Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Dança

Dalal Achcar

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 12.04.2022
01.05.1937 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro
Dalal Achcar (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1937). Bailarina, professora, diretora, produtora, coreógrafa. Sua carreira é marcada pela proximidade com o ensino, pela promoção da dança como arte e profissão e pela divulgação de artistas e companhias que realiza como produtora. Associada a grandes instituições, como o Theatro Municipal do Rio de...

Texto

Abrir módulo

Dalal Achcar (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1937). Bailarina, professora, diretora, produtora, coreógrafa. Sua carreira é marcada pela proximidade com o ensino, pela promoção da dança como arte e profissão e pela divulgação de artistas e companhias que realiza como produtora. Associada a grandes instituições, como o Theatro Municipal do Rio de Janeiro e a Royal Academy of Dancing de Londres, ela é figura determinante no processo de profissionalização da dança no Brasil.

Inicia a formação em dança com Pierre Klimov, professor estabelecido no Brasil desde 1949. Prossegue os estudos no exterior, passando pela Europa e pelos Estados Unidos, e estuda com professores notáveis, como as russas Olga Preobrajenska (1871-1962) e Lubov Yegorova (1880-1972).

No Brasil, funda em 1956 o Ballet do Rio de Janeiro, que é convertido em associação em 1960 e considerado como utilidade pública federal por decreto de 1974. Focada em promover mais oportunidades na área da dança, em uma época em que o trabalho profissional estava quase que exclusivamente restrito ao Theatro Municipal do Rio de Janeiro, a associação se dedica a manter bolsas de estudo para bailarinos e concentra sua produção em criações clássicas, de repertório e originais. Para esses trabalhos, conta com a participação de grandes artistas brasileiros, como os escritores Vinicius de Moraes (1913-1980) e Manuel Bandeira (1986-1968), os músicos Heitor Villa-Lobos (1987-1959) e Cláudio Santoro (1919-1989), os artistas visuais Burle Marx (1909-1994) e Di Cavalcanti (1897-1976) e as coreógrafas estabelecidas no Brasil, a russa Nina Verchinina (1910-1995) e a polonesa Maryla Gremo (1911-1985).

Em 1961, o Ballet é convidado a participar com outras companhias de dança de um evento beneficente promovido pela Royal Academy of Dancing, em Londres. O grupo viaja com todo o repertório e, recebido com sucesso, é convidado para uma segunda apresentação, com a presença da família real britânica. A repercussão dessas apresentações leva o grupo a ficar por quatro meses na Europa, realizando uma turnê internacional de noventa apresentações.

Em 1962, depois de retornar da Europa, o grupo inicia turnê nacional e Dalal funda a Escola de Ballet do Teatro Castro Alves (Ebateca), em Salvador. Em 1968, ainda na capital baiana, funda o Ballet Brasileiro da Bahia, continuado pelo bailarino Carlos Moraes (1936-2015). Esse projeto abre o caminho para a criação da companhia oficial de dança do estado da Bahia em 1981, o Balé Teatro Castro Alves (BTCA).

Seu trabalho como produtora, em colaboração com diversos patrocinadores e instituições, permite que Dalal traga ícones da dança para o Brasil. Em 1967, promove as apresentações da bailarina inglesa Margot Fonteyn (1919-1991) e de seu parceiro, o russo Rudolf Nureyev (1938-1993), no Maracanãzinho. Essa apresentação da dupla em um estádio é pensada para que mais pessoas possam assistir aos dois bailarinos do que é possível no Theatro Municipal carioca. Nos anos 1970, traz também o Royal Ballet inglês e o Ballet da Ópera de Paris para turnês brasileiras.

O foco no ensino e na divulgação da dança leva à criação em 1972 do pioneiro Jornal Dança, distribuído gratuitamente para seis mil estabelecimentos de todo o país e cujas edições estão arquivadas na Biblioteca de Washington, nos Estados Unidos. Também pensando no acesso à informação, dada a falta de material de estudo em língua portuguesa, escreve os livros Ballet – Arte, técnica e interpretação (1980) e Ballet, uma arte (1998). Ambos os trabalhos apresentam uma proposta didática, voltada para alunos e professores de dança.

Sua preocupação com o ensino é constante: desde 1963 promove cursos de formação e atualização de professores de dança, a partir da metodologia da Royal Academy of Dancing, que ajuda a divulgar no Brasil. Em 1981, organiza o primeiro curso profissionalizante de dança, em nível de 2º grau, ligado à sua escola, e, em 1985, participa da criação do curso superior de formação de professores de dança na UniverCidade, no Rio de Janeiro.

Ao longo da carreira, em diversas ocasiões, trabalha com o Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Em 1968, dirige o corpo de baile da instituição, para o qual cria, em 1974, sua versão do balé natalino O Quebra-Nozes, eleita em 1986 pela revista estadunidense Newsweek em primeiro lugar entre mais de mil versões coreográficas dessa obra. Seu balé Don Quixote (1983) também é reconhecido e recebe o prêmio Ibéria do governo espanhol.

Em 1981, dirige o corpo de baile do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, reestruturando a administração da companhia. Retorna em 1984 como diretora da instituição e, em 1999, como presidente da Fundação do TMRJ. Durante sua gestão, cria a série Memória do Theatro Municipal, com a publicação de cinquenta livros sobre artistas e técnicos envolvidos com a história do teatro e seus corpos estáveis.

Ainda buscando projetos de formação e reconhecimento de novos talentos, funda em 1999 a Companhia Jovem de Ballet do Rio de Janeiro, que, em 2020, é elevada a nível profissional e integrada ao Ballet do Rio de Janeiro. Em 2021, o nome do grupo oficialmente muda para Companhia de Ballet Dalal Achcar.

Reconhecida internacionalmente por seu trabalho com o Ballet do Rio de Janeiro e no Theatro Municipal carioca e pela produção de grandes espetáculos de dança internacionais no Brasil, Dalal Achcar se destaca por seu impacto na profissionalização da dança e pela criação de novas oportunidades para artistas brasileiros.

Espetáculos 3

Abrir módulo

Espetáculos de dança 4

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 12

Abrir módulo
  • ACHCAR, Dalal. Balé, uma arte. Rio de Janeiro: Ediouro, 1998.
  • ACHCAR, Dalal. Dalal Achcar. [Entrevista concedida a] Henrique Rochelle, São Paulo e Rio de Janeiro, 2021.
  • ACHCAR, Dalal. [Currículo]. Enviado pela artista em: 5 nov. 2021.
  • CARLOS MORAES – Série Figuras da Dança. Direção: Sergio Roizenblit. São Paulo: Associação Pró-Dança, 2010. (23 min.), son., color.
  • EICHBAUER, Hélio. [Currículo]. Enviado pelo artista em 24 de abril de 2011. Espetáculo: A Floresta Amazônica - 2000. Não catalogado
  • FARO, Antonio José; SAMPAIO, Luiz Paulo. Dicionário de balé e dança. Rio de Janeiro: Zahar, 1989. R792.8 F237d
  • MARIANCIC, Rita. Ballet do Rio de Janeiro. O Estado de S Paulo, São Paulo, p. 9, 30 out. 1956.
  • MOURÃO, Gerardo Mello. O Balé do Brasil. Folha de S.Paulo, São Paulo, Ilustrada, p. 29, 29 set. 1987.
  • ONE FINE ART. Perfil de Dalal Achcar. Jbeil-Byblos, Líbano. Disponível em: https://www.onefineart.com/artists/actors/dalal-achcar. Acesso em: 2 nov. 2021.
  • OS PASSOS do ballet, no livro de Dalal Achcar. O Estado de S.Paulo, São Paulo, p. 22, 18 abr. 1980.
  • REÚNEM_SE professores de Ballet. O Estado de S.Paulo, São Paulo, p. 10, 1 abr. 1971.
  • SAMPAIO, Flávio. Balé passo a passo. Fortaleza: Expressão Gráfica, 2013.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: