Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Transa

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 07.02.2017
Transa (Philips) é o segundo disco de Caetano Veloso (1942), gravado durante o exílio político em Londres, onde vive entre 1968 e 1971, mas é lançado em 1972, quando ele já está de volta ao Brasil. O show de lançamento ocorre no Teatro João Caetano, no Rio de Janeiro. O trabalho expressa tanto a saudade do país natal, com uma infinidade de refer...

Texto

Abrir módulo

Análise

Transa (Philips) é o segundo disco de Caetano Veloso (1942), gravado durante o exílio político em Londres, onde vive entre 1968 e 1971, mas é lançado em 1972, quando ele já está de volta ao Brasil. O show de lançamento ocorre no Teatro João Caetano, no Rio de Janeiro. O trabalho expressa tanto a saudade do país natal, com uma infinidade de referências à música brasileira e letras que abordam explicitamente a solidão do compositor, quanto absorve as referências da experiência londrina como a descoberta do reggae jamaicano e uma audição mais atenta às bandas de rock britânicas. Jards Macalé (1943) assina os arranjos e toca violão, Tutty Moreno (1947), bateria, Áureo de Souza, percussão, e Moacir Albuquerque, baixo, completam a banda. A produção é do inglês Ralph Mace. Gal Costa (1945) grava vocais secundários em You Don’t Know Me e Neolithic Man. Os músicos que participam da gravação não constam nos créditos do disco. Cinco músicas são cantadas em inglês, todas de autoria de Caetano, e outras duas em português: Triste Bahia, em que o compositor adapta um texto do poeta barroco Gregório de Matos (1636 - 1695), e Mora na Filosofia, de Monsueto Menezes (1924 - 1973) e Arnaldo Passos (ca.1910 - 1964), gravada por Doris Monteiro (1934), em 1954, e sucesso no Carnaval de 1955 na voz de Marlene (1922 - 2014). Nine Out Ten mistura inglês e português num jogo de palavras de determinado trecho que fala sobre “estar vivo”: “I’m alive e vivo / Muito vivo / Vivo / Vivo” (recurso parecido ao usado na música Maria Bethânia (1946), do disco anterior, de 1971).

O LP original traz uma capa desdobrável, que forma um poliedro triangular, concebido pelo produtor baiano Álvaro Guimarães e chamado de “disco-objeto”.

A primeira música do disco, You Don’t Know Me, tem estrutura de balada rock, embalada pelos violões e a letra que expressa a solidão de Caetano em Londres. O arranjo traz trechos incidentais de músicas brasileiras como Maria Moita, de Carlos Lyra (1939); Reza, de Edu Lobo (1943) e Ruy Guerra (1931); A Hora do Adeus, de Luiz Gonzaga (1912 - 1989) e Onildo Almeida; e Saudosismo, uma homenagem à bossa nova composta pelo próprio Caetano e gravada por ele e Gal Costa em 1969. A letra de Nine Out Ten fala sobre a experiência de descobrir o reggae em Londres: “Walk down Portobello Road / To the sound of reggae / I’m alive” (“Descendo a Portobello Road / Sob o som do reggae / Eu estou vivo”). Portobello Road é uma famosa rua londrina, conhecida por reunir grande movimentação cultural desde os anos 1970 até hoje em dia. Antes e depois do fim da faixa, a gravação mostra trechos instrumentais em que os músicos brasileiros tentam tocar a batida do reggae. Triste Bahia combina a melancolia dos versos de Gregório de Matos com a tensão do arranjo, em um diálogo entre baixo e berimbau que se estende por quase dez minutos de música e traz referências de cantos de capoeira e afoxé. It’s a Long Way abre o lado B do LP com referências explícitas aos Beatles (com letra que diz “Woke up this morning / Singing a old Beatles song”, que na tradução significa “acordei esta manhã, cantando uma antiga canção dos Beatles”, e citação a The Long and Widding Road, que o grupo britânico lança no disco Let it Be, de 1970) e mais trechos incidentais de música brasileira: Sodade, Meu Bem Sodade, de Zé do Norte (1908 - 1979); Consolação, de Baden Powell (1937 - 2000) e Vinicius de Moraes (1913 - 1980); e A Lenda do Abaeté, de Dorival Caymmi (1914 - 2008).

O emaranhado de citações, colagens, apropriações e experimentações do disco prefacia o disco mais vanguardista de Caetano, Araçá Azul, lançado no ano de 1972. A sonoridade da obra inaugura um outro jeito de fazer rock brasileiro, diferente das experiências vividas na jovem guarda e no tropicalismo. Transa é gravado, em sua maior parte, ao vivo no estúdio e com os músicos da banda tocando juntos. As faixas You Don’t Know Me e Nine Out Ten têm solos e introduções tipicamente roqueiros, mas com violão no lugar da guitarra elétrica. Em entrevista à publicação Bondinho, em abril de 1972, Caetano comenta a influência que os shows de rock de John Lennon (1940 - 1980) e Yoko Ono (1933), Jimi Hendrix (1942 - 1970) e Rolling Stones, vistos em Londres,  exercem na gravação de Transa.

De volta ao Brasil, Jards Macalé grava seu primeiro disco homônimo, também de 1972, com formação (Macalé no violão e na voz, Tutty Moreno na bateria e Lanny Gordin (1951) no baixo e no violão de aço) e sonoridade semelhantes às de Transa.

Em relação ao primeiro disco do exílio, nota-se uma mudança em relação às letras. Em Caetano Veloso, de 1971, a abordagem é mais triste, como em A Little More Blue e Maria Bethânia. Transa é gravado depois de uma visita de Caetano ao Brasil (em fevereiro de 1971) e, quando volta a Londres, o compositor está mais esperançoso e já consegue compensar os sentimentos de saudade e depressão com o desfrute da agitada vida cultural londrina e a perspectiva de voltar definitivamente ao Brasil.

Na turnê do disco Cê, de 2006, que Caetano grava com um trio de sonoridade roqueira (o guitarrista Pedro Sá, o baixista Ricardo Dias Gomes e o baterista Marcelo Callado), o repertório do bis inclui as duas primeiras faixas de Transa: You Don’t Know Me e Nine Out Ten. 

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • 72 Rotações 3, podcast sobre Transa. Disponível em: < https://soundcloud.com/radiola-urbana/72-rota-es-vol-3-transa >. Acesso em: 15 maio 2012.
  • ABRAMO, Bia. Discoteca Básica – Transa. Bizz, São Paulo, 1987.
  • ALEXANDRE, Ricardo. 1970-1972 – Um conto de duas cidades. Superinteressante especial, São Paulo, 2004.
  • ALMEIDA, Hamilton. Caretano. O Bondinho, abr. 1972.
  • GAVIN, Charles (org.), SOUZA, Tárik de; CALADO, Carlos; DAPIEVE, Arthur. 300 Discos Importantes da Música Brasileira, 1ª edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2008.
  • NATAL, Bruno. Os 100 maiores discos da música brasileira. Rolling Stone Brasil, out. 2007.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: