Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Da Lama ao Caos

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 27.02.2018
1994
Da Lama ao Caos, lançado em 1994, é o disco manifesto que funda o movimento musical pernambucano conhecido como mangue bit ou manguebeat1, conforme difundido pela imprensa. É o disco de estreia de Chico Science (1966-1997) & Nação Zumbi, principal nome da cena ao lado da banda Mundo Livre S/A. Esta, liderada por Fred Zero Quatro (1962), que tamb...

Texto

Abrir módulo

Análise

Da Lama ao Caos, lançado em 1994, é o disco manifesto que funda o movimento musical pernambucano conhecido como mangue bit ou manguebeat1, conforme difundido pela imprensa. É o disco de estreia de Chico Science (1966-1997) & Nação Zumbi, principal nome da cena ao lado da banda Mundo Livre S/A. Esta, liderada por Fred Zero Quatro (1962), que também lança seu primeiro disco, Samba Esquema Noise, no mesmo ano. O encarte de Da Lama ao Caos traz o texto “Caranguejos com Cérebros”, assinado por Fred Zero Quatro  e conhecido como o manifesto do mangue bit. O movimento estabelece uma relação metafórica entre a diversidade do ecossistema mangue (que resulta do encontro da água doce dos rios com a água salgada do mar) com as referências musicais e rítmicas do mangue bit.

Da Lama ao Caos caracteriza-se pela fusão de gêneros. Ritmos nordestinos como maracatu, côco e embolada misturam-se ao punk rock, heavy metal, dub, funk e hip hop. O resultado traduz a estética associada ao mangue bit. O título de algumas faixas também faz referência a outros gêneros musicais. É o caso de “Maracatu de Tiro Certeiro”, citação à faixa “Sure Shot”, do trio norte-americano de hip hop Beastie Boys que, traduzida, significa “tiro certeiro”. “Samba Makossa”, por sua vez, faz referência a “Soul Makossa”, grande sucesso do músico camaronês Manu Dibango (1933). Já “Côco Dub” estabelece conexão entre o côco nordestino e o dub jamaicano.

O disco é lançado pelo selo Chaos, da Sony Music. A gravadora interessa-se pela música de Chico Science & Nação Zumbi após a boa repercussão dos shows em Recife e São Paulo. Em 1993, executivos da gravadora, entre eles o então presidente Roberto Augusto (1950), assistem a um show da banda em Recife. No mesmo ano, Chico Science & Nação Zumbi e Mundo Livre S/A. apresentam-se pela primeira vez em São Paulo, no clube Aeroanta, em show para 700 pessoas, e a mídia local repercute a apresentação. Em agosto, a Sony contrata Chico Science & Nação Zumbi para a gravação de Da Lama ao Caos. A banda é formada por Chico Science (voz), Toca Ogam (percussão e efeitos), Gilmar Bolla 8 (tambor), Jorge Du Peixe (tambor), Gira (tambor), Canhoto (caixa), Lúcio Maia (guitarra) e Alexandre Dengue (baixo).

Os integrantes da banda convidam Arto Lindsay (1953) para produzir o disco mas, o produtor norte-americano não mostra interesse. Aceitam a sugestão da Sony e fecham acordo com Liminha (1951), ex-baixista do gupo Os Mutantes e um dos produtores mais requisitados à época. A dificuldade da produção desse disco é equilibrar o som dos tambores no processo de mixagem e masterização. O som grave dos tambores é uma das marcas do disco. Eles pontuam todos os arranjos como um bumbo de bateria mais pesado em padrões rítmicos e que remetem a gêneros musicais nordestinos como o maracatu. Em músicas como “Da Lama ao Caos” e “Lixo do Mangue”, o peso aumenta com guitarras distorcidas e combinação de acordes que lembram o rock. Já os vocais de Chico Science são, na maioria das faixas, em forma discursiva e rítmica, influência do rap norte-americano, como em “Banditismo Por Uma Questão de Classe”, “Rios, Pontes e Overdrives”, “A Cidade” e “Maracatu de Tiro Certeiro”. 

Com exceção de “Computadores Fazem Arte”, de Fred Zero Quatro , todas as letras são escritas por Chico Science e três delas em parceria: “Rios, Pontes e Overdrives” (em parceria com Fred Zero Quatro), “Maracatu de Tiro Certeiro” (com Jorge Du Peixe) e “Lixo do Mangue” [com Lúcio Maia (1971)]. Elas dissertam sobre temas como o crescimento desordenado de Recife (“A Cidade”), a desilusão amorosa (“Risoflora”) e a mistura de ritmos (“Samba Makossa”). “A Praieira”, um dos grandes sucessos do disco, integra a trilha sonora da novela Tropicaliente (1994), da TV Globo. “Cidade” tem clipe veiculado exaustivamente na MTV Brasil e faz parte da trilha da novela Irmãos Coragem (1995), também da TV Globo.

O projeto gráfico do disco é assinado pela dupla Dolores & Morales: o primeiro segue carreira musical sob alcunha de DJ Dolores (1996) e outro é  o roteirista Hilton Lacerda (1965)

Em 2009, a Nação Zumbi, com Jorge Du Peixe nos vocais, faz uma apresentação comemorativa dos 15 anos do disco, e, em 2013, a banda Mundo Livre S/A. grava as músicas “Cidade”, “A Praieira” e “Samba Makossa”, do repertório de Da Lama ao Caos, no álbum Mundo Livre S.A. Vs Nação Zumbi

Notas

1. Inicialmente, Chico Science sugere o nome mangue para a sonoridade de sua banda. O termo passa a abranger uma cena musical pernambucana e, por conta de uma canção homônima gravada por Fred Zero Quatro e Mundo Livre S/A. no disco Samba Esquema Noise (1994), muda o nome para mangue bit. Por fim, graças às repetidas menções na imprensa, o termo populariza-se como manguebeat.

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • GAVIN, Charles; SOUZA, Tárik de; CALADO, Carlos; DAPIEVE, Arthur. 300 Discos Importantes da Música Brasileira. São Paulo: Editora Paz e Terra, 2008.
  • NATAL, Bruno. Os 100 Maiores Discos da Música Brasileira. Revista Rolling Stone Brasil, São Paulo, out. 2007.
  • TELLES, José. Do frevo ao manguebeat. São Paulo: Editora 34, 2000.
  • ZERO QUATRO, Fred. Caranguejos com Cérebro. In: Da Lama ao Caos. Chaos, Sony music, 1994. 1 encarte CD.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: