Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Mário Gruber

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 19.06.2017
31.05.1927 Brasil / São Paulo / Santos
28.11.2011 Brasil / São Paulo / Cotia
Reprodução fotográfica Iara Venanzi/Itaú Cultural

Sem Título, 1992
Mário Gruber
Óleo sobre tela fixado em duratex, c.i.d.
77,90 cm x 68,00 cm

Mário Gruber Correia (Santos, São Paulo, 1927). Pintor, gravador, escultor, muralista. Autodidata, começa a pintar em 1943. Muda-se para São Paulo em 1946 e matricula-se na Escola de Belas Artes, onde é aluno do escultor Nicolau Rollo (1889-1970). Em 1947, ganha o primeiro prêmio de pintura na exposição do grupo 19 Pintores. No ano seguinte real...

Texto

Abrir módulo

Biografia

Mário Gruber Correia (Santos, São Paulo, 1927). Pintor, gravador, escultor, muralista. Autodidata, começa a pintar em 1943. Muda-se para São Paulo em 1946 e matricula-se na Escola de Belas Artes, onde é aluno do escultor Nicolau Rollo (1889-1970). Em 1947, ganha o primeiro prêmio de pintura na exposição do grupo 19 Pintores. No ano seguinte realiza sua primeira exposição individual e passa a estudar gravura com Poty (1924-1998) e a trabalhar com Di Cavalcanti (1897-1976). Recebe bolsa de estudo em 1949, vai morar em Paris, estuda na École Nationale Supérieure des Beaux-Arts [Escola Nacional Superior de Belas Artes] com o gravador Édouard Goerg (1893-1969) e trabalha com Candido Portinari (1903-1962). Retorna ao Brasil em 1951 e funda o Clube de Gravura (posteriormente Clube de Arte) em sua cidade natal, onde volta a residir. É professor de gravura no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM/SP) em 1953, e dá aulas de gravura em metal na Fundação Armando Álvares Penteado (Faap), em São Paulo, entre 1961 e 1964. Monta ateliê de gravura em São Paulo em 1970. De 1974 a 1978, mora em Paris, depois, ao retornar ao Brasil, mora em Olinda, Pernambuco. Em 1979, monta ateliê em Nova York. De volta a São Paulo, realiza obras de grande porte em espaços públicos como a estação Sé do Metrô e o Memorial da América Latina. Na década de 2000, continua a trabalhar intensamente, com uma produção anual de 100 a 120 obras.

Análise

Autodidata, Mário Gruber começa a pintar na metade da década de 1940, apresentando uma produção ligada ao expressionismo. Em 1949, recebe uma bolsa do governo francês, e viaja para Paris, onde se dedica ao estudo de pintura e gravura. Retorna ao Brasil em 1951. Em sua obra gráfica dessa época, aproxima-se do realismo social praticado por outros artistas ligados aos clubes de gravura. A cidade, suas ruas e casas são temas para sua produção gráfica.

Mário Gruber realiza também pinturas de caráter figurativo, partindo de imagens cotidianas, como a vida nas metrópoles, para envolvê-las em jogos de imaginação. O artista cria personagens fantásticos, utilizando cores contrastantes que remetem à produção do pintor holandês Rembrandt van Rijn (1606-1669) e do espanhol Diego Velázquez (1599-1660). A partir da década de 1970, passa a empregar recursos do processo fotográfico, como a ampliação, para criar novos tipos de imagens. Pesquisa  também as linguagens da televisão e do cinema. Mantém um constante diálogo com a tradição da história da arte, como na exposição de 1985, na qual recria telas do pintor italiano Michelangelo Merisi da Caravaggio (1571-1610) e do francês Georges de La Tour (1593-1652), realizando ampliações a partir dos quadros desses artistas e apreendendo a dramaticidade e a dinâmica da luz presentes em suas obras.

A luminosidade apurada, a gama cromática muito controlada e a pincelada livre estão presentes em quadros posteriores, como Balão Verde e Preto (1996). Criando personagens que são freqüentemente  mascarados, magos, anjos e robôs, Gruber produz obras que causam estranheza e relacionam-se a uma temática  ligada ao realismo fantástico.

Obras 35

Abrir módulo
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Arlequim

Mista sobre duratex
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Astolfos

Acrílica sobre tela sobre madeira
Reprodução fotográfica Milton Gamez

Barra do Una

Óleo sobre tela

Espetáculos 1

Abrir módulo

Exposições 137

Abrir módulo

Fontes de pesquisa 26

Abrir módulo
  • ALMEIDA, Paulo Mendes de. De Anita ao museu. São Paulo: Perspectiva : Diâmetros Empreendimentos, 1976. (Debates, 133).
  • ARTE e artistas plásticos no Brasil 2000. São Paulo: Meta, 2000.
  • ARTE no Brasil. São Paulo: Abril Cultural, 1979.
  • AYALA, Walmir. Dicionário de pintores brasileiros. Organização André Seffrin. 2. ed. rev. e ampl. Curitiba: Ed. UFPR, 1997. R750.81 A973d 2.ed.
  • BIENAL BRASIL SÉCULO XX, 1994, São Paulo, SP. Bienal Brasil Século XX: catálogo. Curadoria Nelson Aguilar, José Roberto Teixeira Leite, Annateresa Fabris, Tadeu Chiarelli, Maria Alice Milliet, Walter Zanini, Cacilda Teixeira da Costa, Agnaldo Farias. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1994.
  • BULCÃO, Athos. [Currículo]. Enviado pelo artista. ------
  • COLEÇÃO Gilberto Chateaubriand: retrato e auto-retrato da Arte Brasileira. São Paulo: MAM, 1984.
  • COLEÇÃO Unibanco: exposição comemorativa dos 70 anos do Unibanco. Projeto gráfico Kiko Farkas; fotografia Romulo Fialdini; apresentação Antonio Fernando De Franceschi. Poços de Caldas: Instituto Moreira Salles, 1995. 50 p., il. color.
  • DICIONÁRIO brasileiro de artistas plásticos. Organização Carlos Cavalcanti e Walmir Ayala. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1973-1980. 4v. (Dicionários especializados, 5).
  • GRAVURA: arte brasileira do século XX. São Paulo: Itaú Cultural: Cosac & Naify, 2000.
  • GRUBER, Mário. Gruber. São Paulo: Renato Magalhães Gouvêa Galeria de Arte, 1979. , il. color.
  • GRUBER, Mário. Mário Gruber: pinturas. São Paulo: Renato Magalhães Gouvêa Escritório de Arte, 1993. [32] p., il.
  • GRUBER, Mário. Mário Gruber: pinturas. São Paulo: Renato Magalhães Gouvêa Escritório de Arte, 1996.
  • GULLAR, Ferreira (et. al). 150 anos de pintura no Brasil: 1820-1970. Rio de Janeiro: Colorama, 1989. R703.0981 P818d
  • Galeria do IA apresenta Mario Gruber. Disponível em: [http://www.iar.unicamp.br/galeria/mario_gruber/index.htm]. Acesso em: 03 jul 2006.
  • LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário crítico da pintura no Brasil. Rio de Janeiro: Artlivre, 1988. R759.981 L533d
  • LOUZADA, Maria Alice do Amaral. Artes plásticas Brasil 1999. São Paulo: Júlio Louzada, 1999. v. 11. R702.9 L895a v. 11
  • MOLINA, Camila. Arte feita como música. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 30 dez. 2011. Caderno 2, p.D5. Não catalogada
  • O PAPEL da arte. Apresentação Teixeira Coelho; projeto gráfico Elaine Christina Maziero; fotografia Carlos Kipnis, Gerson Zanini, Romulo Fialdini. São Paulo: MAC, 2000. 120 p., il. p&b color.
  • OS GRUPOS: a década de 40. São Paulo: Museu Lasar Segall, 1977. (Ciclo de Exposições de Pintura Brasileira Contemporânea).
  • PANORAMA DE ARTE ATUAL BRASILEIRA, 1987, SÃO PAULO, SP. Panorama de Arte Atual Brasileira 1987: arte sobre papel. São Paulo: MAM, 1987.
  • PERFIL da Coleção Itaú. Curadoria Stella Teixeira de Barros. São Paulo: Itaú Cultural, 1998. IC 708 P438
  • PONTUAL, Roberto. Entre dois séculos: arte brasileira do século XX na coleção Gilberto Chateaubriand. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil, 1987.
  • SCHENBERG, Mario. Pensando a arte. São Paulo: Nova Stella, 1988.
  • SUGIMOTO, Luiz. Histórias de um sobrevivente. Sala de imprensa, Campinas: UNICAMP, 19 a 25 set. 2005. Disponível em: [http:// www. unicamp.br /unicamp /unicamp_hoje /ju/ setembro2005 /ju302pag 12.html]. Acesso em: 03 jul 2006.
  • ZANINI, Walter (org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Fundação Djalma Guimarães: Instituto Walther Moreira Salles, 1983. v. 1.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: