Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Sandra Cinto

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 04.02.2021
1968 Brasil / São Paulo / Santo André
Registro fotográfico André Seiti/Itaú Cultural

Sandra Cinto, 2020

Sandra Regina Cinto (Santo André, São Paulo, 1968). Desenhista, pintora, escultora, gravadora e professora. Faz do desenho o fio condutor de sua obra, mas transita entre diferentes modalidades de produção artística, como a instalação e a escultura. Em muitos de seus trabalhos, os espectadores adentram espaços que estimulam a reflexão sobre o amb...

Texto

Abrir módulo

Sandra Regina Cinto (Santo André, São Paulo, 1968). Desenhista, pintora, escultora, gravadora e professora. Faz do desenho o fio condutor de sua obra, mas transita entre diferentes modalidades de produção artística, como a instalação e a escultura. Em muitos de seus trabalhos, os espectadores adentram espaços que estimulam a reflexão sobre o ambiente ao redor e como ele é ocupado.

Forma-se em educação artística nas Faculdades Integradas Teresa d'Ávila (Fatea), em Santo André, São Paulo, em 1990. No ano seguinte, expõe no Laboratório de Estudos e Criação da Pinacoteca do Estado de São Paulo (Pina_). Em 1992, realiza suas duas primeiras exposições individuais, no Centro Cultural São Paulo (CCSP), em São Paulo, e na Galeria Espaço Alternativo, no Rio de Janeiro.

Para os críticos Raphaela Platow e Adriano Pedrosa (1965), o desenho é a linguagem essencial de Sandra Cinto, que trabalha também com a pintura, a escultura e a instalação. Usado como rascunho em seus primeiros trabalhos, como Retábulo (1995), no qual pinta nuvens em superfícies de madeira, o desenho torna-se, em obras posteriores, forma final. Como ilustradora, faz seu primeiro trabalho em 1996, para a Folha de S.Paulo.

No ano de 1997, recebe o Prêmio Aquisição no Salão de Arte Contemporânea Victor Meirelles e participa da Feira Internacional de Arte Contemporânea, em Madri. A partir de 1998, leciona desenho de expressão na Faculdade de Artes Plásticas da Fundação Armando Alvares Penteado (Faap) e coordena, com o artista Albano Afonso (1964), o grupo de estudos do Ateliê Fidalga, em São Paulo.

Como artista residente, fica por seis meses na Cité des Arts, em Paris, no ano 2000. Cinco anos depois, recebe o prêmio residência da Civitella Foundation, em Umbertide, Itália. Desde 1990, faz diversas exposições coletivas e individuais, como Mam na Oca (2006), Construção (2006) e A Imitação da Água (2010).

As dimensões das paisagens se alteram entre as obras de Sandra. Nuvens pintadas em suportes de pequeno e médio porte são substituídas por grandes céus noturnos e mares agitados, feitos com caneta esferográfica nas paredes de museus e galerias, como ocorre na obra Encontro das Águas (2013). Os desenhos são minuciosos e exigem o uso de diferentes canetas, além de um tempo longo de produção.

Há também nas obras uma função arquitetônica: os desenhos convidam o público a imergir na paisagem, remetendo ao sublime e a imagens da natureza que geram sensações de vertigem e medo. Os murais se contrapõem ao ambiente, gerando paisagens oníricas em meio ao espaço urbano. A crítica Angélica de Moraes (1949), para quem a obra de Sandra lembra criações do pintor Guignard (1896-1962), vê nos trabalhos dela a evocação de um “universo do sonho e da utopia”. 

Com os desenhos, Sandra expõe fotografias, cavalos de madeira, camas e outros itens. Esses objetos constituem um ambiente imaginativo, além de funcionarem como suportes para os desenhos, que cumprem o papel de “tecido conectivo entre os elementos”. O traço da artista, delicado e simples, revela influência do desenho japonês. Em 2011, ela confirma essa influência nipônica em um projeto para o Sesc Santo André, denominado Céu e mar para presente (Japonismo). Nele, aplica azulejos serigrafados às paredes que ficam ao redor de uma piscina. Para além das questões visuais, a filosofia se faz presente, por meio do zen, do vazio e da necessidade de valorizar o tempo.

Livros são outros elementos constantes nas obras de Sandra Cinto, mas, na maioria das vezes, aparecem fechados e como parte das instalações. Um exemplo disso é a obra En Silencio II (2014), na qual um escritório evoca o vazio do espaço criativo enfrentado pelo trabalhador. Empilhados sobre uma mesa, os livros se tornam suportes para um violoncelo, cercados por partituras inacabadas. No mesmo ano, a artista cria Partitura, instalação que exibe pela primeira vez livros abertos.

Como ocorre na obra En Silencio II, a ausência da figura humana é marcante na produção da artista. Segundo ela, o fator humano é contemplado pela presença dos espectadores e sua ocupação do espaço expositivo, em convergência com a obra.

Em 2017, Sandra cria a instalação imersiva Biblioteca do Amor [Library of Love], no Contemporary Arts Center (CAC), em Cincinnati, Estados Unidos. O projeto coletivo leva ao público cerca de 200 livros-objetos, frutos da reflexão de artistas, consagrados e iniciantes, que pensam o amor em suas diferentes manifestações, considerando também sua ausência. O projeto se realiza em uma sala de leitura, na qual biblioteca e instalação artística convergem na chamada Sala de Contemplação.

O espaço na área de convivência do CAC é criado com o objetivo de ampliar a reflexão. Configura-se como uma ação coletiva de observar as relações humanas propostas pelos livros dos artistas, em um ambiente de trânsito constante.

Ao criar contraposições entre as obras e o ambiente que as cerca, Sandra gera atmosferas de sonho e utopia. Os desenhos e instalações levam o público a espaços de meditação e reflexão sobre a ordem do tempo e das relações ao seu redor.

Obras 7

Abrir módulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Sem Título

Acrílica e desenho em ponta-seca sobre madeira
Reprodução fotografica Iara Venanzi/Itaú Cultural

Sem Título

Acrílica e caneta permanente sobre tela [ políptico ]

Debates 1

Abrir módulo

Eventos multiculturais 1

Abrir módulo

Exposições 192

Abrir módulo

Feiras de arte 5

Abrir módulo

Instalações 1

Abrir módulo

Mídias (2)

Abrir módulo
Sandra Cinto - Enciclopédia Itaú Cultural
Sandra Cinto se inicia nas artes pintando e desenhando paisagens oníricas em telas pequenas nas quais o céu é o destaque. Essa característica se transforma após ela realizar um workshop com o artista Nelson Leirner. “Ele dizia: ‘O seu céu não é um ceuzinho de ‘primeira comunhão’. Você está querendo falar do sagrado da arte! A hora em que você ampliar a pintura e o espectador tiver uma relação corporal com seu trabalho, tudo vai mudar’. E tudo mudou mesmo”, lembra. Após essa experiência, o entorno e o espaço “onde tudo cabe” passam a ter maior relevância em suas obras, realizadas em grandes formatos e em instalações. Cinto se interessa pelo “olhar através”, no qual o público é provocado a explorar o literal e o figurado em cenários nos quais ela mescla telas e brinquedos, por exemplo. “Os brinquedos nos ajudam no jogo da fantasia”, acredita ela, que compõe ambientes com cavalos de madeira, camas e outros itens.

Produção: Documenta Vídeo Brasil
Captação, edição e legendagem: Sacisamba
Intérprete: Carolina Fomin (terceirizada)
Locução: Júlio de Paula (terceirizado)
O universo poético da obra de Sandra Cinto e a Biblioteca do Amor – Espaço do Professor

Fontes de pesquisa 30

Abrir módulo
  • 2 x 365 = 4: Albano Afonso, Elias Muradi, Rogério Martins e Sandra Cinto. São Paulo: Fundação Mokiti Okada M.O.A., 1993.
  • ARTES visuais 1992-1993: exposiçoes IBAC / FUNARTE. Rio de Janeiro: IBAC : Funarte, 1993.
  • BIENAL INTERNACIONAL DE SÃO PAULO, 24. , 1998, São Paulo, SP. Um e/entre outros/s. Curadoria Paulo Herkenhoff, Adriano Pedrosa. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1998.
  • BRASIL Reflexão 97 - A Arte Contemporânea da Gravura. Curadoria Uiara Bartira; tradução Alberto de Paula Santos; apresentação Cassio Taniguchi, Margarita Pericás Sansone, Nilza K. Procopiak; texto Uiara Bartira, Maria Alice Milliet. Curitiba : Fundação Cultural de Curitiba, 1997. [98] p. il. p.b. color.
  • CANETTI. Patricia. Sandra Cinto lança Library of Love na Triângulo, em São Paulo. Canal Contemporâneo. 12 dez. 2018. Disponível em: http://www.canalcontemporaneo.art.br/blog/archives/008778.html. Acesso em: 27 fev. 2020
  • CANTON, Katia. Novíssima arte brasileira: um guia de tendências. São Paulo: Iluminuras, 2001.
  • CASA TRIÂNGULO (SÃO PAULO, SP), TREVISAN, Ricardo (coord.). Amanhã, hoje: a Casa Triângulo de 1988 a 1995. Curadoria Maria Izabel Branco Ribeiro; texto Tadeu Chiarelli. São Paulo, 1995. 63 p.:il. p.b. color.
  • CASA TRIÂNGULO (SÃO PAULO, SP). Arco'99. São Paulo: Casa Triângulo, 1999. 8 lâms. il. color.
  • CHIARELLI, Tadeu (Org.). Sandra Cinto e Mônica Nador. São Paulo: Arte Wyeth, [2001?]. (Arte Contemporânea: atelier do artista).
  • CHIARELLI, Tadeu. O drama de Sandra Cinto. In: CINTO, Sandra. Sandra Cinto. Versão em inglês Izabel Murat Burbridge. São Paulo: Casa Triângulo, 2002.
  • CINTO, Sandra. Sandra Cinto. Recife: MAMAM, 2003.
  • CINTO, Sandra. Sandra Cinto. São Paulo: Casa Triângulo, 1994.
  • CINTO, Sandra. Sandra Cinto. Tradução Stephen Berg. São Paulo: Casa Triângulo, 1998.
  • EIXO curatorial 98 : catálogo impresso. São Paulo: Itaú Cultural, 1998. [59] p. : il. color. anexo cd-rom.
  • EXTRA-LARGE extra-small. Rio de Janeiro: Espaço Cultural dos Correios, 1999.
  • Folha de São Paulo, São Paulo, 29 de set. 1998.
  • HIRSZMAN, Maria. Sandra Cinto: a arte como instrumento de reflexão. Jornal da Tarde, São Paulo, 15 de jan. 1998. SPVariedades, p. 8C.
  • IKREK. Partitura. Disponível em: http://www.ikrek.com.br/partitura/. Acesso em: 27 fev. 2020
  • IMAGEM não Virtual. Curadoria Sérgio Romagnolo; apresentação Sérgio Romagnolo. São Paulo: Casa Triângulo, 1994. folha dobrada, il. color.
  • INTERVALOS: evento paralelo à documenta de Kassel. Curadoria Vitória Daniela Bousso; tradução Izabel Murat Burbridge. São Paulo: Paço das Artes, 1997.
  • INVENTÁRIO do Presente. Curitiba: Casa da Imagem, [1999 ]. [16] p., il. color.
  • LOBACHEFF, Georgia (Coord.); BOFFA, Marcelo (Coord.). Sob Medida : a figura na fotografia contemporânea. São Paulo: Espaço Porto Seguro de fotografia, 1999. 80 p., il. p&b color.
  • MORAES, Angélica de. Sobre a arte de cultivar asas.In: CINTO, Sandra. Construção/Construction. Textos de, Adriano Pedrosa et. el. Santiago de Compostela: Dardo, ds, 2006.
  • PLATOW, Raphaela. Desenhando a liberdade. In: CINTO, Sandra. Construção/Construction. Textos de, Adriano Pedrosa et. el. Santiago de Compostela: Dardo, ds, 2006.
  • PRATA, Isabella e AYDAR, Bia (Orgs.) Antarctica Artes com a Folha. São Paulo: Cosac & Naify, 1998.
  • RAZÃO e Mistério. Santo André: Paço Municipal, 1993. [9] p., il. p&b color.
  • SALÃO NACIONAL VICTOR MEIRELLES, 5., 1997, Florianópolis, SC. 5º Salão Nacional Victor Meirelles. Curadoria Charles Narloch. Florianópolis: MASC, 1997.
  • SETE artistas emergentes. Curadoria Tamara Habib Saré; palestra Ricardo Trevisan. Belém: Secult, 1997. folha dobrada, il. p&b color.
  • Sandra Cinto: das Ideias na Cabeça aos Olhos no Céu. Organização Itaú Cultural. São Paulo: Itaú Cultural, 2020.
  • TREVISAN, Ricardo (Coord.). Amanhã, hoje: a Casa Triângulo de 1988 a 1995. São Paulo: Casa Triângulo, 1995. 63 p., il. p&b color.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: