Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Música

Sobrevivendo no Inferno

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 21.09.2021
1997
Sobrevivendo no Inferno, lançado em dezembro de 1997, é o quarto disco do grupo de rap Racionais MC’s. O trabalho é o primeiro do quarteto lançado pelo selo do grupo, Cosa Nostra, com mais de 1 milhão de cópias vendidas. A primeira faixa do disco é uma versão para “Jorge da Capadócia”, de Jorge Ben Jor (1942), do disco Solta o Pavão (1975), regr...

Texto

Abrir módulo

Sobrevivendo no Inferno, lançado em dezembro de 1997, é o quarto disco do grupo de rap Racionais MC’s. O trabalho é o primeiro do quarteto lançado pelo selo do grupo, Cosa Nostra, com mais de 1 milhão de cópias vendidas. A primeira faixa do disco é uma versão para “Jorge da Capadócia”, de Jorge Ben Jor (1942), do disco Solta o Pavão (1975), regravada por Caetano Veloso (1942), em 1975, e Fernanda Abreu (1961), em 1992. Essa é a única regravação registrada pelos Racionais MC’s em sua carreira. Além da referência a Ben Jor, uma constante em toda a carreira do grupo, o disco apresenta vários samples (trechos extraídos e reeditados) de músicas gravadas por artistas de soul e funk norte-americanos, como “Ike’s Rap II”, de Isaac Hayes (1942-2008), em “Jorge da Capadócia”, “Slipping Into the Darkness”, do grupo War, em “Capítulo 4, Versículo 3”, e “Easin’in”, de Edwin Starr (1942-2003), em “Diário de um Detento”, que teve a maior parte de seu vídeoclipe gravado dentro da Casa de Detenção de São Paulo (Carandiru).

O trabalho desenvolve uma tendência presente no disco anterior, Raio X Brasil (1993), de trabalhar com letras extensas. Das 12 músicas do disco, oito têm mais de seis minutos de duração e duas delas, “Tô Ouvindo Alguém me Chamar” e “Fórmula Mágica da Paz”, ultrapassam dez minutos. Essa característica, incomum no rap, valoriza o discurso do grupo e apresenta uma narrativa inovadora sobre o cotidiano da periferia, em histórias contadas com riqueza de detalhes.

Sobrevivendo no Inferno é o primeiro trabalho dos Racionais MC’s com referências a textos bíblicos. Já na capa do disco, ilustrada por uma cruz em fundo preto, há uma frase do Salmo 23, Capítulo 3: “refrigere minha alma e guia-me pelo caminho da justiça”. A música “Capítulo 4, Versículo 3”, além do título, traz versos como:

E a profecia se fez como previsto
1997 depois de cristo
A fúria negra ressuscita outra vez
Racionais, capítulo 4, versículo 3.

O arranjo da música é pontuado por uma voz feminina que canta a palavra “aleluia” no refrão, trecho extraído da canção “Pearls”, [gravada pela cantora pop britânica Sade (1959), de 1992] e termina com o som de um sino de igreja.

A crítica social, presente em discos anteriores, é o foco do grupo. Antes da faixa “Capítulo 4, Versículo 3”, Primo Preto, amigo e então produtor do grupo, vocifera estatísticas sobre a violência policial contra o jovem pobre e a marginalização do negro na sociedade:

60% dos jovens de periferia sem antecedentes criminais já sofreram violência policial.
A cada quatro pessoas mortas pela polícia, três são negras.
Nas universidades brasileiras apenas 2% dos alunos são negros.
A cada quatro horas, um jovem negro morre violentamente em São Paulo.

“Tô Ouvindo Alguém me Chamar” narra, em primeira pessoa, as reflexões de um personagem envolvido com o crime:

Agora é tarde, eu já não podia mais.
Parar com tudo, nem tentar voltar atrás.
Mas no fundo, mano, eu sabia.
Que essa porra ia zoa minha vida um dia.
Me olhei no espelho e não reconheci.
Estava enlouquecendo, não podia mais dormir.

Na produção da faixa, há um elemento que pontua toda a música e faz parte da narrativa: ao longo de mais de 11 minutos de duração, um ruído de equipamento hospitalar sugere um batimento cardíaco constante. No fim da música, o barulho acelera e indica a morte do personagem. O ouvinte apenas deduz, isso pois a letra não faz menção a este desfecho.

A música “Diário de um Detento”, composta por Mano Brown (1970) em parceria com o ex-detento Josemir Prado (apelidado Jocenir), é o destaque do disco. A letra, inspirada em um diário de Jocenir, relata o massacre do Carandiru. Episódio em que a polícia militar executa 111 presidiários, em 1992, após uma rebelião na Casa de Detenção de São Paulo (desativada em 2002). Com sete minutos e 31 segundos de duração, a letra não repete nenhum verso ou estrofe e faz uma crítica contundente à postura da polícia e do estado, com referência explícita ao então governador de São Paulo, Luiz Antônio Fleury Filho (1949): “Ratatá, Fleury e sua Gangue / Vão Nadar Numa Piscina de Sangue”. Mano Brown conhece Jocenir em uma de suas visitas ao Carandiru e volta pra casa com algumas páginas escritas pelo presidiário em seus cadernos. São estas anotações que inspiram a letra de “Diário de um Detento”. Em 2001, o ex-detento lança um livro de mesmo nome sobre o massacre do Carandiru. O sucesso da música resulta na premiação de seu clipe nas categorias “rap” e “escolha da audiência” no Video Music Brasil, da MTV, em 1998.

“Mundo Mágico de Oz”, de Edi Rock (1970), e “Fórmula Mágica da Paz”, de Mano Brown, assemelham-se por contrapor versos que descrevem uma realidade dura com refrãos que expressam sonho de mudança por meio de um elemento mágico. A primeira aborda a dificuldade de um menor envolvido com drogas, que apela à fé para tentar se salvar: “queria que Deus ouvisse minha voz / em um mundo Mágico de Oz”. A outra retrata a vida de alguém sem perspectiva na periferia, mas que não desiste de encontrar uma solução:

Eu vou procurar, sei que vou encontrar, eu vou procurar,
Eu vou procurar, você não bota mó fé, mas eu vou atrás
(Eu vou procurar e sei que vou encontrar)
Da minha Fórmula Mágica Da Paz.

A produção do disco privilegia timbres e batidas que criam uma tensão permanente, sintonizada com o discurso do disco. A exceção é “Em Qual Mentira Vou Acreditar?”, com base instrumental dançante e letra mais descontraída. Mesmo com referências a abordagens policiais, a música de Edi Rock narra os passos de um personagem à procura de diversão na vida noturna e suas experiências nesse percurso.

Sobrevivendo no Inferno marca uma nova repercussão da obra dos Racionais MC’s. Antes deste trabalho, a mensagem do grupo é dirigida às pessoas que se identificam com o cotidiano retratado nas letras: o público de periferia. A partir de 1997, no entanto, o grupo atrai atenção maior dos jovens de classe média e da grande mídia. O jornal Folha de S.Paulo, por exemplo, publica pelo menos quatro textos sobre Sobrevivendo no Inferno entre novembro e dezembro de 1997. No entanto, isso não interfere na decisão do grupo de não conceder entrevistas sob a alegação de que o conteúdo delas é distorcido pelos meios de comunicação.

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • CARAMANTE, André. Eminência Parda. Rolling Stone Brasil São Paulo, n. 39, dez. 2009.
  • CARAMANTE, André. Os Quatro pretos mais perigosos do Brasil. Rolling Stone Brasil, São paulo, n. 86, nov. 2013.
  • GARCIA, Walter. Diário de um Detento: uma interpretação. In: NESTROVSKI, Arthur (Org.). Lendo Música - 10 Ensaios Sobre 10 Canções. São Paulo: Publifolha, 2007.
  • SÁ, Xico. Racionais Fazem Canudos da Periferia. Folha de S.Paulo, São Paulo,13 nov. 1997.
  • ZENI, Bruno. O Negro Drama do Rap: entre a lei do cão e a lei da selva. Revista Estudos Avançados: Instituto de estudos avançados, da Universidade de São Paulo, São Paulo, v. 18, n. 50, 20 fev. 2004.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: