Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Anna Barros

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 03.09.2019
19.06.1931 Brasil / São Paulo / São Paulo
26.09.2013 Brasil / São Paulo / São Paulo
Anna Maria de Carvalho Barros (São Paulo, São Paulo, 1931 – Idem, 2013). Artista multimídia, pesquisadora, curadora e autora. Formada em Artes Plásticas pelo Otis Art Institute, de Los Angeles, Estados Unidos, em 1984. Em 1990, obtém o mestrado em Artes pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP). Em 1996, com a tes...

Texto

Abrir módulo

Anna Maria de Carvalho Barros (São Paulo, São Paulo, 1931 – Idem, 2013). Artista multimídia, pesquisadora, curadora e autora. Formada em Artes Plásticas pelo Otis Art Institute, de Los Angeles, Estados Unidos, em 1984. Em 1990, obtém o mestrado em Artes pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP). Em 1996, com a tese A Arte da Percepção: um namoro entre a luz e o espaço, conquista o título de doutora em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), instituição pela qual realiza, em 1997, o pós-doutorado.

Entre 1999 e 2000, atua como professora visitante no Instituto de Artes da Universidade de Brasília (IA/UnB). De 2001 a 2007, integra o corpo docente da pós-graduação interdisciplinar em administração, educação e comunicação, na Universidade São Marcos (USM), São Paulo. Leciona cursos de curta duração em diversas universidades, como UnB, a PUC/SP e Faculdade de Belas Artes de São Paulo.

Em 2004, funda a Revista Pesquisa em Debate, ligada à pós-graduação da Universidade São Marcos, e dirige a publicação até 2007.

Realiza curadoria de importantes exposições. Luz da Luz é montada no Sesc Pinheiros, em São Paulo, e fica em exposição entre 2006 e 2007. Outro trabalho de destaque é produzido em 2008, para a artista Victoria Vesna (1959) e o nanocientista James Gimzewski, ambos da Universidade da Califórnia em Los Angeles: Anna organiza a exposição da dupla para o evento Nano – Poética de um Mundo Novo, realizado no Museu de Arte Brasileira da Fundação Armando Álvares Penteado (Faap), em São Paulo.

Entre 1997 e 1998, preside a Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas (Anpap) e é responsável pelo crescimento da entidade, ampliando o número de associados e o reconhecimento internacional da associação.

Atua como membro do conselho editorial da revista internacional Artciencia, editada em Portugal, até 2013.

No Brasil, Anna Barros é referência no estudo sobre nanoarte, utilizando animações em 3D de imagens de microscópios eletrônicos em instalações interativas. Em 2013, o resultado deste trabalho é publicado no livro Nanoarte e exposto na instalação Nanocriogênio, apresentada no Festival Internacional de Linguagem Eletrônica (File).

Falece em 2013, aos 82 anos, em São Paulo.

Análise

A obra de Anna Barros estrutura-se sobre a nanoarte e a arte computacional, com predomínio de animação em 3D e de ambientes interativos na web e em instalações. Há um breve período em que a artista se dedica a pinturas. Vive, entre a década de 1970 e 1980, em Los Angeles, Estados Unidos, e é influênciada por trabalhos de artistas do movimento Light and Space, especialmente James Turrell (1943) e Robert Irwin (1928)1. Na década de 1990, essa influência faz a luz se tornar matéria dominante nas obras da artista. Segundo Anna, a luz que percebemos é a conjugação do fenômeno físico externo com a expressão da luz interior do percebedor.

Funda o grupo SDVILA com Alberto Blumenschein e Silvia Laurentiz (1960), artistas interessados na pesquisa e criação de textos poéticos com base em programação genética para a internet. Integram, também, o grupo Andréa D’Alcantara, Nilda Diniz, Davi Correia, Luciano da F. Costa, Rafael Carlucci, Nicoleta Kerinska (1972), Lineu Belico dos Reis, Wilson Sukorski (1955). Dessa fase, destaca-se o trabalho Wanderer Andarilho, finalista do Prêmio Sérgio Motta em 2001. Alberto Blumenschein tem sido seu parceiro na realização das obras que exigem programação e tecnologia na montagem.

Em paralelo à realização de instalações, a artista estende seu repertório para o desenvolvimento de animações computadorizadas em 3D e em VRML (Virtual Reality Modeling Language)2. Com essas técnicas, produz stills3 de animações, impressos sobre transparências (colocadas sobre caixas de luz) ou papel fotográfico metalizado. Esses suportes alcançam o valor poético planejado pela artista, conferindo qualidades que não são possíveis em monitor ou projetor. Tais obras diferenciam-se da fotografia digital, com a qual podem ser confundidas, entretanto, a origem e a técnica de construção da imagem baseia-se em uma animação, da qual a artista destaca um frame. Esse recorte indica o momento que a artista entende como representativo da animação inteira (ou de segmentos dela) e que expressa aspectos de sua sensibilidade.

Com a investigação em nanoarte, Anna Barros visualiza uma nova experiência artística, unindo teoria e produção poética. Constrói sua pesquisa com auxílio de importantes laboratórios universitários de Física do país. De amostras de uma árvore petrificada colhida na cidade de Mata, Rio Grande do Sul, obtém imagens geradas por microscópios eletrônicos de varredura, condensando seu interesse pela natureza aliada à ciência. Com esse material, Anna produz animações digitais em 3D, utilizadas na composição de vídeos e instalações com enfoque nanotecnológico. Em 2012, com a mesma técnica, a partir de imagens de amostra de seu cabelo e suas unhas, cria a instalação interativa Nanocriogênio. Versões desse trabalho são apresentadas na exposição EmMeio#4, realizada no Museu da República, em Brasília; na Artech, realizada na Universidade do Algarve, Portugal; e no Festival Internacional de Linguagem Eletrônica (File) de 2013, em São Paulo.

Notas

1. Light and Space é um movimento de arte originário do sul da Califórnia, na década de 1960. Ele se caracteriza pelo enfoque nos fenômenos perceptivos, estimulados pela luz, pelo volume e pela escala, e utiliza-se de tecnologia da indústria aeroespacial.

2. Em português, Linguagem para Modelagem de Realidade Virtual. Trata-se de um formato padrão de arquivo utilizado para representar gráficos vetoriais interativos tridimensionais (3D), projetados especialmente com a World Wide Web.

3. Still é um termo do jargão fotográfico e indica fotos de temas inanimados ou sem movimento.

 

Exposições 9

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • BARROS, A. M. C. A Arte da Percepção: um namoro entre a luz e o espaço. São Paulo: Annablume, 1999.
  • BARROS, Anna. Nanoarte. São Paulo: Sesi, 2013.
  • CELITA, P. de Carvalho; RIBEIRO, Maria Isabel Branco; BARROS, A. M. C.; PALETTA, Francisco; GIMZEWSKI, J; VESNA, V. (Orgs.). Nano – Poética de um Mundo Novo: arte, ciência, tecnologia. São Paulo: Faap, 2008.
  • SCARINCI, Carlos. A Arte de Anna Barros. Porto Alegre: Margs, 1987.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: