Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Cinzas do Purgatório

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 24.10.2017
1942
A Cinza do Purgatório, primeiro livro brasileiro de Otto Maria Carpeaux (1900-1978), reúne ensaios inicialmente publicados no jornal Correio da Manhã, entre 1941 e 1942. Os textos tratam de obras da literatura europeia com ponto de vista amplo, consideradas em termos de estilo e em relação a seus contextos históricos.       

Texto

Abrir módulo

Análise

A Cinza do Purgatório, primeiro livro brasileiro de Otto Maria Carpeaux (1900-1978), reúne ensaios inicialmente publicados no jornal Correio da Manhã, entre 1941 e 1942. Os textos tratam de obras da literatura europeia com ponto de vista amplo, consideradas em termos de estilo e em relação a seus contextos históricos.       

O livro contém 28 ensaios divididos em três seções: “Profecias”, “Interpretações” e “Julgamentos”. Os títulos indicam dois aspectos relevantes: o humanismo cristão e a realidade sociopolítica do momento. A aproximação com o vocabulário religioso aponta para o humanismo cristão que guia o ponto de vista do autor, manifesto na escolha dos temas e na compreensão de mundo. Em um ensaio como “A Lição de Uma Santa”, a respeito de Santa Teresa D’Ávila, afirma: “A verdadeira história passa despercebida, tranquilamente, no centro da alma humana. Ela finalmente é a mais forte. É a nossa fé”. Já em “Medievalismo” procura mostrar como a Idade Média é um período de “liberdade de pensamento”, no qual a obra de São Tomás de Aquino (1225-1274) é o maior exemplo.

Em segundo lugar, a nomenclatura profética indica a imbricação da obra analisada e a realidade sociopolítica: ao refletir sobre a literatura, o crítico pondera sobre seu próprio conhecimento, de modo a decifrar, no objeto estudado, o tempo presente. Em “A fronteira”, sobre o poeta francês Arthur Rimbaud (1854-1891), escreve: “O poeta diz o que os outros não sabem dizer; mas recusa comunicar-se numa língua que seja a nossa língua. [...] E é muito bom que assim seja: pois a poesia, não sendo deste mundo, é o julgamento do mundo; se o mundo compreendesse a poesia, estaria já julgado”. Neste mesmo ensaio, refere-se a Manuel Bandeira (1886-1968), afirmando que, com ele, a poesia brasileira consegue “o seu lugar na literatura universal”.

Algumas linhas gerais de seu método crítico são comentadas em “Ensaio de Análise em Profundidade”. Sobre a necessidade de considerar as relações entre obra literária e história, superando um ponto de vista limitado aos elementos da criação, afirma: “toda crítica de princípios puramente literários baseia-se num aristocratismo, consciente ou inconsciente, porque o valor literário, assim definido, fica ao alcance só de poucos”. A verdadeira tarefa consiste em explicar o “conteúdo profundo” que se fixa no símbolo literário e supera as intenções do autor.

No texto em questão, discute-se o símbolo da “alma perdida” em A História Maravilhosa de Pedro Schlemihl (1814), narrativa do poeta francês Adelbert de Chamisso (1781-1838), escrita em alemão. A imagem do homem que perde a alma relaciona-se à biografia do autor, que vive exilado, mas a ultrapassa, dando forma a uma “experiência universalmente humana”. Essa experiência é vista no contexto histórico: “Hoje, para dizer a verdade, toda a humanidade está no exílio”, diz Carpeaux, “havendo perdido ou estando ameaçada de perder a sombra exterior”. O ensaísta acena, assim, para um sentido contemporâneo da “alma perdida”, relacionado à ascensão do totalitarismo e à Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Embora procure uma postura crítica não aristocrática, o autor revela uma visão tradicionalista da cultura. Em “A Ideia da Universidade e as Ideias das Classes”, argumenta que o regime escolar da modernidade, voltado para a formação de quadros profissionais, desvaloriza a formação intelectual. O ensino moderna trai a vocação humanística da universidade, que é a de formar homens capazes de refletir sobre seu tempo, porque seu conhecimento não é utilitário. “Todo o problema espiritual dos nossos dias é, pois, [...] um problema pedagógico”, sentencia. Não por acaso, Carpeaux defende um tradicionalismo “ativo”, que assegure a transmissão contínua das grandes obras do passado, com a consciência crítica do presente.

O “impacto renovador” desses ensaios, que mostram “hábitos mentais e pontos de vista diferentes dos que reinavam aqui”, é destacado por Antonio Candido (1918-2017), que menciona ainda o seu caráter informativo, pois apresenta obras pouco conhecidas no país naquela altura. “Franz Kafka e o mundo invisível” é o primeiro escrito no Brasil sobre o autor tcheco. Nomes como o do sociólogo alemão Max Weber (1864-1920) também são divulgados em textos de A Cinza do Purgatório.

Alfredo Bosi (1936), em tom de depoimento pessoal, ilustra a importância de Carpeaux para críticos formados nas décadas de 1940 e 1950: “Posso dizer que, durante anos a fio, não bebi de outra fonte em matéria de crítica literária”. Sobre o mestre, afirma tratar-se do “primeiro grande leitor dialético” no Brasil, pelo modo como considera as relações entre literatura e história.

Essas qualidades antecipam as características centrais de História da Literatura Ocidental, sua obra máxima, com estrutura igualmente dialética e de vocação universalista. Para cada período literário o autor apresenta obras que lhe façam contraponto aos aspectos dominantes. Seu estudo parte dos gregos, passa pelos primeiros séculos do catolicismo e chega ao século XX, abarcando as literaturas europeias e americanas.

Embora tenha sido responsável por apresentar diversos autores da literatura estrangeira, Otto Maria Carpeaux não é visto como um importador. Produz, no Brasil, uma crítica literária de fina sensibilidade e oferece contribuição brasileira aos estudos literários.

Fontes de pesquisa 4

Abrir módulo
  • BOSI, Alfredo. Carpeaux e a dignidade das letras. Céu, Inferno. São Paulo: Ed. 34, 2003.
  • BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. 36. ed. rev. e aum. São Paulo: Cultrix, [1999]. 528 p.
  • BOSI, Alfredo. Relendo Carpeaux. Estudos Avançados, São Paulo, vol.27, n.78, p. 279-290, 2013. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-40142013000200018&script=sci_arttext" >. Acesso em: 23 out. 2015.
  • CANDIDO, Antonio. Dialética apaixonada. In: ______. Recortes. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: