Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Lúcia McCartney, uma garota de programa

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 04.10.2020
1971
Segundo longa-metragem de David Neves (1938-1994), baseado em “Lúcia McCartney” e “O Caso de F.A.”, dois contos de Rubem Fonseca (1925), também autor do roteiro. O cineasta procura um diálogo próximo com o público. Declara: “gostaria de fazer um tipo de cinema até mais convencional”, dentro de “um esforço sobre-humano para compreender as coisas....

Texto

Abrir módulo

Análise

Segundo longa-metragem de David Neves (1938-1994), baseado em “Lúcia McCartney” e “O Caso de F.A.”, dois contos de Rubem Fonseca (1925), também autor do roteiro. O cineasta procura um diálogo próximo com o público. Declara: “gostaria de fazer um tipo de cinema até mais convencional”, dentro de “um esforço sobre-humano para compreender as coisas. E para ser normal”1

Os dois contos têm como tema a prostituição. No primeiro, uma garota de programa apaixona-se por seu cliente; no segundo, um cliente fica obcecado por uma garota que ele encontra em um bordel de onde deseja retirá-la. David Neves prolonga um conto no outro, tendo como cenário a zona sul do Rio de Janeiro.

Lúcia McCartney [Adriana Prieto (1950-1975)] é uma jovem órfã, que lê Fernando Pessoa e histórias em quadrinhos, ouve The Beatles – inspiração para o apelido –, e que não gosta de promiscuidade. Tem amigos de praia, boate e diversão, já dormiu com dois deles, mas ninguém sabe seu ofício. Em um de seus programas, conhece José Roberto [Albino Pinheiro (1933-1999)], empresário de São Paulo por quem se apaixona. Ele desaparece, e ela, enquanto aguarda o retorno de seus telefonemas, lamenta o abandono, visita os tios em São Paulo, muda-se de apartamento com  uma amiga e procura notícias do ex-cliente.

A amiga, realista e direta, sabe que Lúcia está equivocada. José Roberto é um homem que busca possessão física e espiritual das amantes por apreciar fazê-las sofrer. Por meio de uma carta, descreve o encontro com outra mulher e, tempos depois, deixa um cheque de despedida com a amiga de Lúcia.

 McCartney, vitimada pelo jogo do amor, sente ciúmes, saudades, solidão e culpa pela vida que leva. De frente para a câmera, enquanto se despe, enumera os motivos que conduzem uma mulher à prostituição e as justificativas que a mantém no ofício: falta de dinheiro, gosto pela coisa, desemprego, um filho para criar, salário alto, um emprego como qualquer outro. 

Uma grande seta branca em meio à tela preta demarca a passagem da primeira para a segunda história. Nesta, Orlandino [Nelson Dantas (1927-2006)] procura os serviços profissionais de Paulo Mendes [Paulo Villaça (1933-1992)], advogado e detetive. Orlandino conhece uma garota em um bordel mas não consegue reencontrá-la, porque fica sabendo que ela é coagida pela cafetina Gisele [Odete Lara (1929-2015)] e seus capangas. Deseja retirá-la do local promíscuo antes que ela se corrompa e dar-lhe proteção como pai ou amante.

Enquanto arrola os dados e procura extrair de um informante detalhes do bordel, Paulo Mendes investiga o caso no próprio local e com as garotas agenciadas por Gisele. Com a ajuda de um lutador de artes marciais, arma um ataque contra a casa e resgata a jovem. Paulo percebe a vigarice da garota e adverte Orlandino, mas este continua a desejá-la.

A justaposição das duas histórias é feita por meio de uma rápida aparição de Paulo Mendes na primeira e pelo reaparecimento de Lúcia na segunda. Ela é a jovem resgatada por Paulo Mendes. Na cena final, o reencontro entre Lúcia e a amiga explicita o elo temático.

O prolongamento de uma história na outra é complexo. Existe unidade de estilo, obtida com recursos já incorporados no cinema moderno: alternância entre colorido (sépia ou preto e branco) em uma mesma cena; utilização do negativo e não das imagens reveladas; congelamento de fotogramas, escurecimentos, uso da câmera lenta, substituição de alguns diálogos por legendas escritas, cortes bruscos da música entre uma cena e outra.

David Neves procura uma afinidade com a literatura de Rubem Fonseca, que mistura formas de narração em uma mesma trama, e investiga o próprio cinema. Estabelece uma comparação entre o cinema, o amor desejado e a prostituição, baseado em uma frase de Paulo Emilio Salles Gomes (1916-1977), citada na abertura do filme: “as necessidades que o cinema e a prostituição satisfazem são as mesmas (...) Dizer que os espectadores entram no cinema como vão, ou iriam, ao bordel, não deixa de ser chocante (...) Tenho a impressão de que meus propósitos ficarão mais claros e menos chocantes se, invertendo agora a maneira de ver as coisas, eu lembrar que com muita frequência os homens vão ao bordel como vão ao cinema”.

Espectador e protagonista experimentam as mesmas reações amorosas: o tempo de espera, a solidão diante do espetáculo, a vontade de compreender o que o outro diz, a fantasia que aproxima a plateia da tela, as alterações de sentimentos durante o transcorrer da projeção.

O sentimento do cliente pela prostituta desprotegida é a descrição de um imaginário masculino e a prova de que a necessidade de suprir o amor passa pela criação de uma fantasia, que o cinema e os encontros de prostituição fornecem. Filme e bordel são brincadeira, fantasia, amor, gozo e fruição, em intervalo de tempo determinado.

A crítica da época não se deixa encantar pelo filme. Luiz Carlos Merten (1945), por exemplo, privilegia a representação naturalista do tema e reclama que “David estica as cenas, cenas que têm por objetivo a captação do natural e do espontâneo dos personagens no seu cotidiano, além dos limites da paciência do espectador”2. Já Alberto Shatovsky considera que o cineasta  “quis estreitar a distância entre o cinema intimista e o espetáculo aberto à receptividade popular”, tendo como resultado uma “desarmonia [que], ainda assim, não chega a desfigurar sua intenção crítica”3.

Outros preferem comparar a adaptação com o original literário. Sérgio Augusto (1942) afirma que “David respeitou o mais que pode o texto original mas seu filme quase nunca sugere que a obra que lhe serviu de inspiração é uma pequena obra-prima literária”4. Geraldo Magalhães, por sua vez, elogia o distanciamento entre as duas linguagens: “David Neves teve campo aberto para recriar a seu modo a história e ganhou pontos (...) É o que está mais que provado: a literatura e o cinema têm caminhos divergentes”5.

A censura restringe as cenas de sexo, transformando os 84 minutos de projeção em 65 minutos. A cópia disponível possui 71 minutos, indicando que alguns dos cortes impostos são recuperados.

Nada se sabe sobre a aceitação do filme no mercado, embora matérias jornalísticas procurem agregá-lo ao sucesso do livro. É uma produção econômica, com poucas locações. 

Notas

1 HORTA, João Carlos. David Neves e Rubem Fonseca falam de Lúcia Mc Cartney. Filme Cultura, Rio de Janeiro, ano IV, n. 18, p. 27, jan./ fev. 1971.

2 MERTEN, Luiz Carlos. Um sonho de cinema. Porto Alegre: Secretaria Municipal de Cultura, 2004.  p. 86.

3 SHATOVSKY, Alberto. As mulheres em tela. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 03 dez. 1971.

4 Citado em Guia de Filmes, Rio de Janeiro, ano V, n. 35, p. 199, set./ out. 1971.

5 Citado em Guia de Filmes, Rio de Janeiro, ano V, n. 35, p. 199, set./ out. 1971.

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • AUGUSTO, Sérgio. Lúcia McCartney. O Pasquim, Rio de Janeiro, 23 nov. 1971. In: Guia de Filmes, Rio de Janeiro, ano V, n. 35, set.-out. 1971, p. 199.
  • CINEMATECA Brasileira. Filmografia brasileira: Lúcia Mc Cartney. Disponível em: < http://www.cinemateca.gov.br/filmografia/ >. Acesso em: 09 mar. 2011.
  • HORTA, João Carlos. David Neves e Rubem Fonseca falam de Lúcia McCartney. Filme Cultura, Rio de Janeiro, ano IV, n.18, p.24-27, jan./ fev. 1971.
  • MAGALHÃES, Geraldo. Lúcia McCartney. O Estado de Minas, Belo Horizonte, 2 set. 1971. In: Guia de Filmes, Rio de Janeiro, ano V, n. 35, p. 199, set./ out. 1971.
  • MERTEN, Luiz Carlos. Um sonho de cinema. Porto Alegre: Secretaria Municipal de Cultura, 2004. [Publicado originalmente em Folha da Manhã, 26 jun. 1970].
  • SHATOVSKY, Alberto. As mulheres em tela. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 03 dez. 1971.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: