Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Antônia

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 06.12.2019
2006
Antônia (2006) é um longa-metragem brasileiro dirigido pela cineasta Tata Amaral (1960). O filme destaca a trajetória de mulheres negras que vivem na periferia de São Paulo e formam um grupo de rap feminino, a despeito do sexismo, racismo e violência.

Texto

Abrir módulo

Antônia (2006) é um longa-metragem brasileiro dirigido pela cineasta Tata Amaral (1960). O filme destaca a trajetória de mulheres negras que vivem na periferia de São Paulo e formam um grupo de rap feminino, a despeito do sexismo, racismo e violência.

O longa-metragem é um drama musical ambientado no bairro de Brasilândia, região carente da zona norte de São Paulo. Os moradores da própria comunidade interpretam os papéis principais.

Trata-se da história de quatro cantoras – Preta [Negra Li (1979)], Barbarah [Leilah Moreno (1984)], Mayah [Quelynah (1982)] e Lena [Cindy Mendes (1984)] – que fazem backing vocals para rappers homens. Um dia decidem se juntar para e formam o grupo Antônia, que começa a ganhar espaço na cena musical. Problemas da vida pessoal das cantoras, como gravidez, briga por ciúmes e chantagem de marido, obrigam o quarteto a se desmanchar. Depois de algum tempo, no entanto, elas retomam a carreira.

O projeto do filme nasce em 1998, quando Tata Amaral é procurada por um representante da prefeitura de Santo André (SP). Depois de assistir a Um Céu de Estrelas (1996), ele convence a diretora a filmar na cidade para falar da nova geração de hip hop. Admiradora do gênero musical, Tata começa a pesquisar o assunto. Dessa pesquisa surge o curta documental VinteDez (2001), espécie de laboratório para Antônia. A administração de Santo André perde interesse pelo projeto, mas Tata consegue viabilizar a produção e acaba filmando em São Paulo, sua cidade natal e cenário de seus filmes.

Este é o terceiro longa de Tata e fecha sua trilogia sobre mulheres: a adulta em Um Céu de Estrelas, a idosa em Através da Janela (2000) e a jovem (representada por um coletivo jovem) em Antônia. Conforme define a própria cineasta, esses filmes representam o amadurecimento, a morte e o nascimento – não no sentido biológico, mas como o despertar social do jovem.

Inicialmente a diretora deseja contar a história de uma garota que, como ela, é mãe e tenta sobreviver por meio de sua arte. Roberto Moreira (1961), corroteirista do filme, sugere que em vez de uma única protagonista, o enredo assuma um grupo como personagem central. Tata aprova a ideia, por achar que essa fase da vida contém um componente coletivo forte. “Me lembrei da minha adolescência, da militância política. É um eu coletivo, e isso também é muito feminino”1.

Na topografia íngreme da Vila Brasilândia, com vielas estreitas e casas sem acabamento, Tata encontra os cenários de que precisa. Tais características podem ser vistas como representação da força feminina e da pobreza de espírito masculina.

Assim como nas obras anteriores, a crítica destaca a tentativa de Tata esmiuçar a alma de São Paulo e do Brasil contemporâneo. Parte importante desse processo se dá pela forma como a diretora retrata o comportamento masculino. Com exceção do personagem Marcelo Diamante, empresário interpretado pelo músico Thaíde (1967), os homens não passam de maridos ciumentos ou de gente briguenta, machista e egoísta. As mulheres parecem sozinhas em um mundo masculino e hostil, exemplifica Luiz Zanin Oricchio: Preta rompe com o marido e decide sustentar sozinha a filha do casal; Lena, que deseja ter um filho, se submete à chantagem do marido e é obrigada a deixar de cantar no grupo.

Outro ponto destacado pela crítica é a escolha de não atores para atuarem no filme, como havia feito Fernando Meirelles (1955) em Cidade de Deus (2002). Segundo o crítico Cassio Starling Carlos, o desempenho deles dá a impressão de que as não estão representando, o que afasta o risco de caírem no estereótipo. Em entrevista ao programa televisivo Provocações, a diretora defende uma nova representação do negro e das pessoas da periferia, até então associados apenas à miséria, à violência, ao tráfico e à doença.

A fotografia também é elogiada pelos recursos típicos do documentário, com recusa dos padrões da beleza, sem temer os close up, e pela representação fidedigna do espaço social.

A estrutura narrativa, no entanto, é questionada. Eduardo Valente considera que o filme procura dar conta de uma quantidade excessiva de temas: maus maridos, gravidez precoce, preconceito, violência e prisão. Segundo ele, o filme apresenta personagens e temas inexplorados, como se fosse o episódio piloto de uma série. O crítico indica como exemplo a cena em que a mãe da personagem Preta [Sandra de Sá (1955)] anuncia um tema problemático que não é desenvolvido no filme.

O longa conquista alguns prêmios de destaque, como melhor filme na Mostra Internacional de São Paulo, no Queer Lisboa (Portugal) e no Festival de Cinema Brasileiro de Paris, além de melhor direção e trilha sonora no Festival de Havana (Cuba).

Antônia dá origem a uma série de TV homônima que vai ao ar pela Rede Globo antes de o filme estrear no cinema. As atrizes são convidadas para vários programas de TV para divulgar a série e o filme, mas o resultado de bilheteria fica aquém do esperado. Título superestimado, esforço de divulgação concentrado na série e lançamento em cinema durante as férias são apontados, na época, como motivo para o fracasso comercial do filme.

Antônia é um filme que aborda de modo realista os problemas sociais, raciais e de gênero enfrentados por mulheres da periferia.

Nota

1. AMARAL, Tata. Tata Amaral. Entrevista a Julio Adamor. São Paulo, ago. 2019.

Fontes de pesquisa 9

Abrir módulo

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: