Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Limite

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 21.05.2021
17.05.1931
Dirigido por Mário Peixoto (1908-1992), Limite (1931) se destaca na cinematografia brasileira do período em razão de suas experimentações estéticas e também por ser silencioso. Em plena ascensão do cinema falado, o diretor Mário Peixoto realiza um filme mudo com recursos técnicos e formais desenvolvidos pelo cinema europeu de vanguarda, e utiliz...

Texto

Abrir módulo

Dirigido por Mário Peixoto (1908-1992), Limite (1931) se destaca na cinematografia brasileira do período em razão de suas experimentações estéticas e também por ser silencioso. Em plena ascensão do cinema falado, o diretor Mário Peixoto realiza um filme mudo com recursos técnicos e formais desenvolvidos pelo cinema europeu de vanguarda, e utiliza-se de metáforas para expor de maneira poética o interior de seus personagens. Impotência, solidão, desespero e resignação marcam todo o filme. 

A combinação de uma montagem poética com a fluência narrativa surge já no início. A intensidade da primeira sequência, que apresenta um barco à deriva, onde os personagens estão entregues ao destino, condensa os elementos que são desenvolvidos ao longo do filme. Vemos na tela um bando de urubus, que dá lugar à imagem emblemática de uma mulher cabisbaixa, tendo à sua frente mãos masculinas algemadas. Trata-se de uma imagem-síntese, que simboliza a condição humana. 

Sem nomes próprios, os personagens são definidos como Mulher 1, Mulher 2 e Homem 1, o que sugere a generalidade de suas situações. A Mulher 1 observa o horizonte vazio, enquanto o Homem 1, desolado, prostrado logo atrás dela, não manifesta nenhum esforço em movimentar o remo em suas mãos. Ao fundo do barco, a Mulher 2 permanece deitada, sem movimentos. A primeira, num gesto solidário, volta-se para o homem e lhe oferece um biscoito, mas sofre um corte no dedo ao tentar abrir a caixa de biscoitos. A situação de fracasso dos personagens já está aparente nesse início. 

Em flashbacks, a narrativa expõe a memória dos três personagens. Na primeira história, a  Mulher 1 é um personagem enclausurado na vida cotidiana, marcada por privações materiais e trabalho intenso e rotineiro. A imagem em primeiro plano de uma tesoura representa essa vida de castração e aprisionamento. Na segunda história, a Mulher 2 é apresentada na solidão de um casamento frustrado, marcado pela indiferença de um marido alcoólatra. Os planos em que ela caminha sem destino sugerem uma vida sem rumo. Na terceira história, o Homem 1 se defronta com a amargura da traição, por ter se relacionado com a mulher sifilítica de seu amigo.  

Para a realização de Limite, Mário Peixoto trabalha com Edgar Brasil (1902-1954), o principal fotógrafo do cinema mudo brasileiro. No elenco estão nomes como Olga Breno (1911-2000), Taciana Rei, Raul Schnoor e Brutus Pedreira (1898-1964), além das breves participações de Carmen Santos (1904-1952) e do próprio Peixoto. A complexidade da concepção de Limite se deve à sensibilidade do diretor, que se beneficia de longa estada na Europa e das experiências do cinema poético francês de Jean Epstein (1897-1953) e Germaine Dulac (1882-1942), e do cinema construtivista do diretor soviético Serguei Eisenstein (1898-1948). Essa formação marca a afinidade de Peixoto com as ideias do Chaplin Club1, o primeiro cineclube do país. 

A seleção de músicas contribui para intensificar a dramaticidade da obra e os enquadramentos emolduram os dramas na paisagem litorânea e fazem o espectador se aproximar das trajetórias marcadas pela fuga da vida cotidiana de um casamento infeliz e da morte anunciada em razão do adultério. Cada uma das histórias é apresentada por um fluxo de imagens que ora tende à fragmentação, ora privilegia a continuidade narrativa. 

A singularidade do filme tem provocado diferentes reações ao longo do tempo. Os representantes do Chaplin-Club veem nele a expressão de seu ideal estético. Antes mesmo de o filme ser finalizado, algumas fotografias são publicadas em O Fan e um comentário entusiástico acompanha um trecho do roteiro, que considera sua concepção uma surpresa cinematográfica no país.

A primeira e única exibição pública, em sessão vespertina, de Limite ocorre em 17 de maio de 1931. O filme não tem carreira comercial, mas alcança prestígio cada vez maior na crítica e entre os integrantes do Chaplin-Club, em particular Plínio Sussekind Rocha. Além de promover sessões privadas até a década de 1950, quando o filme se deteriora, Plínio divulga textos sobre o Limite, o que contribui para construir um mito sobre o filme, muito comentado, mas pouquíssimo assistido entre os seus contemporâneos. 

No livro Revisão Crítica do Cinema Brasileiro (1963), o diretor de cinema Glauber Rocha (1939-1981) comenta o filme, mesmo sem vê-lo. Para ele, a estética de Peixoto representa o individualismo burguês: “Limite é a substituição de uma verdade objetiva por uma vivência interior; uma vivência formalizada, socialmente mentirosa; a sua moral, como o tema, é um limite”.2
 
Com a morte de Edgar Brasil em 1954, Peixoto entrega os materiais do filme para que Plínio o restaure, quando o péssimo estado de preservação das imagens quase gera sua perda definitiva. Em 1971, é concluída a primeira restauração, o que permite que o filme tenha alguma circulação, mas é exibido publicamente somente em 1978. Na ocasião, Glauber volta a comentá-lo, suavizando sua opinião de 15 anos atrás, mas ainda mantém a acusação de “produto de intelectual burguês decadente”.3

A preservação de Limite é assegurada somente em 2007, com o processo de restauração fotoquímica realizado pela Cinemateca Brasileira, e, no mesmo ano, o filme é exibido no Festival de Cannes. Em 2010, nova intervenção é feita utilizando recursos da tecnologia digital, e, em 2011, o filme é exibido em São Paulo no Auditório Ibirapuera.

Com uma narrativa que mescla fragmentação com continuidade e ao mesmo explora as angústias dos personagens por meio das imagens, Limite torna-se peça importante para a análise do cinema brasileiro.

Notas

1. O Chaplin Club, por meio de O Fan, órgão oficial do grupo, busca promover e definir “o verdadeiro cinema” como puro, longe dos compromissos comerciais. Para eles, deveria-se negar o cinema falado e ressaltar as especificidades da imagem na tela e a força estética de expressão da essência do homem, algo de que Mário Peixoto partilha.

2. ROCHA, Glauber. Revisão crítica do cinema brasileiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1963. p. 44.

3. ROCHA, Glauber. Limite. In: LABAKI, Amir (org.). Folha conta 100 anos de cinema. São Paulo: Posigraf, 1995.

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • ALBERA, François. L’avant-garde au cinéma. Paris: Armand Colin, 2005.
  • FARIA, Octávio de. Limite. In: O Fan, n.09, dez./1930.
  • L’ ge du cinéma, n. 6, dec.1951.
  • MELLO, Saulo Pereira de. Limite. Rio de Janeiro: Rocco, 1996.
  • ROCHA, Glauber. Limite. In: LABAKI, Amir (org.). Folha conta 100 anos de cinema. São Paulo: Posigraf, 1995.
  • ROCHA, Glauber. Revisão crítica do cinema brasileiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1963.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: