Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Baile Perfumado

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 01.12.2020
1996
Baile Perfumado (1996) é um longa-metragem com direção de Lírio Ferreira (1965) e Paulo Caldas (1964). Realizado com apoio do Governo do Estado de Pernambuco, da Eletrobrás e do Banco do Nordeste do Brasil e da Lei Rouanet. Com lançamento oficial em 1997, é um marco da chamada “retomada” do cinema brasileiro. No longa-metragem, alternam-se image...

Texto

Abrir módulo

Histórico

Baile Perfumado (1996) é um longa-metragem com direção de Lírio Ferreira (1965) e Paulo Caldas (1964). Realizado com apoio do Governo do Estado de Pernambuco, da Eletrobrás e do Banco do Nordeste do Brasil e da Lei Rouanet. Com lançamento oficial em 1997, é um marco da chamada “retomada” do cinema brasileiro. No longa-metragem, alternam-se imagens de Super 8 e de vídeo, com uma estética que transita entre o cinema novo e os filmes de ação hollywoodianos. A direção musical é assinada por Paulo Rafael sob influência da cena musical manguebeat1, com a participação de Chico Science (1966-1997). Trabalham na pesquisa do filme o crítico e cineasta Fernando Spencer (1927-2014) e o historiador Frederico Pernambucano. 

A história é baseada em fatos verídicos: o encontro entre o mascate libanês  Benjamin Abrahão (1890-1938) e Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião (1898-1938), interpretados respectivamente por Duda Mamberti (1965) e Luis Carlos Vasconcelos (1954). Narrado pelo personagem de Abrahão em libanês, o filme mescla imagens reais capturadas pelo mascate, em preto e branco, e outras ficcionais, coloridas. Com isso, cria um cenário no qual se alternam as décadas de 1930 e de 1990, o interior nordestino e a capital Recife. A montagem constrói-se com focos entrecruzados. Por um lado, Abrahão decide documentar, em filmes e em fotos, Lampião e seu bando, com o objetivo de comercializar a história do cangaceiro. Por outro lado, apresenta os bailes organizados por Lampião - baile é palavra utilizada pelos cangaceiros para designar a guerra2. A narrativa desenvolve-se em cortes secos entre as cenas, exacerbação da violência e alguns momentos de nítida estilização. O tom documental é fruto da incorporação, no filme, dos registros fílmicos feitos por Abrahão e de seu real encontro com os cangaceiros.  

Embalado pela música pop do Recife, Baile Perfumado constrói uma colagem em que se alternam imagens com tomadas aéreas e ângulos não convencionais, nas quais se apresentam paisagens do sertão e closes dos personagens feitos de baixo para cima. Uma imagem de Lampião como figura proto-revolucionária cede lugar ao ícone pop, como observa o crítico Ismail Xavier (1947). O autor sublinha a interface entre o moderno, trazida pelos estilos de som, montagem e câmera, e a tradição enfatizada pelo tema do cangaço3. A figura pop de Lampião é marcante no longa-metragem. O cineasta Glauber Rocha (1939-1981), por exemplo, cria em Deus e o Diabo na Terra do Sol (1964) a figura do bandido que se aproxima do bandido social, definição do historiador britânico Eric Hobsbawm (1917-2012). Um tipo de justiceiro, potencial agente histórico transformador, fazendo da violência algo próximo da ação revolucionária. Glauber atribui ao personagem Corisco certa vaidade, proveniente de sua sabedoria e disposição para a luta e do desejo por justiça social. Nessa perspectiva, um nexo entre revolta e justiça, vaidade e sacrifício, por meio da qual a violência associa-se a interesses particulares. 

Lampião de o Baile Perfumado é, também, dotado de vaidade, mas numa lógica distinta: sua vaidade revela-se nos produtos de consumo da vida burguesa, como uísque e, como o próprio nome do filme sugere, perfumes. Esses produtos são adquiridos de uma rede de consumo, na qual se articulam cangaceiros e fazendeiros, num jogo de alianças obscuras4. Do mesmo modo, explicitam-se as relações escusas às quais se refere Ismail Xavier. Estabelecem-se trocas entre a cidade e o sertão, que perde o ascetismo e insere-se no consumo. Há conchavos, envoltos em apostas em jogos de carta e regados a bebida importada. 

Nesse cenário, há um proprietário local, cuja atitude desagrada tanto a um coronel quanto à Lampião. Firma-se um negócio velado, por meio do qual Lampião sugere que resolverá a situação. Na sequência, os cangaceiros surgem em poses estáticas prontos para serem fotografados por Abraão. Logo, a câmera traz Lampião ao lado da companheira, Maria Bonita, que arruma seu cabelo. Lampião segura um frasco de perfume, que borrifa em Maria Bonita e em direção à câmera.

Essa cena sugere uma reflexão sobre o papel da imagem em Baile Perfumado. Para José Geraldo Couto (1957) “o filme não é propriamente uma renovação do gênero cangaço, mas uma reflexão sobre a modernização do Nordeste e sobre o papel da imagem (fotográfica, cinematográfica, simbólica) nesse processo”5. Assim, a figura do mascate Abrahão torna-se o fio condutor da história. Como observa Inácio Araujo (1948): 

Lampião, como os policiais ou os coronéis, são fatalidades nordestinas. Abrahão não é. Ele busca a aventura, ao mesmo tempo em que corre atrás do fascínio de Lampião. Ele busca o lucro (sonha em ver essas imagens de Lampião exibidas pelo mundo). Ele busca a vida, em última análise. Existe no "Baile Perfumado" uma mistura de euforia - que diz respeito ao triunfo de Abrahão - e depressão - que diz respeito ao destino dessas imagens, quase todas perdidas. Euforia e depressão que de certa forma duplicam a questão lançada pelos diretores: a modernidade que chega ao sertão (levada pelo cinema de Abrahão, pelos novos equipamentos da volante, pelos perfumes franceses de Lampião) é também o que apressa o fim do cangaço real e o transforma em mito, em história6

Baile Perfumado leva cerca de 80 mil espectadores aos cinemas. É exibido em diversos festivais entre os quais, Cannes, Havana, Toronto, Líbano e São Francisco. Ganha, entre outros, prêmios de Melhor Filme, Melhor Direção de Arte e Melhor Ator Coadjuvante no Festival de Brasília, e Prêmio da Unesco.

Notas

1. Termo que abrange a cena musical pernambucana a partir dos anos 1990. Inicialmente cunhado como mangue, passa a ser chamado mangue bit, pela associação das novas tecnologias/ internet com a cultura tradicional. Populariza-se como manguebeat, graças às repetidas menções na imprensa.

2. SALDANHA, Gabriela Lopes. Geração Árido Movie: o cinema cosmopolita dos anos noventa em Pernambuco. Dissertação (Mestrado em Multimeios) - Instituto de Artes da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2009. p. 31.

3. XAVIER, Ismail. Cinema nacional: táticas para um tempo sem estratégias. Comunicação & Educação: Revista do Departamento de Comunicação e Artes ECA/USP, São Paulo, n.18, 2008. Disponível em: < http://www.revistas.usp.br/comueduc/article/view/36923 >. Acesso em: 12 jun. 2016.

 

 

4. XAVIER, Ismail. Da violência justiceira à violência ressentida. In: Ilha do Desterro, Florianópolis, n. 51, p. 57-58, jul./ dez. 2006.

5. COUTO, José Geraldo. “Baile Perfumado” moderniza sertão. Folha de São Paulo, São Paulo, 11 maio 1998. Ilustrada, p. 5­6. In: CINEMATECA BRASILEIRA(org). Coleção de recortes de jornais e revistas sobre filmes lançados em vídeo no ano de 1998. São Paulo, 1998. 55 documentos. (Anuário 1998). Localização: P. 1998­8/606 (Cinemateca Brasileira).   

6. ARAUJO, Inácio. O aroma do cangaço é recuperado. Folha de São Paulo, São Paulo, 1 ago. 1997. Ilustrada. Disponível em: Acesso em: 2 mar. 2017.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: