Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Marcio Kogan

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 08.04.2019
06.03.1952 Brasil / São Paulo / São Paulo
Marcio Kogan (São Paulo, São Paulo, 1952). Arquiteto e cineasta. Forma-se na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Influenciado pelo cinema, Kogan realiza, além de projetos arquitetônicos, séries de filmes que registram a relação entre a arquitetura e as pessoas, com humor ácido.

Texto

Abrir módulo

Marcio Kogan (São Paulo, São Paulo, 1952). Arquiteto e cineasta. Forma-se na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Influenciado pelo cinema, Kogan realiza, além de projetos arquitetônicos, séries de filmes que registram a relação entre a arquitetura e as pessoas, com humor ácido.

Em 1980, funda seu escritório de arquitetura. Nessa época, a estrutura organizacional da empresa tem a colaboração de arquitetos como coautores dos projetos. Parte considerável dos projetos é de residências unifamiliares de alto padrão – como as casas Osler (Brasília, 2009), Cobogó (São Paulo, 2011), Toblerone (São Paulo, 2011) e de Punta del Este (2011), no Uruguai, além de construções comerciais (lojas), de serviços (estúdios, escritórios) e de hotelaria.

Em parceria com o arquiteto Isay Weinfeld (1952), realiza 14 curtas-metragens, entre 1973 e 1983, recebendo prêmios no Festival de Gramado, na Bienal de São Paulo e no Festival de Cinema Ibero-Americano de Huelva (Espanha). A trajetória cinematográfica da dupla completa-se com o longa-metragem Fogo e Paixão (1988). A parceria com Weinfeld permanece em seis exposições, concebidas entre 1995 e 2004, como Arquitetura e Humor (1995) e HappyLand (2002).

Na parceria, a análise urbano-arquitetônica é feita com viés satírico. Esse é um período de transição para ambos, conforme depoimento do crítico Fernando Serapião (1971): “o grande dilema dos dois: criticar o mundo edificado ou edificar? Seja como for, a arquitetura de Weinfeld e Kogan potencializou-se à medida que ambos se aproximaram mais da linguagem arquitetônica propriamente dita, deixando para trás o humor ácido"1.

O trabalho de Marcio Kogan como cineasta lhe confere um caráter experimental e interdisciplinar, presente em todo seu portfólio de projetos. Em entrevista, Kogan afirma que: “em todos os momentos da faculdade, nunca tive um arquiteto, um ídolo, alguém em quem me espelhar, de quem gostasse. Minha formação dentro da arquitetura era totalmente cinematográfica”2.

A Casa Goldfarb (1988), em São Paulo, é exemplo de tal relação. Elaborada em parceria com Isay Weinfeld, existe na concepção uma clara referência à Villa Arpel, do filme Mon Oncle [Meu Tio] (1958), do cineasta francês Jacques Tati (1907-1982). Absorve em parte a sátira contida na película. Observam-se semelhanças na volumetria externa com elementos pitorescos,como a varanda em curva e as janelas circulares, além da elaboração de percurso interno por meio de uma sequência – roteiro – de ambientes concebidos quase como cenários.

Recebe, no anos de 2002, 2004 e 2008, prêmios do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB). Em 2010, seu projeto Casa Paraty e no ano seguinte, recebe o título de membro honorário do American Institute of Architects (AIA). Na 13ª edição da Bienal de Arquitetura de Veneza (2012), Lucio Costa (1902-1998) e Marcio Kogan representam o Brasil na mostra ConvivênciaConvivenza, do curador Lauro Cavalcanti (1954), com o filme-instalação Peep, dirigido por Kogan e Lea van Steen (1965).

Em 2001, o escritório de arquitetura de Marcio Kogan passa a ter o nome de StudioMK27 e operar de modo colaborativo, com a equipe trabalhando em coautoria, desde a interface com clientes até o acompanhamento da execução da obra. Os projetos passam a ser influenciados por obras modernistas brasileiras das décadas de 1940 e 1950. Segundo Lauro Cavalcanti, essa inspiração ocorre da seguinte forma : “Uma vez descartadas as ilusões do papel de transformação social do país através da arquitetura, o moderno é tomado como linguagem e não mais como ideologia”3.

Nas obras do arquiteto, a  influência da produção de Oscar Niemeyer (1907-2012), Lucio Costa (1902-1998), Rino Levi (1901-1965) e Oswaldo Bratke (1907-1997) transparece de modo dessacralizado. Sem o compromisso com os cânones modernos, permanece a lógica do desenho com a racionalidade da modulação, orientando a estrutura e as subdivisões internas. Externamente, as construções se estabelecem em volumes prismáticos, a partir de retângulos de proporção alongada. Essa horizontalidade é compreendida pela intenção de que as ambiências concebidas assemelhem-se a uma imagem cinematográfica: à proporção do widescreen. Tais dimensões também permitem uma integração entre exterior e interior do edifício por meio de grandes planos – portas ou janelas – que deslizam e se recolhem.

Mesmo que as formas sigam uma lógica modernista, Kogan tem liberdade na seleção dos materiais que revestem os planos, resultando em uma diversidade de soluções. Cavalcanti ressalta a “concisão e casamento de materiais novos e tradicionais”4.

Márcio Kogan transita entre as linguagens arquitetônica e cinematográfica para construir suas obras. Embora a arquitetura seja sua formação e seu trabalho, o cinema vem ao encontro dela para registrar construções, e discutir sua finalidade como plataforma para as relações entre pessoas e com o espaço.

Notas

1. SERAPIÃO, Fernando. Kogan vs. Kogan. Monolito, São Paulo, n. 5-6, 2011. p. 36.

2. GRUNOW, Evelise. Entrevista: Marcio Kogan. Projeto Design, São Paulo, 31 jul. 2008. Disponível em: < http://arcoweb.com.br/projetodesign/entrevistas/marcio-kogan-nesta-entrevista-31-07-2008 >. Acesso em: 13 mai. 2014.

3. CAVALCANTI, Lauro. Os bons ventos de MK27. In: BIENAL de São Paulo (Org.). ConvivênciaConvivenza. Lucio Costa e Marcio Kogan. São Paulo: [s.n.], 2012. p.78.

4. Ibid., p. 82.

Exposições 4

Abrir módulo

Seminários 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • BIENAL DE SÃO PAULO (org.). ConvivênciaConvivenza. Lucio Costa e Marcio Kogan. São Paulo: [s.n.], 2012.
  • GRUNOW, Evelise. Entrevista com Marcio Kogan. Projeto Design, São Paulo, 31 jul. 2008. Disponível em: http://arcoweb.com.br/projetodesign/entrevistas/marcio-kogan-nesta-entrevista-31-07-2008. Acesso em: 13 mai. 2014.
  • MONOLITO. Marcio Kogan. São Paulo: Editora Monolito, n. 5-6, 2011.
  • STATHAKI, Ellie. An interview with architect Marcio Kogan. Wallpaper, London, 2010.
  • STATHAKI, Ellie. Marcio Kogan Report. Wallpaper, London, 2010.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: