Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Ed Mort

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 07.01.2020
1996
Ed Mort é o terceiro longa-metragem de Alain Fresnot (1951), cineasta francês radicado no Brasil. O personagem, criado pelo escritor Luis Fernando Verissimo (1936), é uma paródia brasileira dos detetives de histórias estadunidenses. O diretor utiliza como base a revista em quadrinhos Ed Mort Procurando o Silva, com texto de Verissimo e desenho d...

Texto

Abrir módulo

Ed Mort é o terceiro longa-metragem de Alain Fresnot (1951), cineasta francês radicado no Brasil. O personagem, criado pelo escritor Luis Fernando Verissimo (1936), é uma paródia brasileira dos detetives de histórias estadunidenses. O diretor utiliza como base a revista em quadrinhos Ed Mort Procurando o Silva, com texto de Verissimo e desenho de Miguel Paiva (1950). O projeto do filme inicia-se em 1989, mas é finalizado apenas em 1996, por causa da crise que o cinema brasileiro atravessa durante o governo de Fernando Collor de Mello (1949). 

Ed Mort aposta em um gênero bem-sucedido – a comédia –, com atores conhecidos nos papéis principais: Paulo Betti (1952), Cláudia Abreu (1970), Otávio Augusto (1945) e Ary Fontoura (1933). O filme conta com participações especiais como Chico Buarque (1944), José Mojica Marins (1936) e Cauby Peixoto (1931-2016) – para o papel de Silva, personagem que assume diversas facetas, todas dubladas por José Rubens Chachá (1954).

Na história, o detetive falido Ed Mort é contratado por Dayse, para encontrar seu marido Silva, misterioso mestre dos disfarces. Ao mesmo tempo, investiga o sumiço de Durvalzinho, menor abandonado desaparecido depois de frequentar o programa televisivo infantil de Cibele, filha de Silva. Durante a investigação, Ed Mort descobre que Silva cria uma forma de fazer salsichas nutritivas e baratas para sua empresa, a Delbono. A companhia, chefiada por Nogueira, patrocina Cibele e controla o policial Mariano. Na trama, o protagonista é enganado por todos os personagens e termina sozinho e sem dinheiro, como no início do filme, enquanto os criminosos fogem livres do país.

Ed Mort alia a comédia de costumes à sátira social. Para isso, Fresnot constrói uma paródia de romances policiais dos estadunidenses Raymond Chandler (1888-1959) e Dashiell Hammet (1894-1961), inspirada nos filmes noir protagonizados pelo ator Humphrey Bogart (1899-1957). A caracterização da obra, entretanto, tende à chanchada: o modelo narrativo idealizado do cinema americano cede lugar a uma versão precária e subdesenvolvida, com personagens de moral duvidosa. O personagem Ed Mort, por exemplo, representa a imagem do brasileiro. O humor do filme, porém, não se restringe à paródia.

Os roteiristas Fresnot e José Rubens Chachá preservam as características do texto de Verissimo: o jogo de palavras – a começar pelo nome do personagem, trocadilho com a expressão “É de morte” – e a quebra de expectativa da narrativa. Na cena de discussão entre Nogueira e Mort, por exemplo, o empresário ordena a seus capangas que se livrem do detetive: “Rapazes, levem ele prum passeio”. Carregado pelos guarda-costas, Mort retruca: “Você está cometendo um grave erro, Nogueira!”. Essa fala prepara o desenvolvimento de uma cena típica nesse tipo de trama: o herói do filme descobre a vilania de seu opositor e promete vingança. Entretanto, a sequência da cena é inesperada. Mort esclarece o erro de Nogueira: “Não é ‘Levem ele’; é ‘Levem-no!’”. Nesse momento, a expectativa do clichê é interrompida com um comentário inusitado – o erro é gramatical (forma), sem relação lógica com a narrativa (conteúdo) – para a construção do humor.

A cena também explicita a crítica social de Fresnot. O empresário sequestra menores abandonados, engorda-os e transforma-os em salsichas. Para realizar essa operação, aproveita-se do programa de Cibele, que recruta crianças órfãs para compor o público figurante. Nogueira classifica sua ação como filantrópica, pois tira potenciais bandidos das ruas e protege a sociedade. Mas o empresário não atua sozinho: em conluio com ele, estão o chefe de polícia, cotado para ser Secretário da Segurança, que oculta os desaparecimentos, e a mídia de entretenimento infantil, justificando o patrocínio da Delbono. Fresnot satiriza o poder da televisão na produção de “enlatados”, ridicularizados no palco e na platéia1.

A maneira como o diretor apropria-se da paródia e da sátira provoca os comentários da crítica. Hugo Sukman (1970), do jornal O Globo, elogia Fresnot por ter como “único objetivo satirizar o brasileiro, esse malandro-otário”2. Marcelo Coelho (1959), da Folha de S. Paulo, questiona o objeto da sátira: “[Ed Mort] Goza dos brasileiros quando pretendem ser bogartianos; mas com isso faz mais um espetáculo de autopunição do que de paródia”3. No mesmo jornal, Inácio Araújo (1948) ressalta que o problema resvala em como o diretor filma. Segundo o crítico, Fresnot opta por planos fechados nos atores, o que imobiliza a cena e dá pouca margem a gags visuais eficientes. E arremata: “Se tivesse entregue a realização a um diretor com mais ‘feeling’ para a comédia, as coisas andariam melhor”4.

Notas

1. A canção Fique frente a TV, de Alain Fresnot, feita para o filme e cantada pela personagem Cibele, explicita essa sátira: “Fique frente a TV / Coma frente a TV / Estude frente a TV / Eu tô te vendo / Durma frente a TV / Dance frente a TV / Viva frente a TV / Eu tô te vendo / Ôooo, ôooo, ôooo / Não saia pra rua, é perigoso / Fique frente a TV e não mude de canal”.

2. SUKMAN, Hugo. Herói brasileiro, esse malandro-otário. O Globo, Rio de Janeiro, 23 maio 1997. Rio Show, p. 11.

3. COELHO, Marcelo. Ed Mort é um macunaíma sem esperteza. Folha de S.Paulo, São Paulo, 11 jun. 1997. Ilustrada, p. 9.

4. ARAÚJO, Inácio. Comédia atrai simpatia com estética de HQ. Folha de S.Paulo, São Paulo, 6 jun. 1997. Ilustrada, p. 13.

Fontes de pesquisa 22

Abrir módulo
  • ARAÚJO, Inácio. Comédia atrai simpatia com estética de HQ. Folha de S.Paulo, São Paulo, 6 jun. 1997. Ilustrada, p. 13.
  • COELHO, Marcelo. Ed Mort é um macunaíma sem esperteza. Folha de S.Paulo, São Paulo, 11 jun. 1997. Ilustrada, p. 9.
  • COELHO, Marcelo. Filme de Alain Fresnot hesita entre o tom de paródia e o realismo. Folha de S.Paulo, São Paulo, 18 jun. 1997. Ilustrada, p. 7.
  • COUTO, José Geraldo. Filme tem trama rocambolesca. Folha de S.Paulo, São Paulo, 1 fev. 1997. Ilustrada, p. 1.
  • COUTO, José Geraldo. O detetive Ed Mort chega às telas procurando o Silva. Folha de S.Paulo, São Paulo, 1 fev. 1997. Ilustrada, p. 1.
  • COUTO, José Geraldo. Personagem mimetiza Gil, Chico e Zé do Caixão. Folha de S.Paulo, São Paulo, 1 fev. 1997. Ilustrada, p. 1.
  • DECIA, Patricia. Verissimo, enfim, no cinemão. Folha de S.Paulo, São Paulo, 6 jun. 1997. Ilustrada, p. 13.
  • FOLHA de S. Paulo. Betti se inspira em Columbo. Folha de S.Paulo, São Paulo, 20 dez. 1995. Ilustrada, p. 10.
  • FOLHA de S. Paulo. Cinemas boicotam estréia de “Ed Mort”. Folha de S.Paulo, São Paulo, 24 maio 1997. Ilustrada, p. 5.
  • FRESNOT, Alain. Alain Fresnot: um cineasta sem alma. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2006.
  • FRESNOT, Alain. “Ed Mort” não é paródia e trata personagens com proximidade. Folha de S.Paulo, São Paulo, 18 jun. 1997. Ilustrada, p. 7.
  • GAMA, Júlio. Estréia de “Ed Mort” é adiada para junho. O Estado de S.Paulo, São Paulo, 23 maio 1997. Caderno 2, p. D4.
  • MAIA, Mônica. Ed Mort leva quadrinho nacional ao cinema. Folha de S.Paulo, São Paulo, 20 dez. 1995. Ilustrada, p. 10.
  • MERTEN, Luiz Carlos. Paulo Betti se transforma em Ed Mort no novo filme de Fresnot. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 22 nov. 1995. Caderno 2, p. D3.
  • NAGIB, Lúcia (Org.). O cinema da retomada: depoimentos de 90 cineastas dos anos 90. São Paulo: Editora 34, 2002. p. 331-333.
  • ORICCHIO, Luiz Zanin. Detetive dos quadrinhos estréia nas telas. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 5 abr. 1996. Caderno 2, p. D4.
  • ORICCHIO, Luiz Zanin. Filme revela-se melhor nos detalhes que no conjunto. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 7 maio 1997., Caderno 2.
  • ORICCHIO, Luiz Zanin. Humor ferino marca “Ed Mort”. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 7 maio 1997. Caderno 2.
  • SQUEFF, Larissa. Alain Fresnot dá vida a Ed Mort. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 18 set. 1995. Caderno 2, p. D4.
  • SQUEFF, Larissa. Alain Fresnot dá vida a Ed Mort. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 18 set. 1995. Caderno 2, p. D4.
  • SUKMAN, Hugo. Herói brasileiro, esse malandro-otário. O Globo, Rio de Janeiro, 23 maio 1997. Rio Show, p. 11.
  • SUKMAN, Hugo. TV atrapalha lançamento de “Ed Mort”. O Globo, Rio de Janeiro, 22 maio 1997. Segundo Caderno, p. 2.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: