Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Gilvan Samico

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 04.05.2022
15.06.1928 Brasil / Pernambuco / Recife
25.11.2013 Brasil / Pernambuco / Recife
Reprodução fotográfica Fritz Simons

Sem Título, 1958
Gilvan Samico
Nanquim e pincel sobre papel, c.i.d.
47,00 cm x 32,00 cm

Gilvan José Meira Lins Samico (Recife, Pernambuco, 1928 – Idem, 2013). Gravador, pintor, desenhista, professor. Dialogando com as anedotas bíblicas e míticas e a estética da literatura de cordel, Gilvan Samico representa a cultura popular brasileira com força expressiva e apuro técnico. 

Texto

Abrir módulo

Gilvan José Meira Lins Samico (Recife, Pernambuco, 1928 – Idem, 2013). Gravador, pintor, desenhista, professor. Dialogando com as anedotas bíblicas e míticas e a estética da literatura de cordel, Gilvan Samico representa a cultura popular brasileira com força expressiva e apuro técnico. 

Começa na pintura como autodidata. Em 1948, integra a Sociedade de Arte Moderna do Recife (SAMR), que tem importante papel na renovação da arte pernambucana. O objetivo dessa associação é criar um amplo movimento cultural na cidade, envolvendo áreas como artes plásticas, teatro e música e incentivando pesquisas sobre a cultura popular e suas manifestações. Em 1952,  funda, ao lado de outros artistas, o Ateliê Coletivo da Sociedade de Arte Moderna do Recife, centro de estudos de desenho e gravura, voltado para uma arte de caráter social e idealizado pelo gravador Abelardo da Hora (1924-2014)
Viaja para São Paulo em 1957, onde tem aulas na Escola de Artesanato do Museu de Arte Moderna (MAM) com Lívio Abramo (1903-1992). Dessa convivência, guarda a preocupação em explorar as possibilidades formais da madeira e o interesse pelas texturas muito elaboradas. Na década de 1950, passa a criar ritmos lineares, que se harmonizam perfeitamente na estrutura geral de suas obras.

Em 1958, transfere-se para o Rio de Janeiro, onde cursa gravura com Oswaldo Goeldi (1865-1961) na Escola Nacional de Belas Artes (Enba). O contato com o gravador é percebido no emprego de atmosferas noturnas em seus trabalhos, utilizando número reduzido de traços, e na aplicação muito precisa da cor. 

Sua obra é marcada definitivamente pela descoberta do romanceiro popular, por meio da literatura de cordel e pela criativa utilização da xilogravura. O espaço de suas gravuras é povoado por personagens bíblicos e figuras provenientes de lendas e narrativas populares, além de muitos animais e seres fantásticos, como leões, serpentes, dragões. Samico relaciona a vasta presença dos bichos em seus trabalhos com os cenários de sua infância: “Eu vivia numa época de espaços abertos, habitados por bichos, muitas árvores. Convivia com esses espaços e com cobras, bois, cavalos, passarinhos, sapos... tudo isso passou a ser minha referência”1

Na década de 1960, paralelamente à inovação temática, o artista passa a utilizar o branco com muita força expressiva. A profundidade é pouco evocada em suas obras, que enfatizam a dimensionalidade, sendo as figuras representadas como signos, o que ocorre, por exemplo, em O boi feiticeiro e o cavalo misterioso (1963). Já a xilogravura Suzana no banho (1966) apresenta características formais que se tornam constantes na obra do artista: além das tramas gráficas diferenciadas, que conferem ritmo à composição, emprega a simetria e a compartimentação geométrica do espaço.

Em 1965, fixa residência em Olinda. Atua como professor no cursos de xilogravura da Universidade Federal da Paraíba (UFPA). Em 1968, com o prêmio viagem ao exterior obtido no 17º Salão Nacional de Arte Moderna (SNAM), permanece por dois anos em Paris. 

Em 1971, é convidado pelo escritor Ariano Suassuna (1927-2014) a integrar o Movimento Armorial, voltado à cultura popular nordestina e à literatura de cordel. À valorização das raízes da cultura brasileira soma-se o rigor técnico de Samico. De acordo com o pintor João Câmara Filho (1944), no trabalho do gravador, “o pródigo da execução é uma coisa de grande encantamento popular”.  

Nas décadas de 1980 e 1990, dedica-se mais longamente à realização de cada gravura, chegando a produzir uma matriz por ano. Para cada trabalho, realiza dezenas de desenhos preparatórios e exercita com a goiva2 toda uma variedade de cortes, até encontrar a textura ideal para os  assuntos tratados. Em 1998, o Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães (MAMAM), em Recife, realiza a exposição retrospectiva Gilson Samico: 40 anos de gravura, exibida no ano seguinte no Museu de Arte da Pampulha (MAP), em Belo Horizonte. 

Nos trabalhos  da década de 2000, o artista simplifica a estrutura e a própria trama linear, adicionando motivos originários da arquitetura: arcos, rosáceas e molduras. A obra A espada e o dragão (2000), por exemplo, apresenta técnica apurada e uso muito criterioso da cor. 

Com contornos que vão do caráter mais noturno aos tons mais solares, Gilvan Samico realiza gravuras capazes de contar histórias, dialogando com a cultura nordestina e as referências míticas e bíblicas. A dedicação e o empenho do artista garantem um cuidadoso rigor técnico aos seus trabalhos.

Notas

1. SAMICO, Gilvan. Linhas, trançados e cores: no reino de Gilvan Samico. Curadoria de Renata Pimentel. Paraty: Centro Cultural Sesc, 2015. Exposição realizada no período de 2 jul. a 10 out. 2015.

2. Ferramenta de seção côncavo-convexa com corte, utilizada por artesãos e artistas para talhar peças de madeira, metal ou pedra.

Obras 30

Abrir módulo
Reprodução fotográfica Iara Venanzi/Itaú Cultural

A Bela e a Fera

Xilogravura
Reprodução fotográfica Fritz Simons

A Fonte

Xilogravura
Reprodução fotográfica César Barreto

A Mão

Xilogravura

Exposições 238

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 12

Abrir módulo
  • 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989. R703.0981 P818d
  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Organização André Seffrin. 2. ed. rev. e ampl. Curitiba: Ed. UFPR, 1997. R750.81 A973d 2.ed
  • DRÄNGER, Carlos (coord.). Pop Brasil: arte popular e o popular na arte. Curadoria Paulo Klein; tradução João Moris, Beatriz Karan Guimarães, Maurício Nogueira Silva. São Paulo: CCBB, 2002. SPccbb 2002/pb
  • FONTES: Louzada, v.1, v.10. dddd
  • GRAVURA: arte brasileira do século XX. São Paulo: Itaú Cultural: Cosac & Naify, 2000.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. R759.981 L533d
  • Morre o artista plástico pernambucano Gilvan Samico. Diário de Pernambuco. Disponível em; . Acesso em: 25 nov. 2013. Não catalogado
  • SAMICO, Gilvan. Gilvan Samico. Textos de Weydson Barros Leal, Agnaldo Farias, Frederico Morais, Ariano Suassuna, Moacir dos Anjos, Ferreira Gullar. Recife : MAMAM, 2005. (Artistas do MAMAM). 84 p.
  • SAMICO, Gilvan. Gilvan Samico: obras de 1980 - 1994. São Paulo: Sylvio Nery da Fonseca Escritório de Arte, 1995. , il. color.
  • SAMICO, Gilvan. Samico. Rio de Janeiro : Centro Cultural Banco do Brasil, 1998.
  • SAMICO, Gilvan. Samico: 40 anos de gravura. Tradução Carolyn Brisset. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 1997. 132 p., il. color.
  • SAMICO, Gilvan. Samico: do desenho à gravura. São Paulo : Pinacoteca do Estado, 2004.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: