Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Artes visuais

Edifício do Teatro Cultura Artística

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 12.11.2021
1942
Localizado na rua Nestor Pestana, na região central de São Paulo, o Teatro Cultura Artística (TCA) é um projeto dos arquitetos Rino Levi (1901-1965) e Roberto Cerqueira César (1917-2003), do escritório Rino Levi. Pelas características inovadoras em acústica, visibilidade e integração com as artes, torna-se um marco na história da arquitetura mod...

Texto

Abrir módulo

Localizado na rua Nestor Pestana, na região central de São Paulo, o Teatro Cultura Artística (TCA) é um projeto dos arquitetos Rino Levi (1901-1965) e Roberto Cerqueira César (1917-2003), do escritório Rino Levi. Pelas características inovadoras em acústica, visibilidade e integração com as artes, torna-se um marco na história da arquitetura moderna brasileira. É considerado, na época de sua inauguração, o mais avançado teatro brasileiro e, desde então, uma das melhores salas de concerto do país.

O teatro é fruto de aspirações da Sociedade de Cultura Artística (SCA), instituição da elite paulistana que promove saraus e recitais e, desde 1919, deseja ter uma sede própria. Projetado em 1942, é inaugurado em 1950, com concertos dos maestros brasileiros Heitor Villa-Lobos (1887-1959) e Camargo Guarnieri (1907-1993). Desde então, a obra é divulgada em várias revistas internacionais, como L’Architecture d’Aujourd’Hui, Architectural Review e Domus, sendo elogiada pela concepção, qualidade acústica e pelos dois auditórios superpostos – as salas Esther Mesquita, com 1156 lugares, e a Rubens Sverne, com 339. 

É o ápice de uma série de projetos de Rino Levi que contam com elaborados estudos de reverberação e qualidade de som. Iniciados em 1936, com o cine Ufa-Palácio, e consolidados no TCA, esses estudos se inspiram nos princípios acústicos pesquisados pelo físico estadunidense Wallace C. Sabine (1868-1919).

O projeto situa o palco no fundo (a parte mais estreita) do lote, o que lhe confere forma quase triangular. Como um leque, dispõe a plateia a partir de um eixo central do palco, de frente para a Rua Nestor Pestana, o que dá à última fileira uma leve curvatura, que se espelha na fachada e acompanha o traçado da rua. A elevação da plateia cria espaço para o hall de entrada e uma segunda sala menor, enquanto o foyer do piso intermediário, com pilares recuados, se transforma em ponto de observação da cidade.

Adotando o traço marcante da arquitetura moderna brasileira de integrar as artes, os arquitetos inserem, na fachada curva do teatro, um painel do artista brasileiro Di Cavalcanti (1897-1976). Intitulado Alegoria das artes e selecionado em concurso promovido pela SCA, o maior painel já feito pelo artista mede 48 metros de comprimento por oito de altura, é composto por 26.000 pastilhas de vidro e retrata as musas gregas inspiradoras das artes e das ciências.

Depois da inauguração, o teatro funciona por alguns anos, mas logo é alugado para a TV Excelsior, que o devolve em péssimas condições, em 1970. A Sociedade solicita projeto de reforma ao escritório Rino Levi, no qual os sócios Luiz Roberto Carvalho Franco (1926-2001) e Roberto Cerqueira César, com consultoria do especialista em cenotecnia Aldo Calvo (1906-1991), propõem aumentar o palco criando um fosso para a orquestra (não executado) e, assim, criar um retropalco. Na reforma, eliminam-se alguns acessos e algumas fileiras de assentos. O TCA é reaberto em 1977 com cerca de 1100 assentos, 400 a menos. Intervenções posteriores são feitas a intervalos regulares, atendendo a exigências da prefeitura. O arquiteto Paulo Bruna (1941) participa de todas elas.

Em 17 de agosto de 2008, um incêndio começa no palco e destrói o teatro até as portas corta-fogo. O fundo da plateia, formado por parede dupla para evitar ruídos externos, permite salvar o mosaico de Di Cavalcanti. A SCA decide demolir os remanescentes do edifício e contratar um novo projeto, dividindo a recuperação em duas fases: a restauração da fachada e do painel, completada em 2011 pela arquiteta portuguesa Isabel Ruas, da Oficina de Mosaicos, e premiada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em 2012; e a construção de um novo teatro, projetado por Paulo Bruna. Por segurança, o arquiteto cria uma grande plataforma metálica para travar e fixar o painel. Após o incêndio, o processo de tombamento do Teatro é aprovado nas três esferas governamentais, além de ter seu projeto de restauração aprovado.

As soluções inovadoras, os traços racionalistas e sóbrios dos autores, a integração entre arte, arquitetura, ciência e tecnologia, além da valorização do espaço urbano e dos pedestres, determinam a importância do Teatro Cultura Artística. Soma-se a isso o uso pioneiro de estudos acústicos para definição da forma arquitetônica, o perfeccionismo e o importante papel do escritório Rino Levi nessa produção.

Fontes de pesquisa 15

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: