Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Leila Pugnaloni

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 03.04.2017
09.02.1956 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Leila Maria de Abreu Pugnaloni (Rio de Janeiro RJ 1956). Pintora, escultora e desenhista. Inicia seus estudos em arte em 1976, com o curso de história da arte e desenho no Atelier do Museu Alfredo Andersen, em Curitiba. Estuda na Escola de Música e Belas Artes do Paraná entre 1978 e 1980, e em 1979 freqüenta a Escola de Artes Visuais do Parque L...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Leila Maria de Abreu Pugnaloni (Rio de Janeiro RJ 1956). Pintora, escultora e desenhista. Inicia seus estudos em arte em 1976, com o curso de história da arte e desenho no Atelier do Museu Alfredo Andersen, em Curitiba. Estuda na Escola de Música e Belas Artes do Paraná entre 1978 e 1980, e em 1979 freqüenta a Escola de Artes Visuais do Parque Lage (EAV/Parque Lage), no Rio de Janeiro. É aluna do curso de gravura em metal no The Art Students League of New York, em 1982.  No ano seguinte cursa litografia e gravura em metal na Casa da Gravura do Solar do Barão, na Fundação Cultural de Curitiba. Em 1985 ilustra a publicação Rimagens, com texto da poetisa Alice Ruiz (1946). Também trabalha como orientadora do curso livre de desenho da figura humana no Museu Alfredo Andersen (MAA), no Museu Guido Viaro e no Serviço Social do Comércio - Sesc de Curitiba. Em 1988 orienta cursos de desenho no Museu de Arte Contemporânea do Paraná (MAC/PR) e de desenho para crianças no Ateliê Pró-Criar. Em 1995 é lançado o vídeo Leila Pugnaloni, Tom, Luz e Cor, produzido pela Fundação Cultural de Curitiba, com direção de Cido Marques. No ano seguinte é fundada a Escola de Arte Leila Pugnaloni, e no mesmo ano a artista é nomeada membro titular do Conselho Estadual de Cultura do Estado do Paraná. Em 2003 é publicado o livro Leila Pugnaloni, O Passeio do Olhar, com autoria de Fernando Bini. Integrante dos grupos de arte Convergência e Bicicleta, ao longo de sua carreira Leila Pugnaloni realiza mais de vinte exposições individuais e participa de mais de quarenta mostras coletivas. O trabalho da artista ilustra vários livros, jornais e revistas.

Análise

No início de sua produção, Leila Pugnaloni faz desenhos a nanquim com sinais gráficos e figuras femininas, revelando a influência de Henri Matisse (1869-1954). Produz também pinturas a guache ou acrílico sobre papel, como Brasília (1984), em que experimenta com a cor. Aos poucos a figura humana dá lugar às primeiras abstrações e as paisagens tendem à simplificação dos elementos. A artista adota um desenho mais livre e busca um máximo de expressão com um mínimo de recursos gráficos. Essa procura resulta na série de pinturas Alphavelas, na qual trabalha a cidade como uma teia de estranhezas, precariedades e tensões físicas e humanas, segundo o crítico Paulo Herkenhoff. Desta série fazem parte as telas Nível (1988) e Paralelo (1989), entre outras. Ganha força, na obra de Pugnaloni, o diálogo com o neoconcretismo, como atesta a obra Cidade Azul (1989). Desde o início dos anos 1990, a artista produz obras que revelam afinidade com a produção de Willys de Castro (1926-1988), como Módulos de Cor (1994). Pugnaloni utiliza um sistema geométrico colorido e as formas empregadas são neutras: linhas, quadrados, múltiplos de quadrados, que estruturam o campo pictórico sem criar motivos. Esses trabalhos situam-se entre a pintura e a escultura, pois tendem a avançar para fora do plano. No fim da década de 1990 produz a série de Jujus: peças de madeira recortadas nas mais variadas formas, cobertas com tinta fosca ou fosforescente e fixadas na parede. A influência de Matisse - nas formas simples e nas cores - torna-se novamente visível.

Exposições 44

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 10

Abrir módulo
  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Organização André Seffrin. 2. ed. rev. e ampl. Curitiba: Ed. UFPR, 1997.
  • BRASIL Reflexão 97: a arte contemporânea da gravura. Curadoria Uiara Bartira; fotografia Vilma Slomp; tradução Alberto de Paula Santos; apresentação Cassio Taniguchi, Margarita Pericás Sansone, Nilza K. Procopiak; texto Uiara Bartira, Maria Alice Milliet. Curitiba: Fundação Cultural de Curitiba, 1997. [98] p., il. p&b., color.
  • LOPES, Adélia Maria e MENDONÇA, Mai Nascimento. Alphavelezas de Leila Pugnaloni. O Estado do Paraná. Curitiba, 13 de Novembro de 1988. Seção: Almanaque, p. 5 a 8.
  • NEPOMUCENO, Rosa. Alphavelas luminosas de Leila. O Globo. Rio de Janeiro, 03 de Janeiro de 1989.
  • PUGNALONI, Leila. Alphavelas: pinturas. Fotografia Júlio Covello; apresentação Paulo Leminski. Rio de Janeiro: Casa de Cultura Laura Alvim, 1989. 1 folha dobrada, il. p&b. color.
  • PUGNALONI, Leila. Leila Pugnaloni. Apresentação Tadeu Chiarelli; fotografia Marcio Santos. Curitiba: Casa da Imagem, 1992. [8] p. il. color.
  • PUGNALONI, Leila. Leila Pugnaloni. Curadoria Paulo Herkenhoff; texto Paulo Herkenhoff; fotografia Vilma Slomp; projeto gráfico Guilherme Zamoner. Curitiba: Museu Metropolitano de Arte de Curitiba, 1995. [26] p. il. color.
  • REFLEXÃO dos anos 80. Apresentação de Gilda Poli Rocha Loures. Texto de Nilza Procopiak. Curitiba: MAC, 1991.
  • RUIZ, Alice. Rimagens. Curitiba : Edição P. A. Publicidade 1985.
  • VENTOSUL: MOSTRA DE ARTES VISUAIS INTEGRAÇÃO DO CONE SUL - ARGENTINA, BRASIL, CHILE, PARAGUA, URUGUAI, 2., 1994, Cascavel, PR. Ventosul: Argentina, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai. Curadoria Tício Escobar, Osvaldo Salerno, Fernando Cocchiarale, Adalice Araújo, Laura Buccellato, Alícia Haber, Nelly Richard; apresentação Mario Pereira; texto Fidelcino Tolentino, Gilda Poli, Luiz Ernesto Meyer Pereira, Angela Ceccatto, Laura Buccellato, Fernando Cocchiarale, Adalice Araújo, Nelly Richard, Ticio Escobar; fotografia Salete Bramatti, Clayton Biaggi; tradução J. J. Durán; texto Alícia Haber. Cascavel, 1994. 82 p., il. p&b.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: