Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Rua sem Sol

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 19.02.2020
1954
Rua sem Sol é o segundo longa-metragem de Alex Viany (1918-1992) e o primeiro filme da produtora de Oswaldo Massaini (1919-1994), a Cinedistri, em coprodução com Brasil Vita Film e Unida. Com vasto repertório cinematográfico formado em anos de exercício como crítico, o diretor opõe-se o cinema comercial e dedica sua obra a dramas sociais e perso...

Texto

Abrir módulo

Rua sem Sol é o segundo longa-metragem de Alex Viany (1918-1992) e o primeiro filme da produtora de Oswaldo Massaini (1919-1994), a Cinedistri, em coprodução com Brasil Vita Film e Unida. Com vasto repertório cinematográfico formado em anos de exercício como crítico, o diretor opõe-se o cinema comercial e dedica sua obra a dramas sociais e personagens populares. Esse esforço para adensar o realismo cinematográfico brasileiro é partilhado com diretores como Nelson Pereira dos Santos (1928) e Roberto Santos (1928-1987).

Em Rua sem Sol, Marta [Glauce Rocha (1930-1971)] é acusada de assassinato. Detida, ela decide contar sua história. Relata a adoção na infância, as dificuldades financeiras com a morte do pai adotivo, que lhe deixa dívidas, e a responsabilidade de cuidar de Maria [Dóris Monteiro (1934)], a irmã cega. Sem recursos, a duas moram na casa de Brito [Modesto de Souza (1894-1967)], amigo do pai. Marta encontra emprego em uma joalheria, e a vida parece se estabilizar. No entanto, Maria adoece e precisa submeter-se a uma cirurgia. Sem recursos para custear a operação, Marta rouba um broche em seu trabalho, mas, ao tentar vendê-lo, descobre que se trata de uma joia falsa. Chantageada por Ruiz [Gilberto Martinho (1927-2001)], um vigarista que descobre o roubo, Marta tem de ceder às investidas do rapaz. Depois de jantarem, vão a um dancing, onde Marta descobre a profissão de dançarina de aluguel. Frustrada com o resultado do roubo e com o assédio de Luís, ela decide trabalhar na casa noturna de Nuno Ferreira [Carlos Cotrim (1913-1978)] e torna-se uma das taxi-girls mais requisitadas. 

Floriano surpreende-a saindo do local e convence a jovem a abandonar aquele trabalho. Antes de deixar o dancing, entretanto, Marta decide obter o dinheiro necessário para a operação da irmã: convence o jovem médico Fernando [Carlos Alberto (1925-2007)] a levar Maria para a Itália, para que ele a opere, e, em seguida, pede pagamento adiantado ao patrão. Nuno recusa-se a dar-lhe o dinheiro. Desesperada, Marta apanha o revólver sobre a mesa, dispara um tiro e foge. Os jornais anunciam a morte do dono do dancing e Marta é considerada a principal suspeita. As investigações revelam, entretanto, que Nuno é morto por mais de um disparo. A polícia descobre o verdadeiro assassino: traficante e ex-funcionário do dancing, que se vinga do chefe. Marta ganha a liberdade e, da Itália, sua irmã manda notícias sobre a saúde. 

A trama de Rua sem Sol segue os artifícios do gênero policial: a protagonista narra, com a voz em off, os eventos passados de sua vida. Pela trama, pela inspiração no gênero policial estadunidense e pelo estilo realista, Rua sem Sol assemelha-se a Amei um Bicheiro (1952), filme de Jorge Ileli (1925-2003) e Wanderley Paulo (1903-1973). No filme de Viany, entretanto, o conflito não ganha contornos definidos, e as personagens não possuem profundidade. Floriano é o mais caricato deles: um compositor de samba, amante de feijoada e futebol. 

A fluência narrativa e o registro realista revelam-se com mais vigor na sequência que se passa na casa noturna. A cena abre espaço a personagens da classe social desfavorecida. A música Rua sem Sol, composição de Mário Lago (1911-2002) e Henrique Gandelman (1929), é interpretada ao vivo por Ângela Maria (1929). Marta sofre ameaças de Luís, que tenta seduzi-la e tirá-la para dançar. No primeiro plano, dançarinas são apresentadas com olhar entediado, e copos vazios são preenchidos até transbordarem. Marta, cabisbaixa, dança nos braços de Luís, que tenta forçar-lhe um beijo. Na pista, um homem acompanha a música em passos lentos; outro pisca e sorri cinicamente para a câmera; uma mulher bebe solitária.

Esse é um dos raros momentos em que a condição social das personagens ganha contorno e entrevê-se a frustração das pessoas e a amoralidade do ambiente. O realismo, no entanto, não resiste ao enredo comum do gênero policial. Essa tensão deve-se ao fato de o argumento ter sido imposto ao diretor. Alex Viany recebe o convite para dirigir o filme, cujo roteiro de Eduardo Borrás (1907-1968) está previamente aprovado pela produtora. No início, a direção do filme está sob comando de Mário Del Río, que desiste da atividade para concentrar-se na produção. A realização sofre percalços durante a filmagem, interrompida por causa do orçamento insuficiente.

O filme é concluído no fim de 1953 e  tem recepção fria da crítica, apesar dos avanços técnicos apontados por Luiz Francisco de Almeida Salles: “[...] as sequências estão bem articuladas, a câmera decompõe agilmente os planos, alternando com precisão os planos próximos e distantes, a duração das tomadas está bem calculada, a ligação dos planos teve em vista exigências didáticas de narração e estéticas de composição”1.  Mesmo com o elogio à qualidade técnica, a crítica é unânime em atacar a temática do filme. Antônio Moniz Vianna (1924-2009) lamenta tratar-se de “[...] mais uma melancólica ficha a ser posta no arquivo do cinema brasileiro”. Para o crítico, “[...] o ritmo é completamente falho, o enquadramento às vezes bom (cenas de dancing), mas não raro defeituoso; os intérpretes, irregularmente orientados”2. Segundo Walter da Silveira (1915-1970), o maior problema do filme é a temática imposta ao diretor: “[...] o realizador, não podendo tentar o nacionalismo temático, em virtude do caráter cosmopolita do enredo, passará a tentar, usando toda a sua aprendizagem teórica, exercícios de linguagem”3.

Depois de Rua sem Sol, Alex Viany retoma a atividade crítica e torna-se um dos principais apoiadores do movimento do cinema novo. Em 1963, volta à direção no filme Sol sobre a Lama.

Notas

1.  SALLES, Luiz Francisco de Almeida. Rua sem Sol. O Estado de S.Paulo, São Paulo, 4 ago. 1954. 

2.  VIANNA, Moniz. Rua sem Sol. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 23 jan. 1954.

3. SILVEIRA, Walter da. Rua sem Sol. Diário de Notícias, Salvador, 9 maio 1954.

Fontes de pesquisa 10

Abrir módulo
  • AUTRAN, Arthur. Alex Viany: crítico e historiador. São Paulo: Perspectiva, 2003.
  • GONZAGA, Alice. Cinedistri. In: RAMOS, Fernão Pessoa; MIRANDA, Luiz Felipe (Orgs). Enciclopédia do cinema brasileiro. São Paulo: Senac, 2003.
  • LIMA, Antônio; PEREIRA, José Haroldo. Um diretor: Alex Viany. Filme Cultura, Rio de Janeiro, n. 32, fev. 1979.
  • OROZ, Silvia. Glauce Rocha. In: RAMOS, Fernão Pessoa; MIRANDA, Luiz Felipe (Orgs). Enciclopédia do cinema brasileiro. São Paulo: Senac, 2003.
  • PAIVA, Salvyano Cavalcanti de. Rua sem sol. Manchete, n.94, 6 fev. 1954.
  • ROCHA, Glauber. Introdução ao cinema brasileiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1963.
  • SALLES, Francisco Luiz de Almeida. Rua sem sol. O Estado de S. Paulo, São Paulo 4 jul. 1954. Acesso em: 28 jun. 2011
  • SILVEIRA, Walter da. Rua sem sol. Diário de Notícias, Salvador, 9 maio 1954.
  • VIANNA, Moniz. Rua sem sol. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 23 jan. 1954.
  • VIANY, Alex. Introdução ao Cinema Brasileiro. Rio de Janeiro, Alhambra, 1987.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: