Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Acrópole

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 08.10.2020
1938
1971
Acrópoleé a revista especializada em arquitetura e urbanismo de maior circulação e regularidade do país. É lançada no fim da década de 1930 e publicada até 1971. Dedicada à produção arquitetônica e urbanística contemporânea, registra a história dessas atividades, sobretudo na cidade de São Paulo, e acompanha o desenvolvimento da arquitetura em r...

Texto

Abrir módulo

Acrópoleé a revista especializada em arquitetura e urbanismo de maior circulação e regularidade do país. É lançada no fim da década de 1930 e publicada até 1971. Dedicada à produção arquitetônica e urbanística contemporânea, registra a história dessas atividades, sobretudo na cidade de São Paulo, e acompanha o desenvolvimento da arquitetura em relação às belas-artes e à engenharia. 

A publicação apresenta duas fases distintas em conteúdo, linguagem e diagramação. A primeira inicia-se com o lançamento, em maio de 1938. O periódico é dirigido pelo proprietário, Roberto Corrêa de Brito, chefe do Cadastro Imobiliário de São Paulo. Ele acata a sugestão do arquiteto Eduardo Kneese de Mello (1906-1994) de fundar uma revista especializada em arquitetura. De circulação mensal, é composta por artigos com fotos, desenhos, fichas técnicas e textos de apresentação. Na pauta, prevalecem residências unifamiliares, seguidas de edifícios de apartamento e de escritório, hotéis, escolas e edifícios para fins esportivos.

A variedade de estilos publicados – do neoclássico ao neocolonial, passando pelo art déco e pelo moderno –, revela a ausência de linha editorial ou perfil comercial definidos. Acompanha a produção arquitetônica em formação, ainda dependente da engenharia e dos preceitos acadêmicos. Essa dependência marca a identidade visual da revista, notadamente sua capa: à exceção dos oito primeiros números, as capas são monocromáticas e têm a imagem do Templo de Erecteu, em Atenas.

A segunda fase inicia-se em setembro de 1952. A revista é vendida para o austríaco Max Gruenwald (1895-1974), linotipista na gráfica responsável pela impressão da Acrópole. Ele adapta a revista às mudanças no campo arquitetônico e à afirmação da arquitetura moderna. O projeto gráfico modifica-se, e a capa de cada edição é concebida por artistas e arquitetos, como Alexandre Wollner (1928-2018), João Carlos Cauduro (1935) e Julio Katinsky (1932). A filiação ao movimento moderno é perceptível também no conteúdo: entre 1954 e 1959, a revista publica o Boletim do Instituto de Arquitetos do Brasil e números especiais são dedicados a arquitetos modernos, como Oswaldo Bratke (1907-1997), Paulo Mendes da Rocha (1928), Joaquim Guedes (1932-2008), Oscar Niemeyer (1907-2012), Ruy Ohtake (1938) e Vilanova Artigas (1915-1985)

Também são publicadas edições temáticas dedicadas ao Convênio Escolar e à Brasília e novas colunas, como a Prancheta Viva, sobre detalhes construtivos ou mobiliários modernos.

Outra novidade é a publicação de séries temáticas que dão origem aos livros Notas sobre a Evolução da Moradia Paulista (1972), de Luís Saia (1911-1975), e Dicionário da Arquitetura Brasileira (1972), de Carlos Lemos (1925) e Eduardo Corona (1921-2001).

Nessa fase, o número de anúncios diminui e a revista não se sustenta apenas pelas assinaturas. Em dezembro de 1971, a revista fecha e abre um vácuo no registro da produção arquitetônica da cidade, preenchido anos depois pelas revistas Projeto e AUArquitetura e Urbanismo.

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • ALMEIDA, Maisa Fonseca. Revista Acrópole publica residências modernas: análise da revista Acrópole e sua publicação de residências unifamiliares modernas entre os anos de 1952 e 1971. Dissertação (Mestrado em Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo) – Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.
  • CORONA, Eduardo. Acrópole, n. 390 e 391, p. 6, 1971.
  • DEDECCA, Paula Gorenstein. Crítica paulista de arquitetura carioca: recepção e diferenciação da produção brasileira moderna nas revistas especializadas de São Paulo (1945-1960). 162 f. Relatório (Iniciação Científica) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.
  • SEGAWA, Hugo. Arquiteturas no Brasil, 1900-1990. 2.ed. São Paulo: Edusp, 1999.
  • SERAPIÃO, Fernando. A revista Acrópole. Arcoweb, São Paulo, mar. 2006. Seção Artigos. Disponível em: http://www.arcoweb.com.br/artigos/fernando-serapiao-a-revista-06-03-2006.html. Acesso em: 10 jul. 2011.
  • SERAPIÃO, Fernando. Arquitetura revista: a Acrópole e os edifícios de apartamentos em São Paulo (1938-1971). Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2005.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: