Artigo da seção obras Lira Paulistana

Lira Paulistana

Artigo da seção obras
Literatura  
Data de criaçãoLira Paulistana: 1945 | Mário de Andrade
Livro

Análise

Lira Paulistana (1945), conjunto de poemas de Mário de Andrade (1893-1945) publicado no ano de sua morte, é considerado síntese da trajetória poética do autor. As 29 composições, de caráter político, apresentam um sujeito que reflete a respeito de si e do mundo, com base em imagens fornecidas pela vida na capital paulista, como revelam os versos: “A catedral de São Paulo / Por Deus! que nunca se acaba / – Como minha alma”.

Segundo Gilda de Mello e Souza (1919-2005), Lira Paulistana remete a Paulicéia Desvairada (1922), livro que inaugura a maturidade artística do autor e primeira obra a divulgar os pressupostos estéticos do modernismo brasileiro, em especial o uso do verso livre.

A década de 1920 abre caminhos renovadores para que artistas, influenciados pelas vanguardas artísticas europeias, encontrem uma forma adequada ao ritmo e às novidades da cidade em crescimento. É o que se vê nos versos de “Rua de São Bento”, poema de Paulicéia Desvairada

Minha Loucura, acalma-te! 
Veste o water-proof dos tambéns!

Nem chegarás tão cedo 
à fábrica de tecidos dos teus êxtases; 
telefone: Além, 3991... 

Em Lira Paulistana, o poeta volta-se para o passado para compreender seu legado literário e encontrar na cidade de São Paulo um espelho para suas questões. Exemplo dessa identificação é o poema em que o eu lírico, antecipando sua morte, designa onde se devem enterrar partes de seu corpo: 

Quando eu morrer [...]
 
Meus pés enterrem na rua Aurora 
No Paiçandu deixem meu sexo 
Na Lopes Chaves a cabeça 
Esqueçam 

Tratando da morte, tema recorrente no livro, esses versos parodiam composições do romantismo, como “Se eu Morresse Amanhã” ou “Lembrança de Morrer”, de Alvares de Azevedo (1831-1852).

Exemplo da tendência reflexiva que se projeta na cidade é “A Meditação sobre o Tietê”, único poema do livro a receber título. Caracterizado por João Luiz Lafetá (1946-1996) como “testamento poético de Mário de Andrade”, o poema vale-se da imagem do rio Tietê como símile da vida e da atividade artística e intelectual do poeta1.

O rio, inicialmente convite ao confronto com os próprios sentimentos, torna-se imagem do destino do poeta: “Meu rio, meu Tietê, onde me levas? [...] / Me induzindo com a tua insistência turrona paulista / Para as tempestades humanas da vida, rio, meu rio!”, pergunta-se o sujeito. Os versos fazem referência ao fato de que o Tietê volta-se para o interior do país, em vez de correr para o oceano. Aos poucos, compõe-se a noção de que o ofício poético é contraponto à indiferença e à injustiça social: “[água] Que sobe e se espraia, levando as auroras represadas / Para o peito dos sofrimentos dos homens”.

Segundo Lafetá, o tom amargurado de “A Meditação sobre o Tietê” é exemplo da negatividade e da desconfiança que o autor manifesta nas décadas de 1930 e 1940 e contrapõe-se à “consciência eufórica” dos anos 1920. Cristalização desse ponto de vista é a conferência “O Movimento Modernista”, proferida por Mário de Andrade em 1942, no Rio de Janeiro. Segundo o escritor, a pesquisa estética e a consciência nacional são conquistas do modernismo brasileiro, mas “a atualização da inteligência artística nacional” falha: “E apesar da nossa atualidade, da nossa nacionalidade, da nossa universalidade, uma coisa não ajudamos verdadeiramente, duma coisa não participamos: o amilhoramento político-social do homem”.

A reflexão é autocrítica: se, na década de 1930, o autor hesita diante de uma arte meramente engajada, sem preocupação com o apuro formal, na década de 1940, o empenho do artista torna-se valor central para Mário de Andrade. Essa mudança de perspectiva manifesta-se nos poemas de Lira Paulistana. Entre os motivos, estão: a dificuldade de ver para além de preconceitos e ideologias, projetada na metáfora que faz da fina chuva paulistana “timbre triste de martírios” (“Garoa, sai dos meus olhos”); a recusa da poesia superficial, que não retrate “o mal das almas” (“A palavra se inutiliza em brisas calmas”); a exploração do trabalho, presente no poema narrativo dedicado à história de Pedro (“Agora eu quero cantar...”); e a riqueza injustamente conquistada (em “Moça linda bem tratada...”). Há, também, o desencanto provocado pela Segunda Guerra Mundial, presente no poema dirigido a um aviador brasileiro lutando no combate (“Em pleno olho sem pálpebras dás morte, / Armado de morte, cercado de morte, amante da morte”).

Problematizar a realidade social brasileira não implica abdicar da procura por uma linguagem capaz de lhe dar forma. O autor recorre, por exemplo, a recursos tradicionais, como a repetição, para cantar os problemas contemporâneos com simplicidade e despojamento. É o que ocorre no poema sobre um filme do cineasta estadunidense Cecil B. DeMille (1881-1959): o refrão “Rei dos Reis”, repete-se e assume sentido específico em cada estrofe. 

Ao buscar a síntese entre pesquisa estética e interesse social, entre exterioridade e subjetividade, os poemas de Lira Paulistana mostram que Mário de Andrade sempre investiga a arte em geral e a poesia em particular. Se uma composição parece duvidar do valor mesmo da poesia – “Eu nem sei se vale a pena / Cantar São Paulo na lida” –, outra se afirma contra a brutalidade: “Abra-se boca e proclama / Em plena Praça da Sé, / O horror que o nazismo infame / É”. A despeito do desencanto com que o sujeito vê o mundo, o resultado é a necessidade de criação, como afirma o eu lírico no poema de abertura: “Minha viola quebrada, / Raiva, anseios, lutas, vida, / Miséria, tudo passou-se / Em São Paulo”.

Nota

1 O procedimento faz lembrar “Louvação da Tarde”, de Remate de Males (1930), em que um passeio de carro por uma rodovia do interior paulista torna-se tema e metáfora para o eu lírico refletir sobre a própria trajetória, como mostra Antonio Candido (1918) no ensaio “O Poeta Itinerante”.

Ficha Técnica da obra Lira Paulistana:

  • Data de publicação
    • 1945
  • Autores
  • Classificação
    • primeiras edições
  • Idioma dessa tradução da obra:
    • português

Fontes de pesquisa (16)

  • ALVARENGA, Oneyda. Mário de Andrade, um Pouco. Rio de Janeiro: José Olympio; São Paulo: SCET-CEC, 1974.
  • ANDRADE, Mário de. O movimento modernista. In: ANDRADE, Mário de. Aspectos da literatura brasileira. São Paulo: Livraria Martins, 1974.
  • BERRIEL, Carlos Eduardo (Org). Mário de Andrade hoje. São Paulo: Editora Ensaio, 1990. (Cadernos Ensaio, série grande formato, v. 4).
  • BOSI, Alfredo. “O Movimento Modernista” de Mário de Andrade. In: BOSI, Alfredo. Revista Colóquio/ Letras, Lisboa, n. 12, mar. 1973, p. 25-33.
  • CANDIDO, Antonio. O poeta itinerante. In: CANDIDO, Antonio. O discurso e a cidade. 4. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2010. p. 227-246
  • DASSIN, Joan. Política e poesia em Mário de Andrade. São Paulo: Duas Cidades, 1978.
  • FACIOLI, Valentim. Mário de Andrade e a cidade de São Paulo: aspectos. Revista da Biblioteca Mário de Andrade, São Paulo, n. 50, p. 62-79.
  • FONSECA, Maria Augusta. Por que ler Mário de Andrade. São Paulo: Globo, 2013.
  • KNOLL, Victor. Paciente arlequinada: uma leitura da obra poética de Mário de Andrade. São Paulo: Hucitec: Secretaria de Estado da Cultura,  1983.
  • LAFETÁ, João Luiz. A dimensão da noite. São Paulo: Duas Cidades: Editora 34, 2004.
  • LAFETÁ, João Luiz. Figuração da intimidade: imagens na poesia de Mário de Andrade. São Paulo: Martins Fontes, 1986. (Leituras).
  • LIMA, Luiz Costa. Lira e antilira: Mário, Drummond, Cabral. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.
  • LOPEZ, Telê Ancona. Mário de Andrade: ramais e caminho. São Paulo: Duas Cidades, 1972.
  • MAJOR NETO, José Emílio. A Lira Paulistana de Mário de Andrade: a insuficiência fatal do Outro. Tese (Doutorado em Teoria Literária e Literatura Comparada). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006, 275f.
  • SCHWARZ, Roberto. O psicologismo na poética de Mário de Andrade. In: SCHWARZ, Roberto. A sereia e o desconfiado. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1965. p. 1-11
  • SOUSA, Gilda de Mello e. A poesia de Mário de Andrade. In: A ideia e o figurado. São Paulo: Duas Cidades: Editora 34, 2005. (Espírito Crítico). p. 27-36

Como citar?

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo:

  • LIRA Paulistana. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/obra69853/lira-paulistana>. Acesso em: 15 de Dez. 2019. Verbete da Enciclopédia.
    ISBN: 978-85-7979-060-7