Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Leopoldo Gotuzzo

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 02.06.2017
04.08.1887 Brasil / Rio Grande do Sul / Pelotas
04.11.1983 Brasil / Rio de Janeiro / Rio de Janeiro

Paisagem
Leopoldo Gotuzzo
Óleo sobre tela
90,00 cm x 70,00 cm

Leopoldo Gotuzzo (Pelotas RS 1887 - Rio de Janeiro RJ 1983). Pintor e desenhista. Inicia sua formação artística em Pelotas, Rio Grande do Sul, em torno de 1900, com o pintor italiano Frederico Trebbi (18-- - 1928?). Vive em Roma, de 1909 a 1915, quando estuda pintura com Joseph Nöel e visita os principais museus italianos. Transfere-se para Madr...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Leopoldo Gotuzzo (Pelotas RS 1887 - Rio de Janeiro RJ 1983). Pintor e desenhista. Inicia sua formação artística em Pelotas, Rio Grande do Sul, em torno de 1900, com o pintor italiano Frederico Trebbi (18-- - 1928?). Vive em Roma, de 1909 a 1915, quando estuda pintura com Joseph Nöel e visita os principais museus italianos. Transfere-se para Madri, em 1915, ano em que, pela primeira vez, envia seus trabalhos ao Salão Nacional de Belas Artes (SNBA) do Rio de Janeiro. Retorna ao Brasil em 1919 e passa a expor em Pelotas, Porto Alegre e Rio de Janeiro, onde se radica no ano seguinte. Como participante do SNBA, é premiado em 1916 com medalha de bronze, em 1917 e 1919 com medalhas de prata, e em 1922 com medalha de ouro. Entre 1927 e 1930, viaja novamente à Europa mostrando suas obras em Lisboa, Porto e Paris. Participa de diversas edições do Salão Paulista de Belas Artes, no qual é premiado em 1938 e 1939. Em 1949, Gotuzzo torna-se patrono da Escola de Belas Artes de Pelotas e, em 1955, a instituição cria um salão de arte com seu nome. Após sua morte, em 1983, a Universidade Federal de Pelotas (UFPel) recebe sua coleção de quadros e desenhos, legados em testamento. Em 1986, é inaugurado o Museu de Arte Leopoldo Gotuzzo (Malg) nessa universidade.

Análise

Após uma estada na Europa, estudando na Itália, Espanha e França, entre 1909 e 1918, o pintor Leopoldo Gotuzzo retorna ao Brasil em 1918, e expõe retratos e pinturas de costumes, como Moça Vestida de Preto (s.d.). Os críticos destacam, em suas obras, o desenho apurado e o uso refinado da cor e da luz, como no Retrato de Dora Gotuzzo (s.d.), irmã do artista. Já Repouso (1916) apresenta o nu feminino tratado de forma realista, destacando-se o uso controlado da gama cromática, como também pode ser observado em Almofada Amarela (1923), obra em que a personagem revela grande sensualidade.

Em pinturas como Paisagem do Centro do Rio de Janeiro, Vista de Santa Teresa (1936), o artista explora o contraste entre os grandes edifícios, então em menor número no centro da cidade, e o casario. Revela grande simplificação formal, que pode ser percebida também em Ponte de Marília, Ouro Preto (1942). Já em Entrada do meu Jardim (1954), pode-se observar o desenho cuidadoso que estrutura a composição e o uso de pinceladas largas e empastadas.

A produção de desenhos de Gotuzzo, constituída em sua maioria de retratos, apresenta traços rápidos e precisos, revelando momentos de maior ou menor acabamento das figuras. Ao longo de sua carreira, o artista mantém-se à margem das inovações da arte no país, tanto do modernismo quanto das tendências ligadas à abstração, permanecendo fiel a uma concepção mais tradicional da pintura.

Obras 3

Abrir módulo
Reprodução fotográfica Romulo Fialdini

Nu

Óleo sobre tela

Exposições 61

Abrir módulo

Feiras de arte 1

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 16

Abrir módulo
  • ACQUARONE, Francisco; VIEIRA, Adão de Queiroz. Primores da pintura no Brasil. 2.ed. [Rio de Janeiro]: [s.n.], 1942. v. 1. LIV-G 759.981 A186p 2.ed. v.1
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979. 709.81 A163ar v.1
  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Organização André Seffrin. 2. ed. rev. e ampl. Curitiba: Ed. UFPR, 1997. R750.81 A973d 2.ed.
  • BRAGA, Theodoro. Artistas pintores no Brasil. São Paulo: São Paulo Editora, 1942.
  • BRAGA, Theodoro. Artistas pintores no Brasil. São Paulo: São Paulo Editora, 1942. R703.0981 B813a
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5). R703.0981 C376d v.2 pt. 1
  • EXPOSIÇÃO INAUGURAL DO MUSEU DE ARTE LEOPOLDO GOTUZZO. Pelotas: Universidade Federal de Pelotas, 1986. 1 folder, il. color. Não catalogado
  • FREIRE, Laudelino. Um século de pintura: apontamentos para a história da pintura no Brasil de 1816-1916. Rio de Janeiro: Fontana, 1983.
  • FREIRE, Laudelino. Um século de pintura: apontamentos para a história da pintura no Brasil de 1816-1916. Rio de Janeiro: Fontana, 1983. 759.981034 F866u
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989. R703.0981 P818d
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. R759.981 L533d
  • PINACOTECA do Estado de São Paulo. A arte e seus processos: o papel como suporte. São Paulo: Pinacoteca do Estado, 1978.
  • RUBENS, Carlos. Pequena história das artes plásticas no Brasil. São Paulo: Editora Nacional, 1941. (Brasiliana. Série 5ª: biblioteca pedagógica brasileira, 198).
  • RUBENS, Carlos. Pequena história das artes plásticas no Brasil. São Paulo: Editora Nacional, 1941. (Brasiliana. Série 5ª: biblioteca pedagógica brasileira, 198). 709.81 R895p Ed. ilust.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: