Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Libertinagem

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 29.07.2020
1930
Reprodução Fotográfica Horst Merkel

Libertinagem, 1930
Manuel Bandeira
Brasiliana Itaú/Acervo Banco Itaú

Primeiro livro da maturidade literária de Manuel Bandeira (1886-1968), Libertinagem (1930) inaugura um traço de toda sua produção posterior: a expansão subjetiva do eu lírico. Até então expressa em primeira pessoa, sempre às voltas com sua interioridade, essa característica é aqui reduzida ao essencial. O poeta adere à realidade exterior, e elem...

Texto

Abrir módulo

Primeiro livro da maturidade literária de Manuel Bandeira (1886-1968), Libertinagem (1930) inaugura um traço de toda sua produção posterior: a expansão subjetiva do eu lírico. Até então expressa em primeira pessoa, sempre às voltas com sua interioridade, essa característica é aqui reduzida ao essencial. O poeta adere à realidade exterior, e elementos prosaicos e cotidianos entram no poema.

Se em Ritmo Dissoluto (1924), já se nota a presença de temas do folclore brasileiro e da experiência objetiva do sujeito, em Libertinagem cristaliza-se a nova poesia. A ruptura com as tendências simbolistas até então predominantes é definitiva e adota-se uma estética moderna. As formas fixas cedem lugar ao verso livre, e o mistério da poesia não é buscado nas emoções do eu, mas em coisas pobres e transitórias. A  linguagem é simples e procura aproximar-se da língua portuguesa falada no Brasil.

Há um deslocamento do que pode ou não ser considerado matéria-prima, que leva à mescla estilística entre emoção elevada e linguagem simples. Isso é resultado, conforme confessa o poeta no ensaio autobiográfico Itinerário de Pasárgada (1954), do contato com o cotidiano do Rio de Janeiro na década de 1920. Vivendo no morro do Curvelo, bairro de Santa Teresa, com vista para o dia a dia humilde de trabalhadores pobres e acesso à Lapa da boemia carioca, Bandeira passa a incorporar, em suas composições, a vida das ruas. O poema “Na Boca” é um entre muitos exemplos:

E nos três dias de carnaval éter de lança-perfume 

Quem me dera ser como o rapaz desvairado!

O ano passado ele parava diante das mulheres 

[bonitas 

E gritava pedindo o esguicho de cloretilo:  

– Na boca! Na boca!

Os traços centrais do livro – a novidade estilística representada pelo uso do verso livre, da linguagem simples e o aproveitamento da realidade brasileira como matéria poética – revelam a afinidade de Bandeira com o movimento modernista. Embora o poeta não participe como militante do grupo liderado por Mário de Andrade (1893-1945), Libertinagem é considerado um de seus expoentes. “Poética”, que integra o volume, pode ser tomado como programa dessa nova estética: “Estou farto do lirismo bem comedido / Do lirismo bem comportado […] / Não quero mais saber do lirismo que não é libertação”.

No volume estão, entre 38 composições, algumas das mais conhecidas peças do poeta. “Pneumotórax”, que retrata o diagnóstico de doença pulmonar apresentado pelo médico ao eu lírico, remetendo a dados biográficos, é exemplar quanto ao tratamento dos impulsos subjetivos. A estrutura narrativa na primeira estrofe apresenta o sofrimento físico e existencial do eu; na segunda, convoca a presença médica. A terceira estância, composta de um diálogo de três falas, revela o diagnóstico fatal. Fica a cargo do leitor depreender o conteúdo trágico da fala final do médico, que sugere não haver cura para a enfermidade: “A única coisa a fazer é tocar um tango argentino”.

“Vou-Me Embora pra Pasárgada” é revelador de como o poeta retoma um tema caro aos românticos: o desejo de evasão de uma realidade causadora de sofrimentos. Ele o faz de modo essencialmente moderno, conforme se lê no trecho:

Em Pasárgada tem tudo 

É outra civilização 

Tem um processo seguro 

De impedir a concepção 

Tem telefone automático. 

A figuração do desejo escapista leva Mário de Andrade, em resenha sobre Libertinagem, a saudar a composição como “obra-prima poética dum estado de espírito bastante comum nos poetas brasileiros”. Na opinião do crítico, o modo de formular o desejo – “Vou-me embora” – é tipicamente brasileiro, extraído da tradição popular, permitindo a expressão do desejo como questão coletiva, e não apenas individual. 

Sérgio Buarque de Holanda (1902-1982), contrapõe-se a Mário de Andrade, em texto publicado em 1940. Para ele, o poema tem um sentido “profundamente pessoal” e deve ser lido sob a contradição que se instala na obra de Bandeira entre “mundo visível” e “vida íntima”. É a tensão entre essas duas forças que caracteriza o trabalho do poeta.

Aproveitando a formulação de Buarque de Holanda – “evasão para o mundo” – e o entendimento geral de Mário de Andrade, o crítico Davi Arrigucci Jr. (1943) define a expressão do sujeito em Bandeira como um “objetivismo lírico”. Esforçando-se para permanecer oculto, o “eu” constrói o poema de modo que a emoção poética e o sentido do sublime surjam com surpresa para o leitor. Nesse sentido, o trabalho do poeta, a partir de Libertinagem, é desentranhar a poesia do cotidiano. Em “Poema Tirado de uma Notícia de Jornal”, isso implica reproduzir cruamente a narrativa jornalística no poema, propondo uma reflexão sobre o caráter trágico do destino humano com base no deslocamento do meio – do jornal para o poema – em que é narrada a trajetória de João Gostoso. A composição apresenta-se como um achado estético nas histórias cotidianas, com força simbólica intensificada pela aparente pobreza dos recursos expressivos adotados.

Segundo Arrigucci, a adesão ao prosaísmo, sintetizada no emprego do verso livre, é a principal contribuição de Bandeira. Seu “estilo humilde”, capaz de atingir a máxima complexidade e a emoção mais alta, configura-se plenamente no livro “desabusado e irônico” que é Libertinagem.

Fontes de pesquisa 10

Abrir módulo
  • ANDRADE, Mário de. A poesia em 1930. In: _______. Aspectos da literatura brasileira. 5.ed. São Paulo: Martins, 1974.
  • ARRIGUCCI JR., Davi. A beleza humilde e áspera. In: ARRIGUCCI JR., Davi. O cacto e as ruínas. São Paulo: Duas Cidades: Editora 34, 2000. p. 7-89.
  • ARRIGUCCI JR., Davi. Humildade, paixão e morte: a poesia de Manuel Bandeira. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.
  • ARRIGUCCI JR., Davi.O humilde cotidiano de Manuel Bandeira. In: ARRIGUCCI JR., Davi. Enigma e comentário: ensaios sobre literatura e experiência. São Paulo: Companhia das Letras, 1987. p. 9 -27.
  • BANDEIRA, Manuel. Libertinagem – estrela da manhã. Edição crítica coordenada por Giulia Lanciani. Madri; Paris; México; Buenos Aires; São Paulo; Lima; Guatemala; San José; Santiago: ALLCA, XX, 1998.
  • BRAYNER, Sônia (Org.). Manuel Bandeira: fortuna crítica 5. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980.
  • CANDIDO, Antonio; SOUZA, Gilda. Introdução. In: BANDEIRA, Manuel. Estrela da vida inteira. 12. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1986. p. lx-lxxvii.
  • HOLANDA, Sérgio Buarque de. Trajetória de uma poesia. In: BRAYNER, Sônia (Org.). Manuel Bandeira: fortuna crítica 5. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980, p. 142-197.
  • LIMA, Luiz Costa. Realismo e temporalidade em Manuel Bandeira. In: LIMA, Luiz Costa. Lira e antilira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.
  • MERQUIOR, José Guilherme. O modernismo e três de seus poetas. In: MERQUIOR, José Guilherme. O elixir do apocalipse. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1983. p. 97-134.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: