Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Olho de Peixe

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 24.01.2017
1993
Olho de Peixe é o disco do cantor e compositor Lenine (1959), em parceria com o percussionista Marcos Suzano (1963), lançado em 1993 pelo selo Velas. É o segundo álbum do compositor e responsável por impulsionar sua carreira. O repertório do disco inclui parcerias com os letristas Lula Queiroga (1960), em O Último Pôr do Sol, Bráulio Tavares (19...

Texto

Abrir módulo

Histórico
Olho de Peixe é o disco do cantor e compositor Lenine (1959), em parceria com o percussionista Marcos Suzano (1963), lançado em 1993 pelo selo Velas. É o segundo álbum do compositor e responsável por impulsionar sua carreira. O repertório do disco inclui parcerias com os letristas Lula Queiroga (1960), em O Último Pôr do Sol, Bráulio Tavares (1950), em Miragem do Porto, Dudu Falcão (1961) em Pedra e Areia, e Paulo César Pinheiro (1949), em Leão do Norte. A produção é de Lenine, Suzano e do engenheiro de som Denilson Campos.

Apesar de ter uma instrumentação enxuta, quase exclusivamente voz, violão e percussão, Olho de Peixe foge da sonoridade comum de duos com a mesma formação. A escolha dos instrumentos de percussão utilizados no disco tem a preocupação de preencher as frequências sonoras por completo: graves, como, por exemplo, pandeiro, tantã, pandeirão, derbak; médias, como reco-reco, lata, moringa; e agudas, com triângulo, ganzá e block, pode-se ouvir esse resultado mais evidente em O Último Pôr do Sol. Suzano é reconhecido por sua técnica de pandeiro, na qual utiliza o instrumento imitando os comportamentos de uma bateria completa, a exemplo de Olho de Peixe ou em Escrúpulo. Aliado ao violão de Lenine, que consegue ser ao mesmo tempo percussivo, com grooves, bordões nas cordas graves e riffes como em Acredite ou Não, e harmônico com escolha de vozes harmônicas que abrem a sonoridade do acorde, como em Miragem do Porto e O que É Bonito?, o resultado é uma escuta de frequências completas em que não se sente a falta de outros instrumentos. Combinados com a mixagem de Denilson Campos, com exemplo de Caribenha Nação / Tuaregue Nagô, esses elementos são importantes para compreender como eles conseguiram preencher o som de Olho de Peixe com apenas a formação de duo. A percussão vem para o primeiro plano do disco e isso se reflete no palco.

A sonoridade do CD mescla ritmos nordestinos, como maracatu e baião, com rock. Essa fusão já havia sido proposta por Alceu Valença (1946) nos anos 1970, mas nos anos 1990 ela é celebrada na cena musical de Recife principalmente por Chico Science (1966-1997) e pela banda Mundo Livre S.A. No entanto, o resultado do som de Lenine e Suzano é diferente do desses grupos e abre uma nova vertente da então música popular brasileira contemporânea, produzida por artistas de Pernambuco.

Na canção Caribenha Nação / Tuaregue Nagô, busca as origens afrodescendentes do Recife e depois, em contexto mais atual, em Leão do Norte, de Lenine em parceria com Pinheiro, tem citação de vários artistas, poetas e músicos de Pernambuco e do norte do Brasil.

A questão do regional e global fica evidente em Mais Além, em que a letra faz referências ao índio norte-americano: “Ao leste das montanhas da nação cherokee / Um índio na motocicleta cruza o deserto / Ao longe o cemitério onde dorme o pai / Mas ele sabe que seu pai não está ali / É mais além”. Essa relação, ao mesmo tempo distante e extremamente próxima, é captada pela grande angular, pelo olho de peixe do autor. A visão horizontal do mundo e seus povos locais é permeada por uma visão mais vertical e existencial do homem e seus próprios conflitos e sua relação com o incerto, a sociedade e tecnologia e a morte, como nos versos: “O astrônomo lunático / Brincando com o sol / Descobre que a distância / Não é mais que um cálculo / É mais, é mais, é mais além” – no qual o cientista se vê sem respostas, em contraposição a versos mais adiante na canção: “O homem sobre a areia como era no início / Roçando duas pedras, uma em cada mão / Descobre a fagulha / Que incendeia o paraíso / E imaginou que havia inventado Deus / É mais, é mais além”.

Essa visão vertical existencial também aparece em O que É Bonito?, na qual o eu-lírico, seus anseios e dúvidas perante um contexto social esmagador, se desnorteia e apenas absorve, como nos versos: “Eu quero tudo / Que dá e passa / Quero tudo / Que se despe / Se despede e despedaça”, a constante insatisfação na qual ter está atrelado a destruir para ter novamente.

Outro tema é a paisagem idílica e da ideia de praia como em A Gandaia das Ondas / Pedra e Areia, no entanto essa natureza não está restrita ao imaginário nordestino, e esbarra por outros lugares, de maneira que via natureza seja possível trafegar por entre fronteiras: “Paguei promessa e fui a pé daqui até Dakar / Praia, pedra e areia, boto e sereia, os olhos de iemanjá / Água, mágoa do mundo, por um segundo achei que estava lá”.

Olho de Peixe é gravado de maneira independente em quatro semanas, bancado pelos próprios artistas, em uma época em que os homes studios não são ainda de fácil acesso e a gravação é analógica e não digital, o que torna a produção independente de um álbum muito caro. O disco gera repercussão e o duo faz turnê pela Europa e também pelo Japão. Por consequência, o trabalho seguinte de Lenine, O Dia que Faremos Contato (1997), é lançado por uma grande gravadora, a BMG.

Mesmo assim, a independência e a liberdade criativa que Olho de Peixe propicia ao artista são um modelo de trabalho para toda a produção seguinte de Lenine. Em 2013, os músicos se reencontram para tocar músicas do CD em comemoração dos 20 anos do disco.

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • ESSINGER, Silvio. Lenine e Marcos Suzano se reencontram no palco para tocar Olho de Peixe. O Globo, Rio de Janeiro, 18 abr. 2013. Disponível em: http://oglobo.globo.com/cultura/lenine-marcos-suzano-se-reencontram-no-palco-para-tocar-olho-de-peixe-8142166. Acesso em: 17 de julho de 2013.
  • FENERICK, José Adriano. A globalização e a indústria fonográfica dos anos 1990. Revista ArtCultura, Uberlândia, vol. 10, nº 16 , p.123-139, 2008.
  • LENINE. Site oficial do artista. Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: < www.lenine.com.br >. Acesso em: 18 jul. 2013.
  • TERRA, Renato. Lenine lança um som. Revista Piauí, São Paulo, ed. 62. nov. 2011.
  • VIANNA, Hermano. Música no plural: novas identidades brasileiras. In: Revista de Cultura Brasileira n.1, p. 299-311, Madri, Embaixada do Brasil na Espanha, mar. 1998.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: