Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Mulher Objeto

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 04.10.2020
1981
Quinto e último filme do telenovelista Silvio de Abreu (1942), Mulher Objeto é consequência do sucesso de A Dama do Lotação (1978). O impacto do filme de Neville D'Almeida (1941) estabelece diálogo amistoso entre os diretores, que pretendem unir esforços para diversificar a produção cinematográfica brasileira, dominada pela pornochanchanda e bai...

Texto

Abrir módulo

Quinto e último filme do telenovelista Silvio de Abreu (1942), Mulher Objeto é consequência do sucesso de A Dama do Lotação (1978). O impacto do filme de Neville D'Almeida (1941) estabelece diálogo amistoso entre os diretores, que pretendem unir esforços para diversificar a produção cinematográfica brasileira, dominada pela pornochanchanda e baixa qualidade técnica.  

Mulher Objeto busca em A Dama do Lotação o tema da mulher aparentemente frígida, que não se satisfaz com o marido – perspectiva inconcebível para a visão sexista das pornochanchadas. Nesse sentido, o filme atualiza a cena dramatúrgica com o debate de temas inaugurados no programa TV Mulher (1980): impotência, impulso sexual, homossexualidade e frigidez.

Silvio de Abreu, cinéfilo declarado, identificado com a produção da boca do lixo, em São Paulo, declara à época que seu desejo é “fazer um cinema popular, [...] não sobre o povo, mas para o povo, [com] uma maneira intrigante de contar uma história”, transformando “o sexo num elemento de suspense” [1].

A trama do filme caminha nessas direções. Regina [Helena Ramos (1953)], ex-secretária, casa-se com seu patrão, o bem-sucedido empresário Hélio [Nuno Leal Maia (1947)]. Entretanto, ela recusa contato sexual com o marido e fantasia relações com desconhecidos. Uma psicanalista [Karin Rodrigues (1936)] sugere que o pânico de Regina com o marido e os amantes imaginários provêm de traumas surgidos na infância. Cabe a Regina rastrear os indícios desse trauma.

A história inspira-se nos filmes do diretor estadunidense Alfred Hitchcock (1899-1980), notadamente de Marnie, Confissões de uma Ladra (1964) e no tema de A Dama do Lotação, do dramaturgo Nelson Rodrigues (1912-1980). Do primeiro, aproveita a condução dramática do filme e o uso rudimentar de conceitos de psicanálise. Do segundo, além da semelhança temática, utiliza o recurso de cenas eróticas para retratar as fantasias de Regina.

Desse modo, os flashes das imagens representativas do inconsciente da personagem – o conflito com a mãe pobre, as discussões com o marido que exige dela comportamento sexual exemplar ou as conversas com a amiga conselheira [Kate Lyra (1949)], que lhe exibe o sobrinho e jovem amante como prova de liberação plena – intercalam-se com 18 cenas eróticas. A atração por um encanador abrutalhado, os enleios sobre um cavalo em um campo hípico, a sedução de um ato lésbico e o jogo proibido de um amor adolescente são algumas das representações das fantasias sexuais da personagem. 

Ao final, graças às sessões de psicanálise, Regina recupera cenas que dão origem ao trauma: o choque vivenciado diante de uma relação sexual dos pais associa-se à educação repressiva em um colégio religioso, que culmina com o castigo, por colocar em prática o primeiro impulso sexual com outro adolescente. Desvendado o enigma, Regina está preparada para se tornar uma mulher realizada.

Embora o filme pretenda apresentar a mulher moderna que busca se libertar de repressões sexuais do passado, algumas críticas enxergam nele apenas a reafirmação do título. Para esses críticos, a mulher continua sendo tratada como objeto sexual, dependente econômica e emocionalmente do marido, “uma coisa a ser usada como o homem deseja [...]. Como pode-se pensar em liberação feminina?”, pergunta uma delas1. Possui pretensões intelectuais que procuram retratar a libertação sexual, no entanto, “a fantasia [da personagem] corresponderia muito mais a uma experiência masculina do que feminina”2. Nesse sentido, o filme não ultrapassa a visão machista que permeia as pornochanchadas: embora as fantasias sexuais pertençam à mulher, o domínio da perversão tem o aval do homem. 

O final do filme parece corroborar essa visão. Regina, consciente da lembrança que lhe causa o trauma, procura o gozo nos braços do amigo mais velho (a figura do pai, responsável pelo mal de origem) e, em seguida, nos do marido. Nesse "final feliz", o homem finalmente tem a mulher “inteira” que deseja. Em outras palavras, para encontrar a satisfação sexual, Regina deve propiciar prazer ao homem rico que a acolhe como esposa. 

Para Silvio de Abreu, Regina oscila entre dois meios adversos: de um lado, o ambiente burguês e amoral que lhe é propiciado pelo homem que, de certa forma, a comprou e tem direitos sobre ela; de outro, vagueia física ou imaginariamente pelo mundo miserável, violento e angustiado de sua família, cuja mãe recomenda fingir o gozo para agradar o marido. Regina, porém, quer ultrapassar esses valores e isso a sintoniza com os modernos ideais femininos. Ela está decidida a fazer sexo “só se puder tirar algum proveito ao nível do seu próprio prazer”3.

A crítica, de maneira geral, acolhe o discurso do filme que defende os direitos femininos e foge do esquema rasteiro das pornochanchadas, nas quais a mulher desempenha papel secundário e, geralmente, degradado. Segundo a jornalista Susana Schild, “[o filme] encaixa-se mais na linha de um cinema erótico bem-produzido com um pano de fundo de dramalhão com elementos psicológicos”4.

É possível também concordar com o cineasta ao redefinir sua obra. Ele simplifica a questão e coloca o trauma sexual como vilão do filme: “[trata-se da] história de duas pessoas que querem se entender, que não se entendem, porque o sexo atrapalha e, enquanto não resolverem os problemas sexuais, não vão se encontrar”6.

A bilheteria é modesta: cerca de 1,2 milhão de espectadores, público pequeno se comparado a A Dama do Lotação, com mais de 6 milhões de ingressos vendidos. A profusão de nus frontais e pênis eretos, sugerindo mais veracidade sexual, antecipa o filão de filmes de sexo explícito que dominam o mercado cinematográfico na década de 1980. Mulher Objeto encontra-se em um ponto da curva em que o cinema brasileiro parece atingir o apogeu e o fim das pornochanchadas.

Notas

1. ABREU, Silvio de. Entrevista a Oswaldo Mendes. Folha de S.Paulo, São Paulo, 6 set. 1981.

2. DIRANI, Zenia Cazzulo. Mulher-objeto, um título bem dado. Correio do Povo, Porto Alegre, 15 nov. 1981. p.4.

3. ABREU, Silvio de. Entrevista a Oswaldo Mendes, Folha de S.Paulo, São Paulo, 6 set. 1981.

4. SCHILD, Susana. Inversão de papéis. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 2 nov. 1981. Caderno B, p.2.

5. CAETANO, Daniel. Silvio de Abreu. Filme Cultura, Rio de Janeiro, n. 51, p.32-36, jul. 2010.

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • ABREU, Silvio de. Entrevista a Oswaldo Mendes. Folha de S.Paulo, São Paulo, 6 set. 1981.
  • CAETANO, Daniel. Silvio de Abreu. Filme Cultura, Rio de Janeiro, n. 51, p.32-36, jul. 2010.
  • CUNHA, Maria Carneiro da. Pornô metido a intelectual. Movimento, São Paulo, p.24, 19-25 out. 1981.
  • DIRANI, Zenia Cazzulo. Mulher-objeto, um título bem dado. Correio do Povo, Porto Alegre, 15 nov. 1981. p.4.
  • MENDES, Oswaldo. O filme romântico de um artista da simplicidade. Folha de S.Paulo, 6 set. 1981. p.38.
  • SCHILD, Susana. Inversão de papéis. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 2 nov. 1981. Caderno B, p.2.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: