Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Poema Sujo

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 23.09.2020
1976
Com Poema Sujo (1976), Ferreira Gullar (1930) consolida seu lugar entre os grandes da poesia brasileira moderna. A obra une as tradições modernista e de vanguarda à urgência do momento histórico. De fluência contundente, é forjada pelo esforço da luta com as palavras e pela memória. É escrita no exílio do poeta em Buenos Aires (Argentina), em 19...

Texto

Abrir módulo

Com Poema Sujo (1976), Ferreira Gullar (1930) consolida seu lugar entre os grandes da poesia brasileira moderna. A obra une as tradições modernista e de vanguarda à urgência do momento histórico. De fluência contundente, é forjada pelo esforço da luta com as palavras e pela memória. É escrita no exílio do poeta em Buenos Aires (Argentina), em 1975, quando a situação política brasileira se deteriora e a prisão de Gullar por agentes da ditadura torna-se iminente. Poema Sujo tem por fundo a dor da suspensão da vida e a necessidade – palavras do próprio poeta – de produzir “um poema que fosse o meu testemunho final, antes que me calassem para sempre”.  

É nessa perspectiva que se enquadra o impulso do poema, o desejo de “resgatar a vida vivida”, fazer presente o passado. Para tanto, Gullar recupera a memória afetiva e social de São Luís, sua cidade natal. Não se trata de rememorar episódios e circunstâncias com ponderação, mas de construir um personagem de si mesmo. A partir das palavras que abrem o poema, estende-se um campo dramático:

turvo turvo 

a turva  

mão do sopro 

contra o muro 

escuro  

menos menos

menos que escuro. 

Os versos, repletos de assonâncias, tornam indissociável ritmo e razão. Esta, busca a produção do sentido no encadeamento sonoro. 

Na obra, presente e passado, pensamento e ritmo, sentido e som tornam-se método. Expõem um conjunto fragmentado de memórias e reflexões, de cuja fluência salta a imagem da cidade. Uma São Luís antiga, construída pela memória afetiva de lugares e personagens (anônimas ou familiares). A ela, juntam-se e os conceitos de sociabilidade e o posicionamento político de Gullar, formando o todo sinfônico de Poema Sujo. Segundo Eleonora Ziller Camenietzki, o livro divide-se em quatro movimentos. No primeiro, “Arte e Vida”, o sujeito lança-se de modo indistinto (“turvo turvo”) às “mais prosaicas recordações, de atos banais ou marginais”[1]. Constam desse movimento as primeiras relações sexuais, a reunião familiar à mesa, o espaço humilde da casa às quais se unem questionamentos sobre o corpo, como natureza anterior à arte, porém a sua espera. No segundo, Paisagens Modernistas”, encabeçado por “claro claro / mais que claro / raro”, as lembranças de menino são nítidas. O movimento tem relação com índices de modernidade, dos quais se destaca o trem que atravessa o sertão e empresta seu ritmo tanto à melodia de Bachianas n. 3, Tocatta2, de Heitor Villa-Lobos (1887-1959), quanto às palavras de Gullar. Chegando ao terceiro e quarto movimentos, os quadros da juventude incidem sobre as relações sociais e suas contradições como fundamento da vida urbana. Antes, os motes do poema trazem um esforço de precisão (do “turvo” ao “claro”), acompanhado de formação individual (do sentimento confuso do corpo à primeira consciência de si). Agora, a tensão incide na síntese do uno e do plural. Passa-se a falar dos “muitos dias” que existem “num dia só”, assim como das tardes, noites e cidades que multiplicam e complicam a forma simples, una e abstrata. Nesse movimento, São Luís descobre-se na noite dos miseráveis do bairro Baixinha e da classe média local. Do mesmo modo, a memória do pai cinde entre o homem despreocupado na quietude de sua quitanda e os aviões norte-americanos que atravessam o céu do Maranhão indiferentes às pequenezas locais. Resta a imagem final do poema, a cidade que “se move / em seus muitos sistemas / e velocidades”, todos feitos  da vida humana, múltipla e particular. Não cabem mais idealizações, somente a sujeira de que se faz o tempo histórico. 

A recepção crítica de Poema Sujo parte do entendimento político de seus atributos poéticos, não se limitando a questões de obra e contexto. Alcides Villaça (1946) reconhece o esforço crítico (“não idílico”) de Gullar, inerente à reunião de “linguagem febril e rigor dialético”. Isso, a seu ver, marca a duplicidade da ideia de “sujo”, que transita entre a força bruta do corpo e a convicção de uma consciência material e temporalmente constituída. Tal leitura é requalificada, por Tito Damazo (1948), que encara a obra como “poema polifônico e polimórfico”3, com “estilo plural”, calcado na tradição prosaica do modernismo e nos registros da linguagem cotidiana. Eleonora Camenietzki também vê no poema a síntese de movimentos internos à obra de Gullar, sejam eles técnicos (a primazia da comunicabilidade como parte da prática poética) ou ideológicos (a adesão do poeta ao Partido Comunista Brasileiro, PCB). 

Poema Sujo representa a consagração de um grande poeta e ativista num dos momentos mais dramáticos da história brasileira. Nele, Gullar empreende um salto qualitativo para a renovação dos debates sobre a tradição literária, reacendidos pelo modernismo. Ele eleva as conquistas técnicas de seus predecessores pela formação de uma poética dramática e pelo esforço de libertação subjetiva ímpares.

Notas

1. CAMENIETZKI, Eleonora Ziller. Poesia e política: a trajetória de Ferreira Gullar. Rio de Janeiro: Editora Revan, 2006. P.139.

2. Bachiana n. 3, Tocatta (1938), mais conhecida como Trenzinho do Caipira. 

3. DAMAZO, Tito. Ferreira Gullar, uma poética do sujo. São Paulo: Nanquin Editorial, 2006. p. 21.

Mídias (1)

Abrir módulo
Leitura de poema por Ferreira Gullar - Jogo de Idéias

Fontes de pesquisa 3

Abrir módulo
  • CAMENIETZKI, Eleonora Ziller. Poesia e política: a trajetória de Ferreira Gullar. Rio de Janeiro: Editora Revan, 2006.
  • DAMAZO, Tito. Ferreira Gullar, uma poética do sujo. São Paulo: Nanquin Editorial, 2006.
  • VILLAÇA, Alcides. Em torno do Poema Sujo. In: Encontros com a civilização brasileira. Rio de Janeiro, n.9, 1979.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: