Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Bernardo Caro

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 10.04.2017
05.12.1931 Brasil / São Paulo / Itatiba
16.09.2007 Brasil / São Paulo / Campinas
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Telhado, 1978
Bernardo Caro
Óleo sobre tela
120,00 cm x 100,00 cm

Bernardo Caro (Itatiba, São Paulo, 1931 - Campinas, São Paulo, 2007). Pintor, gravador, desenhista, escultor, cineasta, fotógrafo, educador e professor. Muda-se para Campinas em 1933. Atua como professor secundário em diversas escolas estaduais do interior de São Paulo, entre 1954 e 1971. No mesmo ano integra, como gravador, o Grupo Vanguarda, e...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Bernardo Caro (Itatiba, São Paulo, 1931 - Campinas, São Paulo, 2007). Pintor, gravador, desenhista, escultor, cineasta, fotógrafo, educador e professor. Muda-se para Campinas em 1933. Atua como professor secundário em diversas escolas estaduais do interior de São Paulo, entre 1954 e 1971. No mesmo ano integra, como gravador, o Grupo Vanguarda, em Campinas.

Coordena, em 1968, o Curso Experimental de Arte Moderna do Museu de Arte Contemporânea de Campinas (Macc). Liga-se, em 1972, à Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC/Campinas), de cujo Departamento de Artes Plásticas foi chefe de 1979 a 1982. Sucessivamente, de 1983 a 1986, dirige o departamento de artes plásticas da Unicamp e, de 1986 a 1989, o Instituto de Artes da mesma universidade.

De 1996 a 2006, atua como vice-cônsul da Espanha para Campinas e região. Nesse período, expõe em diversas cidades espanholas. O Instituto Cervantes, em São Paulo, dedica uma exposição retrospectiva à obra de Bernardo Caro em 2007, pouco depois de sua morte.

Análise

Os trabalhos iniciais de Bernardo Caro, nos anos 1960, concentram-se na xilogravura. A produção desse período reúne exemplos de obras alinhadas com mais de uma tendência. Como observado pelo crítico Mário Schenberg (1914-1990), Caro faz em 1964 uma série de xilogravuras tendendo ao realismo fantástico, mas ainda mostrando afinidade com a geometria, caso de Composição D.

Numa outra série da mesma época, a tendência à fantasia já se desprende da forma geométrica abstrata, enfatizando traços de aparência orgânica, como em Enigmas II e Enigmas III, de 1965. Há, além disso, trabalhos ligados à abstração informal, exemplificados por Gravura VII, de 1966. No fim dos anos 1960 e início da década de 1970, Caro realiza xilogravuras que se ligam à linguagem da arte pop. Algumas misturam cultura de massa e engajamento social, como Homens/Protesto, de 1967.

Outras obras desse grupo tratam de temas voltados à sexualidade e à vida urbana, como Mulheres x Noite (1967) e Parado com Elas (1970). Os primeiros trabalhos de Caro no campo da instalação - que ele denomina conceitual-ambiental - datam também do início dos anos 1970. O Altar e Isolados, ambos de 1971, são exemplos dessa fase.

Durante os anos 2000, realiza uma extensa série de pinturas intitulada Neonlúdio. Nesses trabalhos, figuras de mulheres sugeridas por linhas esquemáticas dividem a tela com cópias de mulheres presentes em obras-primas da história da arte, como Maja Desnuda de Goya, de 2003.

Obras 5

Abrir módulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Carga Latina II

Óleo e lona sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Partida

Óleo sobre tela
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Telhado

Óleo sobre tela

Exposições 140

Abrir módulo

Mesas redondas 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 12

Abrir módulo
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Organização André Seffrin. 2. ed. rev. e ampl. Curitiba: Ed. UFPR, 1997.
  • CARO, Bernardo. Bernardo Caro e equipe convívio: sempre. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1975.
  • CARO, Bernardo. Proposições 1964/1986. Organização Berenice Toledo. Campinas: Unicamp. Instituto de Artes, 1986.
  • CARO, Bernardo. Proposições 1964/1986. São Paulo: MAB, 1986.
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • GOMES, Eustáquio. Caro, ponto de união entre Espanha e Brasil. Jornal da Unicamp, Campinas, SP, 2007. Disponível em: < http://www.unicamp.br/unicamp/unicamp_hoje/ju/setembro2007/ju373pag12.html >. Acesso em: 21 nov. 2007.
  • GRUPO Vanguarda de Artes Plásticas de Campinas: 1958 - 1966: registro histórico através de resenha jornalística e catálogos. Campinas: MIS, 1981. (projeto vanguarda).
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988.
  • PANORAMA cultural de Campinas - 1995. Campinas: MACC, 1995.
  • SALÃO PARANAENSE, 37., 1980, Paraná, PR. 37º Salão Paranaense. Curitiba: Teatro Guaíra, 1980.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: