarações de Amor, contemplado pelo Prêmio Multishow de Música Brasileira 2001 nas categorias Melhor CD e Melhor Cantora. Com Carlinhos Brown e Arnaldo Antunes, grava o CD e o DVD Tribalistas (2002), vencedor do Grammy Latino 2003 de Melhor Álbum de Pop Contemporâneo Brasileiro.

Em 2006, lança dois álbuns: Infinito Particular, com composições suas e de parceiros, e Universo Ao Meu Redor, explorando repertório de sambistas cariocas. No mesmo ano, inicia a turnê mundial Universo Particular. Entre 2008 e 2014, lança os CDs e DVDs Infinito Ao Meu Redor (2008), O Que Você Quer Saber De Verdade (2011) e Verdade Uma Ilusão (2014). Em Coleção (2016), reúne músicas que não figuram em sua discografia oficial, além de participações em discos de outros artistas e trilhas de filmes.

Análise

A obra de Marisa Monte transita por múltiplas vertentes musicais, presentes desde as primeiras apresentações em público. Nelas, inclui algumas de suas referências: a canção romântica, o pós-tropicalismo, o BRock, o rock internacional, o soul, o reggae e o jazz. O samba, cuja afinidade surge na infância, figura em seu repertório desde a estreia como cantora, com a gravação de “Preciso me Encontrar” [Candeia (1935-1978)], e “Lenda das Sereias” (Vicente Matos, Dinoel e Arlindo Velloso).

O período em que estuda canto lírico na Itália é importante para o domínio da técnica e para a definição de suas preferências musicais. Apesar de não seguir esse estilo, inclui trecho da ópera La Sonnambula - composta pelo italiano Vicenzo Bellini (1801-1835) -, em suas apresentações iniciais, e considera o gênero uma referência para compor. A escuta plural reflete um novo momento da música popular brasileira, no qual a concepção de MPB é alargada, absorvendo diferentes gêneros antes entendidos como exógenos à cultura musical nacional.

Mezzo-soprano eclética, a cantora é capaz de atingir de graves rascantes a agudos operísticos à Maria Callas. Em seus primeiros concertos, nota-se a tendência de procurar sonoridade semelhante às das divas do jazz. Exemplo disso é a interpretação ao vivo de “Speak Low” [Kurt Weill (1900-1950) e Ogden Nash (1902-1971)], em que as referências são as vocalizações guturais da cantora estadunidense Billie Holiday (1915-1959). Já na versão registrada em estúdio, com o andamento mais lento e uso de scats, a tessitura aproxima-se das gravações das cantoras estadunidenses Sarah Vaughan (1924-1990) e Peggy Lee (1920-2002). A experimentação prossegue na versão de “Negro Gato” [Getúlio Cortes (1938)], clássico da jovem guarda transformado em blues, com vocal rasgado. No samba “South American Way” - dos norte-americanos Al Dubin (1981-1945) e Jimmy McHugh (1894-1969), composta sob medida para a intérprete Carmen Miranda (1909-1955) -, faz uma homenagem às rainhas do rádio, reproduzindo as vibrações da letra “r”, características da dicção na música popular na época.

A colagem de canções incidentais demonstra erudição e filiações estéticas e é procedimento comum nos arranjos de início de carreira. Nas versões, “Chocolate” [Tim Maia (1942-1998)], cita “É Proibido Fumar” [Roberto Carlos (1941) e Erasmo Carlos (1941)]; em “Xote das Meninas” [Luiz Gonzaga (1912-1989) e Zé Dantas (1921-1962)], recebe como música incidental “Severina Xique-Xique” [João Gonçalves (1936) e Genival Lacerda (1931)], com rápida menção a “My Heart Belongs to Daddy”, do estadunidense Cole Porter (1891-1964). A canção “Ensaboa” [Cartola (1908-1980)], é reconstruída com trechos de “Lamento da Lavadeira” [Monsueto (1924-1973), Nilo Chagas (1917- 1973) e João Violão], acrescida de um medley de “Marinheiro Só” (canção folclórica), “A Felicidade” [Tom Jobim (1927-1994) e Vinícius de Moraes (1913-1980)], “Eu Sou Negão” (Gerônimo) e “Sorrow, Tears and Blood”, da nigeriana Fela Kuti (1938-1997). O arranjo instrumental híbrido mistura ritmos que remetem à música tradicional brasileira (como o lundu) e contemporânea internacional (como o afrobeat), conciliando pandeiro e guitarra, metais do soul e coro das pastoras da Portela.

Se, no início da carreira, a cantora recorre a obras de outros compositores, o traço autoral encontra-se na escolha do repertório e na expressividade das interpretações. Da mesma forma, parcerias com compositores, arranjadores e produtores são escolhidas de acordo com a proposta de cada trabalho: com Arto Lindsay, alcança o circuito internacional; no acompanhamento musical, Paulo Moura, Naná Vasconcelos (1944-2016) e o conjunto Época de Ouro imprimem diferentes texturas às músicas. Construindo uma trajetória baseada nos palcos, a cantora escolhe o momento de gravar cada disco, o que explica o volume pequeno - 11 em quase 30 anos de atuação.

A partir da atividade como compositora, seu trabalho passa a ser assimilado por um público mais amplo. Aos poucos, abandona a aura de diva, assume gestual mais suave e um repertório mais popular, com acenos ao estilo romântico brega, combinado com a performance como instrumentista. Embora faça harmonias e letras, tem mais facilidade para compor melodias. Nesse momento, busca aproximar-se de músicos brasileiros, estabelecendo parcerias com Carlinhos Brown e Arnaldo Antunes.

Seu trabalho desenvolve-se concomitante à produção de videoclipes no Brasil, com a inauguração da filial da emissora MTV no país, em 1990. Desde o início, a cantora cerca-se de profissionais ligados ao cinema, às artes plásticas e visuais, que colaboram com um projeto artístico que transcende a dimensão musical. A criação audiovisual complementar aos CDs e as capas assinadas por artistas plásticos são frequentes em suas produções. É o caso da direção de arte do cenógrafo Gringo Cardia (1957), para o CD Barulhinho Bom: capa e encarte trazem reproduções de desenhos de Carlos Zéfiro (1921-1992).

A cantora exerce protagonismo frente à gestão de seus projetos, à produção musical e à própria imagem. Em Memórias, Crônicas e Declarações de Amor, lançado também como songbook, a artista assume o posto de fotógrafa, fazendo registros caseiros e amadores, organizados para de compor uma narrativa pessoal, afetiva e não linear.

Aliando tradição e modernidade, Marisa Monte constrói uma ponte entre gerações, levando a um público mais amplo canções inéditas e restritas à oralidade de seus circuitos de origem. Sobretudo com relação ao samba, dedicando-se à pesquisa e produção de compositores da Velha Guarda da Portela.

Obras 4

Abrir módulo

Shows musicais 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • AMARO, Rusvel Nantes D. Intimidade performada: a gestão da visibilidade em Memórias, crônicas e declarações de amor, de Marisa Monte. Dissertação (Mestrado em Comunicação Social) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012.
  • COELHO, Sergio Salvia. Marisa Monte. In: NESTROVSKI, Arthur (Org.). Música popular brasileira hoje. São Paulo: Publifolha, 2002. (Folha Explica).
  • EICHBAUER, Hélio. [Currículo]. Enviado pelo artista em 24 de abril de 2011. Show: Cor de Rosa e Carvão - 1995. Não catalogado
  • MARISA MONTE. Site oficial da artista. Disponível em: < http://www.marisamonte.com.br/ >. Acesso em: 3 out. de 2016.
  • VILLAÇA, Túlio C. De Cartola a Fela Cuti - cantos de trabalho e mentalidade colonial. In: VILLAÇA, Túlio C. Sobre a canção: e seu entorno e o que ela pode se tornar. Rio de Janeiro, 29 dez. 2011. Disponível em: < https://tuliovillaca.wordpress.com/2011/12/29/de-cartola-a-fela-cuti-cantos-de-trabalho-e-mentalidade-colonial/ >. Acesso em: 10 de out. 2016.
  • WEINSCHELBAUM, Violeta. Conversas com músicos brasileiros. São Paulo: Editora 34, 2006.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: