Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Zero

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 05.01.2017
1975
Análise    

Texto

Abrir módulo

Análise    
Ignácio de Loyola Brandão (1936) estreia na literatura com o livro de contos Depois do Sol (1965). Zero (1975) é o segundo romance do escritor, publicado após Bebel que a Cidade Comeu (1968).

Em Bebel, inicia-se a experimentação formal, o diálogo com a realidade histórica e social do Brasil dos anos 1970 e a criação do arcabouço documental de Zero. A obra representa a consolidação estilística do autor, resultado do desdobramento da linguagem esboçada anteriormente.

Pode-se dizer que o lugar ocupado por Zero na literatura de resistência à repressão política, tendência predominante na ficção brasileira da época, deve-se à proximidade desse método de criação com o ambiente político. Na época, Brandão trabalha como secretário gráfico do jornal Última Hora, submetido à censura interna desde a eclosão do golpe de Estado que inaugura o regime militar. No decorrer dos anos, recolhe as notícias censuradas no jornal, parte da matéria-prima de Zero. Surge, assim, o germe da notoriedade e inicia-se o difícil caminho de atingir o leitor brasileiro.

Recusado por diversas editoras em 1974, Zero tem a primeira edição na Itália, viabilizada na Universidade de Roma pela professora de literaturas portuguesa e brasileira Luciana Stegagno Picchio (1920-2008). A obra é encaminhada a ela pelo dramaturgo Jorge Andrade (1922-1984), amigo de Brandão. No ano seguinte ao lançamento da tradução italiana, realizada pelo escritor Antonio Tabucchi (1943-2012), o romance é publicado no Brasil e, imediatamente, proibido pela censura do governo militar e liberado apenas em 1979.

Como em Bebel, o retrato de época em Zero é elaborado com experimentações que pulverizam o ponto de vista narrativo e exploram o espaço gráfico da página. Sai de cena a lente realista, evidente, por exemplo, na identificação do espaço ficcional de Bebel a São Paulo e Brasil. Em Zero, a fragmentação narrativa é radicalizada. Constroem-se um método e um espaço narrativos de caráter alegórico, que mostram um embate com a repressão da ditadura militar.

Como se lê na abertura do livro, o enredo se passa “num país da América Latíndia”, nação correspondente à realidade brasileira, porém, distorcida por uma atmosfera catastrófica. A ação também é ensandecida, num “show de horrores” que perpassa todo o livro. No cerne dessa metrópole apocalíptica, encontra-se o anti-herói José, protagonista de várias peripécias. Inicialmente, trabalha como exterminador "de ratos em um cinema poeira". Em seguida, envolve-se em estranhos rituais e frequenta a zona suburbana, animada por um misto de boemia e espetáculos de bizarrices. Mantém um casamento pervertido e violento com Rosa, para, depois, rechaçar a vida burguesa, tornando-se ladrão e assassino inescrupuloso. Finalmente, após juntar-se a um grupo de guerrilheiros, acaba aprisionado em desterro ambíguo, palco de um transe místico que lhe fornece uma revelação transcendente sobre a América. Para o crítico alemão Jörg Drews (1938-2009), “José é apenas uma partícula dentro do caos político e social” construído nas centenas de breves capítulos que compõem o livro como um “mosaico de retalhos narrativos”.

Com isso, explicita-se o flerte com a montagem cinematográfica e o registro múltiplo e veloz dos meios jornalísticos. Isso se traduz nos jogos com formatos e recursos textuais: do uso transgressor da pontuação à inclusão de notícias, desenhos, gráficos e quadros com anedotas e estatísticas; da exploração caricata de onomatopeias a divisões inusitadas do corpo do texto em blocos e à utilização de notas de rodapé em meio à narrativa ficcional. Tudo isso, enfim, como notam os críticos Heloisa Buarque de Hollanda (1939) e Marcos Augusto Gonçalves (1956), a serviço de uma “grande alegoria do estado violentado e desagregado” do país, “produzida pelo clima de opressão que acompanha, em todos os momentos, a narrativa de Loyola”.

Embora proibido no Brasil, Zero recebe, em julho de 1976, o prêmio de melhor ficção, da Fundação Cultural do Distrito Federal. O impacto mais significativo, além do sucesso de vendas das duas primeiras edições (em torno de 6 mil exemplares), é o interesse demonstrado no exterior. Além de Luciana Picchio, a professora Erilde Melillo Reali publica, em 1976, a versão brasileira de seu estudo O Duplo Signo de Zero. Na mesma direção vão comentários mais breves, como o elogioso artigo publicado por Jörg Drews no periódico alemão Suddeutsche Zeitung, em 1980, no lançamento da tradução alemã. Seguem-se, ainda, versões espanhola (1976), norte-americana (1983), coreana (1990) e húngara (1990).

Zero é um marco na ficção brasileira dos anos 1970 desviante. Como retrato social e político de crítica à repressão, vai ao encontro da tendência do romance brasileiro do momento. Diversos comentadores chamam a atenção para a síntese peculiar realizada por Brandão entre o documental e a voz fragmentada, que pode remeter o leitor ao estilhaçamento narrativo de romances como Marco Zero (1943/1945) e Serafim Ponte Grande (1933), do escritor Oswald de Andrade (1890-1954). É o caso, por exemplo, da crítica Flora Sussekind (1955), que aproxima o romance a Quatro-Olhos (1976), de Renato Pompeu (1941-2014), sugerindo que ambos "funcionam como facas afiadas que fraturam o modelo jornalístico da ficção dos anos setenta". Para Sussekind, a contribuição do livro está no fato de que, "enquanto a ideologia naturalista procura, graças a um retrato sem rachaduras, recobrir o que lhe serve de modelo das descontinuidades e dos cortes, Zero se deixa invadir pela dúvida, pela estranheza, pela fratura, desviando-se da falácia de construir uma imagem univocal do país”. 

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo
  • ALMEIDA, Dolores R. Simões. A propósito do romance Zero, de Ignácio de Loyola Brandão. Travessia. Publicação do Programa de Pós-Graduação em Literatura, Universidade Federal de Santa Catarina, n.1, p. 89-94, 1980.
  • BIVONA, Kristal. Tortured text: an analysis of the absents pages of Ignácio de Loyola Brandão's Zero. In: Mester, Los Angeles, v. 42, n. 1, 2013.
  • BRANDÃO, Ignácio de Loyola. Cadernos de literatura brasileira: Ignácio de Loyola Brandão. São Paulo, Instituto Moreira Sales, n. 11, jun. 2001.
  • LIMA, Marcos Hidemi; FLEURY, Andreia. América Latindia De(Zero)icizada. In: Travessias: pesquisas em educação, cultura, linguagem e arte, Cascavel: Universidade Estadual do Oeste do Paraná, v. 2, n. 2. , 2008.
  • REIMÃO, Sandra. Dois livros censurados: Feliz Ano Novo e Zero. In: Comunicação & Sociedade, São Paulo: Universidade Metodista de São Paulo, v. 30, n. 50, 2008.
  • SALLES, Cecilia Almeida. Uma criação em processo: Ignácio de Loyola Brandão e Não verás país nenhum. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1990.
  • SUSSEKIND, Flora. Tal Brasil, qual romance. Rio de Janeiro: Achiamé, 1984.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: