Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

José Celso Martinez Corrêa

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 21.09.2021
30.03.1937 Brasil / São Paulo / Araraquara
Registro fotográfico João Caldas

José Celso Martinez Corrêa (Rei do Teatro) em cena de Ham-let, 1994
João Caldas, José Celso Martinez Corrêa
Acervo Idart/Centro Cultural São Paulo

José Celso Martinez Corrêa (Araraquara, São Paulo, 1937). Diretor, autor e ator. Destacado encenador desde a década de 1960, inquieto e irreverente, líder do Teatro Oficina. Nos anos 1970, influenciado pelas experiências da contracultura, ganha destaque como importante expoente da comunidade teatral e com montagens de criações coletivas. Sua pre...

Texto

Abrir módulo

José Celso Martinez Corrêa (Araraquara, São Paulo, 1937). Diretor, autor e ator. Destacado encenador desde a década de 1960, inquieto e irreverente, líder do Teatro Oficina. Nos anos 1970, influenciado pelas experiências da contracultura, ganha destaque como importante expoente da comunidade teatral e com montagens de criações coletivas. Sua presença e atuação contribui com a história do teatro nacional, influenciando gerações.

Estuda na Faculdade de Direito do Largo São Francisco e participa do Centro Acadêmico 11 de Agosto, integrando o núcleo de estudantes que funda o Grupo de Teatro Amador Oficina. Seus primeiros textos, Vento Forte para Papagaio Subir (1958) e A Incubadeira (1959), ambos autobiográficos, são montados pela companhia sob direção de Amir Haddad (1937)

Em 1962,  o grupo passa por um processo de  profissionalização  e dedica-se a montagens realistas como Todo Anjo é Terrível, da dramaturga norte-americana Ketti Frings (1909-1981), adaptado do romance autobiográfico do escritor Thomas Wolfe (1900-1938), e, no ano seguinte, Pequenos Burgueses, do dramaturgo russo Máximo Gorki (1868-1936), com enorme repercussão. O diretor consegue estabelecer um interessante paralelo entre as perplexidades da Rússia pré-revolucionária e as de um Brasil às vésperas do golpe civil-militar, levando todo o elenco a desempenhos emocionantes. Segundo alguns críticos, é a mais perfeita encenação stanislavskiana1 do teatro brasileiro.

Após o golpe civil-militar (1964), o grupo amplia sua pesquisa cênica a partir de uma perspectiva política. Sua primeira resposta à nova situação é Andorra, do escritor suíço Max Frisch (1911-1991), exibida ainda em 1964. O texto trata de questões ligadas ao antissemitismo pós Segunda Guerra (1939-1945), mas serve ao Oficina como metáfora para firmar posição contra a perseguição e violência do regime autoritário brasileiro. A encenação se mostra crua e despojada e, paradoxalmente, entremeada de momentos líricos. O espetáculo marca a transição do trabalho de Zé Celso do realismo do dramaturgo russo Stanislavski (1863-1938), presente na construção dos personagens, para o teatro épico do dramaturgo alemão Bertolt Brecht (1898-1956), cuja referência se apresenta na postura crítica da encenação, mesmo que ainda tímida.

O diretor viaja à Europa ainda em 1964 e aprofunda seus estudos das teorias do dramaturgo alemão, enquanto o Oficina excursiona pelo Uruguai. De volta ao Brasil em 1966, Zé Celso inicia os ensaios de Os Inimigos, também de Gorki. O resultado da montagem apresenta-se estimulante, inquieto e polêmico. Zé Celso não abre mão dos temas políticos, mas propõe uma nova abordagem estética para o período. 

Em 1967, abre-se uma possibilidade poética e teatral a Zé Celso: a antológica montagem de O Rei da Vela, de Oswald de Andrade (1890-1954). O texto, escrito na década de 1930, chega a ser considerado impossível de ser colocado em cena, tal  sua verborragia anárquica e seu espírito transgressor. Mas encaixa-se perfeitamente como voz do movimento de rebeldia latente no final da década de 1960. O processo de montagem abarca um profundo mergulho em textos contemporâneos da arte de vanguarda. A direção, juntamente com a equipe, elabora uma proposta teórica de releitura da postura estética das esquerdas, através de algo intrinsecamente brasileiro. O Rei da Vela propõe uma escritura cênica paródica e violenta, grotescamente estilizada, que busca inspiração em diferentes estilos, concretizando um teatro antropofágico. A realização ganha uma posição de liderança na Tropicália, e Zé Celso se estabelece como figura chave do movimento no Teatro. 

Incendiando o ambiente teatral em 1968, Zé Celso dirige Roda Viva, de Chico Buarque (1944), no Rio de Janeiro, sua primeira experiência fora do Oficina. Tomando o texto de Chico Buarque em torno da vida de um ídolo da canção popular que é manipulado pela imprensa e indústria fonográfica, Zé Celso estiliza um ritual raivoso e provocador, no qual os atores vão à plateia incitá-la fisicamente. 

Considerada emblemática do "teatro agressivo" pelo crítico Anatol Rosenfeld (1912-1973), a montagem reflete um momento em que o teatro assume um tom violento, de confronto, de cobrança de atitudes ante a uma situação sociopolítica tensa e de forte censura. Já a montagem seguinte do Oficina, Galileu Galilei, de Brecht, é um retorno à valorização da razão, da palavra e do pensamento. A direção estimula o coro de jovens intérpretes a improvisações constantes, numa pesquisa de novas possibilidades de relação com o público, em paralelo a outras cenas, que seguem seu fluxo normal, relegadas a uma posição secundária. Trata-se do primeiro passo em direção à busca de um teatro sensório e irracional, que ganha força na década seguinte.

A partir de 1970, depois de um intercâmbio de workshops entre o Oficina, o grupo norte-americano The Living Theater e o argentino Lobos, Zé Celso conceitua suas mais recentes experimentações em um movimento chamado pelo grupo de te-ato, e não mais teatro. Trata-se de uma atuação ritual através de atos concretos, que propõe uma transformação da relação palco-plateia, marcada pela influência do dramaturgo Antonin Artaud (1896-1948).

Após se dedicar à edição do filme de O Rei da Vela, isolado da classe teatral e tentando novos rumos artísticos, transforma o grupo na comunidade Oficina-Samba e lança, em 1974, um documento à opinião pública intitulado S.O.S. Pouco depois, é detido e torturado. Solto após 20 dias, parte para o exílio em Portugal, acompanhado de integrantes do Oficina-Samba, e apresenta espetáculos, além de dirigir o documentário O Parto, sobre a Revolução dos Cravos (1974). No ano seguinte, viaja para Moçambique, onde realiza o filme 25, sobre a independência daquele país.

Em 1978, volta para São Paulo e implementa múltiplos projetos, em que mistura novas linguagens na tentativa de reacender o grupo, agora Associação Teatro Uzyna Uzona.

Nos anos 1980, dedica-se à pesquisa cênica e à construção de oficinas ministradas no espaço do Teatro Oficina. Em 1991, Zé Celso retoma a cena em As Boas, de Jean Genet (1910-1986), em que atua ao lado de Raul Cortez (1931-2006) e Marcelo Drummond (1962), seu novo companheiro de trabalho, que o acompanha nas décadas seguintes, dividindo a gestão da nova fase do grupo.

Sob a liderança de Zé Celso, o grupo segue suas atividades ao longo das décadas de 2000 e 2010, aprofundando as pesquisas em trabalhos que seguem a proposta de releitura dos textos originais, em benefício da incorporação de material autobiográfico, dos integrantes ou do próprio Oficina, a partir do momento político e social do país, em um movimento denominado pelo grupo de Antropofagia Orgiástica ou uma Tragicomédiaorgya, além de releituras de peças já apresentadas e adaptadas à realidade político-social de seu tempo, como O Rei da Vela (2017). A peça se mantém fiel à montagem original, mas amplia a crítica política para as referências da nova época. Em 2019, Roda Viva também é remontada, mantendo a crítica política e cultural à luz dos novos tempos.

Zé Celso é um dos mais importantes intelectuais e lideranças do teatro brasileiro, com grande influência também em outras áreas artísticas, como o cinema. Com carreira longeva e em constante evolução, sem receio de experimentações, exerce uma construção cênica que provoca atores e públicos, além de ter a realidade política e social do país sempre como norte de seus trabalhos.

Nota

1. O sistema Stanislávski consiste em um conjunto de técnicas e elementos para leitura do texto dramático e construção de personagens, baseado na improvisação, espontaneidade e autenticidade, tirando a interpretação de um lugar de mimetismos e reprodução de clichês.

Obras 1

Abrir módulo

Espetáculos 97

Abrir módulo

Exposições 3

Abrir módulo

Festivais 1

Abrir módulo

Mostras audiovisuais 10

Abrir módulo

Oficinas 1

Abrir módulo

Performances 2

Abrir módulo

Seminários 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 42

Abrir módulo
  • A ENGRENAGEM. São Paulo: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [1960]. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro Bela Vista.
  • A INCUBADEIRA. São Paulo: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [1959]. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro de Arena.
  • A VIDA Impressa em Dólar. São Paulo: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [1961]. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro Oficina.
  • ANDORRA. São Paulo: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [1964]. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro Oficina. Não catalogado
  • AS BOAS. São Paulo: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [1991]. 1 programa do espetáculo realizado no Centro Cultural São Paulo.
  • AS TRÊS Irmãs. São Paulo: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [1972]. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro Oficina.
  • AVÁ - até que os ventos aterrem. São Paulo: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [2021]. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro Oficina.
  • BACANTES. Ribeirão Preto: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [1995]. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro de Arena Jaime Zeiger.
  • BOCA de Ouro. São Paulo: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [1999]. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro Oficina.
  • CACILDA!. São Paulo: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [1998]. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro Oficina.
  • CENTRO CULTURAL SÃO PAULO. As Sereias da Rive Gauche: 20 jun. a 20 jul. 2000, São Paulo, SP, 2000. Programa do Espetáculo. Não catalogado
  • CORRÊA, José Celso M. O Rei da Vela, manifesto do Oficina. In: O Rei da Vela. São Paulo, 1967. Programa do espetáculo.
  • DON JUAN. São Paulo: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [1970]. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro Oficina.
  • DORT, Bernard. Uma comédia em transe. Le Monde, Paris, abr. 1968.
  • EICHBAUER, Hélio. [Currículo]. Enviado pelo artista em 24 de abril de 2011. Espetáculo: Ham-let - 1994. Não catalogado
  • ELA. São Paulo: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [1997]. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro Oficina. Não Catalogado
  • GALILEU Galilei. São Paulo: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [1968]. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro Oficina.
  • GENI no Pomar. São Paulo: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [1958]. 1 programa do espetáculo realizado em São Paulo.
  • GRACIAS, Señor. Rio de Janeiro: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [1972]. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro Tereza Raquel.
  • HAM-LET. São Paulo: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [1993]. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro Oficina.
  • LABAKI, Aimar. José Celso Martinez Corrêa. São Paulo, PubliFolha, coleção Folha Explica, 2002.
  • MICHALSKI, Yan. José Celso Martinez Corrêa. In.: ______. Pequena enciclopédia do teatro brasileiro contemporâneo. Rio de Janeiro, 1989. Material inédito, elaborado em projeto para o CNPq.
  • MISTÉRIOS GOZOZOS à Moda de Ópera. São Paulo: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [1994]. 1 programa do espetáculo realizado na Casa da Marquesa.
  • MODERNISTAS no teatro brasileiro I - Oswald de Andrade / O Rei da Vela. O Percevejo, Rio de Janeiro, n. 4, ano 4, 1996.
  • MOSTAÇO, Edelcio. Teatro e política: Arena, Oficina e Opinião. São Paulo: Proposta, 1982.
  • NA SELVA das Cidades. São Paulo: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [1969]. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro Oficina.
  • O REI da Vela. São Paulo: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [1967]. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro Oficina.
  • OS INIMIGOS. São Paulo: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [1966]. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro Brasileiro de Comédia. Não catalogado
  • PARA DAR um Fim no Juízo de Deus. São Paulo: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [1996]. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro Oficina.
  • PEIXOTO, Fernando (Org.). Teatro Oficina. Dionysos, Rio de Janeiro, n. 26, jan. 1982. Edição especial.
  • PEQUENOS Burgueses. São Paulo: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [1963]. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro Oficina.
  • POR QUE o sistema Stanislávski? Teatro Escola Macunaíma. 30 jun. 2017. Disponível em: https://www.macunaima.com.br/blog/o-sistema-stanislavski/. Acesso em: 24 jun. 2021.
  • PRADO, Décio de Almeida. A vida impressa em dólar. In: ______. Teatro em Progresso. São Paulo: Martins, 1956.
  • Programa da Retrospectiva - Oficina, Espetáculo - A Vida Impressa em Dolar - 1966. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo - Pequenos Burgueses - 1964. Não catalogado
  • Programa do Espetáculo- Um Homem Indignado- 2005. Não catalogado
  • RODA Viva. Rio de Janeiro: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [1968]. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro Princesa Isabel.
  • SILVA, Armando Sérgio da. Oficina: do teatro ao te-ato. São Paulo: Perspectiva, 1981.
  • TANIKO, o Rito do Mar. São Paulo: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [2008]. 1 programa do espetáculo realizado no SESC Avenida Paulista.
  • TANIKO, o Rito do Vale. São Paulo: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [1997]. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro Oficina.
  • TODO Anjo É Terrível. São Paulo: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [1962]. 1 programa do espetáculo realizado no Teatro Oficina.
  • UTROPIA (Utopia dos Trópicos). [Rio de Janeiro]: Teatro Oficina Uzyna Uzona, [1971]. 1 programa do espetáculo.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: