Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Sinhá Moça

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 30.10.2017
1953
Sinhá Moça é a terceira realização de Tom Payne (1914-1996) como diretor e o 11° filme da Companhia Cinematográfica Vera Cruz. Payne é um dos primeiros estrangeiros contratados por Alberto Cavalcanti (1897-1982), produtor-geral no início das atividades da empresa paulista. O filme baseia-se no romance homônimo de 1950, escrito por Maria Dezonne ...

Texto

Abrir módulo

Análise

Sinhá Moça é a terceira realização de Tom Payne (1914-1996) como diretor e o 11° filme da Companhia Cinematográfica Vera Cruz. Payne é um dos primeiros estrangeiros contratados por Alberto Cavalcanti (1897-1982), produtor-geral no início das atividades da empresa paulista. O filme baseia-se no romance homônimo de 1950, escrito por Maria Dezonne Pacheco Fernandes (1910-1998), roteirizado pela própria autora e Payne.

A história é ambientada no período que precede a abolição da escravatura no Brasil, em 1888. Sinhá Moça, interpretada por Eliana Lage (1928), é filha de um grande proprietário de terras e escravos. Ela regressa à fazenda paterna depois de um período de estudos na cidade de São Paulo. Influenciada pelos ideais antiescravagistas, entra em conflito com o pai. A luta de Sinhá Moça pela causa é apoiada por outros membros da comunidade local, como frei José [Eugênio Kusnet (1898-1975)] e o advogado Rodolfo [Anselmo Duarte (1920-2009)]. Entre os abolicionistas da região, o posicionamento da jovem é visto como estratégia política para impedir que o conflito entre escravos e senhores se agrave, evitando confronto direto que os levaria a uma guerra civil. Por isso, agem como uma sociedade secreta, que procura ganhar tempo a fim de que venha do Império a lei que termine com esse sistema. Assim, Rodolfo assume um duplo papel: em público, adota discurso favorável à escravidão; à noite, disfarçado, auxilia os cativos a fugirem da senzala. O embate também ocorre nas relações pessoais, pois Rodolfo se apaixona por Sinhá Moça. Em virtude da posição assumida diante da sociedade, não pode transmitir à amada seus sentimentos sobre a escravidão, o que aumenta a tensão entre os dois. O desfecho ocorre no julgamento de um escravo recapturado. Rodolfo é o advogado, mostrando ao povo sua verdadeira face em defesa calorosa da abolição. Tal desfecho permite que o amor de Rodolfo e Sinhá Moça se concretize. As imagens finais são as da festa popular que toma conta do povoado e as do casal enamorado.

Na sequência que trata do castigo imposto a Fulgêncio, escravo que se rebela, a cena abre-se com o primeiro plano de um negro liberto muito velho que, sentado à beira de uma praça, vende doces. A referência aqui é à lei dos Sexagenários (1865), que alforria os escravos com mais de 60 anos, deixando-os à própria sorte. A câmera desloca-se vagarosamente até fechar no símbolo da tortura: o pelourinho. Em montagem paralela, acompanhamos uma missa dirigida por frei José e assistida por Sinhá Moça, dentre outros personagens. Ao fundo, nas últimas fileiras, os escravos, com destaque para Sabina [Ruth de Souza (1930)], mulher de Fulgêncio. Enquanto o marido de Sabina recebe as chibatadas, frei José prossegue com a missa em latim. Depois que Sabina se lança aos pés do frei, ele convida os fiéis a pedir perdão a Deus pelo pecado cometido. O som das chibatadas preenche os espaços mostrados pela câmera: o oficial de justiça que, em seu gabinete mexe em papéis e o guarda que lustra seus sapatos; frei José e Sinhá Moça, exasperados com a situação e desespero de Sabina. Morto, o corpo de Fulgêncio é retirado do tronco. Em plano geral, a praça é mostrada. Um movimento de câmera foca o idoso apresentado no início. O primeiro e o último planos desta sequência caracterizam-se, por correspondência, à história representada. As cenas mostram as forças mobilizadas a fim de que a brutal situação mude.

Há no filme referências ao cinema americano clássico, ligação coerente com o projeto estético da Vera Cruz. O tratamento plástico e a composição de Sinhá Moça, por exemplo, remetem a E o Vento Levou (1939), de Victor Fleming (1883-1949). Rodolfo disfarçado evoca o personagem de Zorro, tornado célebre com A Marca de Zorro (1940), de Rouben Mamoulian (1897-1987).

Sinhá Moça é um dos filmes de maior êxito da companhia. Alguns de seus aspectos são  bem recebidos pela crítica da época, que elogia a atuação dos atores negros e o tratamento dado ao tema histórico. Luiz Carlos Bresser Pereira (1934), em O Tempo, considera-o a melhor realização da Vera Cruz por apresentar uma história dramática com solidez, embora acredite que o Brasil ainda não tenha atingido o cinema artístico. Na revista Anhembi, a crítica ressalta o “assombroso” progresso técnico que salta aos olhos e as virtudes técnicas e artísticas. Contudo, condena os lugares comuns do roteiro. As ressalvas variam conforme o crítico. Por vezes, o alvo é a direção de Payne. Em outros casos, a qualidade do livro adaptado.

Entre os autores contrários à obra, destacamos Pedro Lima (1902-1987), que considera o roteiro inconsistente e arrastado, além de criticar o final da trama, que lembra a apoteose dos filmes americanos. Já para os críticos favoráveis ao longa, como Salvyano Cavalcanti de Paiva (1923-2011) e Flávio Tambellini (1925-1976), Sinhá “merece ser visto” porque as virtudes são maiores que os defeitos, tônica comum nas críticas dos defensores do cinema brasileiro. Tambellini ressalta o desequilíbrio entre fio condutor, cenário, realização e diálogos, mas frisa as “estupendas sequências dramáticas de calor humano”. Acredita que para o país ter um bom cinema é preciso mostrar o heroísmo de homens como Fulgêncio, sem a preocupação de um final feliz. No mesmo ano, George Sadoul (1904-1967) lembra que apesar do caráter melodramático, o filme de Payne mostra algo que Hollywood de E o Vento Levou não retrata: os negros acorrentados e chicoteados até a morte. Em 1954, o filme ganha dois prêmios internacionais, o Leão de Bronze no Festival de Veneza e o Urso de Prata no de Berlim.

Fontes de pesquisa 9

Abrir módulo
  • ANHEMBI. Sinhá Moça. Anhembi, São Paulo, jul. 1953.
  • GALVÃO, Maria Rita. Companhia Cinematográfica Vera Cruz: a fábrica de sonhos: um estudo sobre a produção cinematográfica industrial paulista. Tese (doutorado em Teoria Literária e Literatura Comparada) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de Sâo Paulo, São Paulo, 1975. p. 771.
  • LIMA, Pedro. Sinhá Moça. O Jornal, Rio de Janeiro, 11 jun. 1953.
  • PAIVA, Salvyano Cavalcanti de. Sinhá Moça. Manchete, Rio de Janeiro, 4 jul. 1953.
  • PEREIRA, Luiz Carlos. Equilíbrio de Sinhá Moça. O Tempo, Belo Horizonte, 19 mai. 1953.
  • PEREIRA, Luiz Carlos. Situando Sinhá Moça. O Tempo, Belo Horizonte, 18 mai. 1953.
  • RODRIGUES, João Carlos. O negro brasileiro e o cinema. Rio de Janeiro: Pallas, 2001.
  • SADOUL, George. Neorrealismo no Festival de Veneza. In: SADOUL, George. Lettres Françaises (artigo arquivado como Sinhá Moça vista por George Sadoul na pasta de recortes de jornais de época sobre Sinhá Moça da Cinemateca Brasileira).
  • TAMBELLINI, Flavio. Sinhá Moça. Diário da Noite, Rio de Janeiro, 25 jan. 1953.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: