Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Relato de um certo Oriente

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 07.02.2017
1989
Relato de um Certo Oriente (1989) é o romance de estreia do escritor amazonense Milton Hatoum (1952). Ambientado em Manaus, traz o primeiro registro de questões centrais de seus romances, como as relações entre memória e coletividade e a construção da identidade do imigrante.

Texto

Abrir módulo

Análise

Relato de um Certo Oriente (1989) é o romance de estreia do escritor amazonense Milton Hatoum (1952). Ambientado em Manaus, traz o primeiro registro de questões centrais de seus romances, como as relações entre memória e coletividade e a construção da identidade do imigrante.

O Relato narra a história e os conflitos dos membros de uma família de imigrantes libaneses, centrada na figura da matriarca Emilie. Sua morte motiva a filha adotiva a voltar a Manaus, depois de anos distante, para registrar os depoimentos de pessoas cujo parentesco ou intimidade funcionam como índices inserção social. A memória volta-se para dois acontecimentos: primeiro, a morte prematura de Emir (irmão de Emilie), por suicídio. O fato remete as testemunhas ao passado e à sucessão migratória. Elas relatam as origens da família e os acontecimentos que antecedem a vida no Brasil. Segundo, a morte da neta surda-muda de Emilie, Soraya Ângela, filha bastarda de Samara Délia e razão de um cisma familiar. Com base nesse cisma, delineiam-se as tensões morais e religiosas do clã. O núcleo familiar é formado pela católica Emilie, o marido muçulmano e seus quatro filhos: Samara Délia, Hakim e os dois “inomináveis”, cujos modos indicam a intolerância, a hipocrisia e a amoralidade no seio familiar. Em torno deles, estabelece-se a comunidade heterogênea, composta por pessoas da terra, como a amiga Hindié Conceição e a empregada Anastácia Socorro, e estrangeiros, como o fotógrafo alemão Dorner.

A apresentação dos acontecimentos ocorre em forma de diálogo. Neles, a narradora – filha adotiva de Emilie – entra em contato com outros narradores, como Hakim e Hindié Conceição, ou dá voz a outras personagens, como Dorner e, por meio deste, ao marido de Emilie. A narrativa organizada por ela cobre praticamente um século. Seu posicionamento é anunciado no início e no fim do romance (conferindo-lhe caráter circular), a pedido do irmão, também adotado, por Emilie e residente em Barcelona. Durante esse período, pode-se acompanhar a chegada dos fundadores da família a Manaus no final do primeiro ciclo da borracha e a belle époque da cidade. Esta, remonta à loja de artigos finos A Parisiense, fonte de sustento da família e à formação e consolidação da Cidade Flutuante. Finalmente, chega-se à “praia de imundícies”, tempo presente da narrativa (fins da década de 1980), que apresenta uma cidade empobrecida na qual seus antigos protagonistas já não se reconhecem.   

O desenvolvimento da narrativa implica mais do que a ampliação do horizonte histórico e social do romance. Identificando-se com as perspectivas dos personagens da história, a narrativa mescla-se a um tecido social em que se articulam testemunhos e identidade de cada envolvido. O relatório, tal como concebido pela narradora anônima, torna-se trama em que a memória – espaço da construção de si – surpreende-se com fantasmagorias. Nelas, explora-se o conflito temporal e geográfico. O deslocamento e o choque cultural que marcam as personagens somam-se à fatalidade do passado perdido. Isso ocorre pela consciência da discrepância entre público e privado, inerente à narrativa de Hakim, ou pelo total estranhamento ante a vida, como é o caso de Dorner. Além disso, a autora do relato passa pelo trabalho de invenção de si mesma a que se submetem os imigrantes no esforço de (re)construção de laços afetivos na cidade. Exemplos disso são a expansividade de Emilie, que promove a ascensão de sua empregada Anastácia Socorro à condição de agregada, e, no polo oposto, o fechamento do pai muçulmano na loja familiar. A relatora é internada pela mãe biológica numa casa de repouso em São Paulo, cidade em que vive, após uma crise nervosa. É flagrada, vagando no casarão comandado pela matriarca, buscando sentido no mosaico resultante de seu esforço de edição de notas e gravações.

Hatoum produz em Relato uma narrativa comprometida com um espaço e um modo de vida, associados à construção subjetiva e social das personagens. Pelas vozes que se enredam e lançam luzes umas sobre as outras, Hatoum recupera a ação individual e seu lugar numa coletividade da qual a construção narrativa é a grande metáfora. 

Fontes de pesquisa 3

Abrir módulo
  • CRISTO, Maria da Luz Pinheiro de (org.). Arquitetura da memória: ensaios sobre os romances Dois irmãos, Relato de um certo oriente e Cinzas do norte de Milton Hatoum. Manaus: Editora da Universidade Federal do Amazonas, 2007.
  • GEBALY, Maged Talaat Mohamed Ahmed El. Mobilidades culturais e alteridades em Relato de um certo oriente e sua pré-tradução árabe. 2012. Tese (Doutorado em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.
  • MAQUÊA, Vera Lúcia da Rocha. Memórias inventadas: um estudo comparado entre 'Relato de um certo oriente', de Milton Hatoum e 'Um rio chamado Tempo, uma casa chamada Terra', de Mia Couto. 2007. Tese (Doutorado em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: