Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Fogo Morto

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 01.12.2020
1976
Reprodução fotográfica autoria desconhecida

Fogo Morto [cartaz], 1976
Desenho
61,00 cm x 90,00 cm

Fogo Morto (1976) é o terceiro longa-metragem dirigido por Marcos Farias (1935-1985). Produzido em parceria com a Empresa Brasileira de Filmes S.A.(Embrafilme), é uma adaptação do livro homônimo de José Lins do Rego (1901-1957), publicado em 1943. Seguindo a tendência entre os cineastas do cinema novo de filmar clássicos da literatura moderna br...

Texto

Abrir módulo

Análise

Fogo Morto (1976) é o terceiro longa-metragem dirigido por Marcos Farias (1935-1985). Produzido em parceria com a Empresa Brasileira de Filmes S.A.(Embrafilme), é uma adaptação do livro homônimo de José Lins do Rego (1901-1957), publicado em 1943. Seguindo a tendência entre os cineastas do cinema novo de filmar clássicos da literatura moderna brasileira, Fogo Morto retrata a decadência dos engenhos na região canavieira da Paraíba, no início do século XX, quando passam a ser substituídos por grandes usinas. Com melancolia e usando lembranças da infância e adolescência como material para a criação, o escritor concentra o enredo na tensão gerada pelo avanço da modernidade no interior do Nordeste. Cria personagens cuja desorientação provêm da vida num mundo em declínio.

Farias procura preservar a estrutura narrativa do livro, dividida entre três protagonistas: o mestre Zé Amaro [Jofre Soares (1918-1996)], o latifundiário Lula de Holanda [Othon Bastos (1933)] e o quixotesco capitão Vitorino Carneiro da Cunha [Rafael de Carvalho (1918-1981)]. Zé Amaro é artesão que vive de favores em um engenho e tem uma filha com doença mental. Lula de Holanda, senhor do Engenho Santa Fé, refugia-se na religião católica diante da decadência iminente. Vitorino é um capitão que busca resolver os problemas da região canavieira e ascender socialmente.

O drama inicia-se quando Lula de Holanda expulsa Zé Amaro de suas terras, originando uma disputa pelo poder, que envolve militares, políticos locais e cangaceiros liderados por Antônio Silvino [Fernando Peixoto (1937-2012)]. Os três protagonistas de Fogo Morto perdem o lugar no mundo, tornando-se passado naquele contexto em transformação.

Representando a falta de perspectiva que envolve esses personagens, Marcos Farias constrói sequências marcadas por um ritmo temporal lento e cenas com escassas as ações dramáticas. As tomadas de caráter documental (os bois conduzidos ao curral), a repetição de cenas quase idênticas (o ex-escravo Zé Passarinho assoviando à toa), ou a observação minuciosa dos afazeres cotidianos no canavial (o coronel Lula de Holanda rezando) reforçam o sentimento de monotonia e decadência. Esse tratamento predomina desde a abertura do filme. Por exemplo, na sequência em que o cego Torquato encomenda alpargatas ao mestre Zé Amaro, a câmera detém-se na observação deste em seu ofício e na descrição do casebre onde vive com a filha deficiente. Enquanto isso, apresenta, em montagem paralela, cenas do personagem Passarinho, dançando em frente a um riacho e chupando cana em um canavial.

Embora seja um dos aspectos mais atraentes de Fogo Morto, esse tratamento da monotonia é visto com desconfiança pela maioria da crítica jornalística contemporânea ao filme. Oscar Guilherme Lopes, no semanário Opinião, observa, com restrições, a tendência de privilegiar a fala e a narração em voz over em detrimento da ação: "A falta de perspectivas próprias levará as personagens a substituir a ação pela fala. Daí a prevalência que a palavra – recurso literário – assume sobre a imagem no filme de Marcos Farias. E, quase sempre, mesmo quando se dirigem aos outros, os personagens falam para si mesmos. Eles se fecham sobre si mesmos (...). A interferência da voz do narrador é um recurso literário utilizado para contar o que a imagem não foi capaz de mostrar"1.

O crítico José Carlos Avellar (1936-2016) concorda com essa análise: "Na maior parte dos casos as coisas que os personagens fazem em cena esclarece pouco sobre eles mesmos. [...] É muito provável que as situações só se liguem com coerência para o espectador que tenha lido o romance antes de ir ao cinema, porque o filme elimina informações a rigor necessárias [...] [procurando] na maior parte do tempo envolver o espectador numa atmosfera em lugar de levá-lo a participar de uma história"2.

Apesar das restrições, a crítica elogia a fotografia do filme – feita sem iluminação artificial – e o trabalho cenográfico realizado por Raquel Sisson. A minuciosa pesquisa sobre a ambientação e as vestimentas na região canavieira ficcionalizada por José Lins do Rego é publicada no livro Cenografia e Vida em Fogo Morto (1977) pela Embrafilme e editora Artenova. Em consequência da recepção pouco entusiástica da imprensa, Marcos Farias publica em 10 de dezembro de 1976, na revista Opinião, a carta "Todo filme brasileiro é bom". Nela, sugere aos jornalistas que celebrem como vitória a ocupação do mercado interno de exibição cinematográfica por qualquer filme nacional, independentemente de sua qualidade, contra o domínio do cinema norte-americano. O filme estreia no Rio de Janeiro em novembro de 1976, entrando em cartaz em São Paulo em maio do ano seguinte.

Notas

1 LOPES, Oscar Guilherme. Cinema em fogo brando. Opinião, São Paulo, 6 nov. 1976.

2 AVELLAR, José Carlos. Memória visual. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 26 nov. 1976.

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • AVELLAR, José Carlos. Memória visual. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 26 nov. 1976.
  • FARIAS, Marcos. Todo filme brasileiro é bom. Opinião, São Paulo, n. 214, 10 dez. 1976.
  • LOPES, Oscar Guilherme. Cinema em fogo brando. Opinião, São Paulo, n. 212, 26 nov. 1976.
  • O ESTADO de S. Paulo. “FOGO morto” estréia no circuito paulista. Estado de S. Paulo, São Paulo, 19 mai. 1977.
  • REGO, José Lins do. Fogo Morto. Rio de Janeiro: José Olympio, 1996.
  • SISSON, Rachel. Cenografia e vida em Fogo morto. Rio de Janeiro: Artenova, Embrafilme, 1977.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: