Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.



Enciclopédia Itaú Cultural
Cinema

Jango

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 16.08.2016
1984
O documentário Jango (1984), de Silvio Tendler (1950), narra a história política do presidente João Goulart (1919-1976), deposto pelo Golpe de Estado de 1964. Tendler trabalha por três anos com entrevistas1 para o filme e com a montagem de um conjunto de imagens de arquivo que soma 100 horas. O diretor, que começa a rodar Jango em 1981, pouco de...

Texto

Abrir módulo

O documentário Jango (1984), de Silvio Tendler (1950), narra a história política do presidente João Goulart (1919-1976), deposto pelo Golpe de Estado de 1964. Tendler trabalha por três anos com entrevistas1 para o filme e com a montagem de um conjunto de imagens de arquivo que soma 100 horas. O diretor, que começa a rodar Jango em 1981, pouco depois da estreia de Os Anos JK: uma Trajetória Política (1980), lança o filme em 1984, em meio ao movimento das Diretas Já. O ano de 1984, em que a ditadura brasileira completa duas décadas, assiste também ao lançamento de Cabra Marcado para Morrer, de Eduardo Coutinho (1933-2014), outra obra que trata do Golpe de 64 e de suas consequências. Jango é financiado por Denize Goulart, filha do presidente deposto, Antônio Balbino (1912-1992), que foi governador da Bahia e ministro de Getúlio Vargas (1883 -1954), pelo produtor Hélio Ferraz e pelos artistas e técnicos que trabalharam no filme2. A canção “Coração de Estudante”, composta por Wagner Tiso (1945) e Milton Nascimento (1942) para a trilha sonora, torna-se  hino do movimento em prol das eleições diretas. Sucesso de público, o filme atinge 1 milhão de espectadores segundo seu diretor3.

O filme aborda o período que vai do enterro de Getúlio Vargas, em 1954, de quem Jango foi ministro do Trabalho, até seu exílio e morte, em 1976. Passa pelo governo Juscelino Kubitschek (1902-1976), de quem Jango foi vice, e pela renúncia de Jânio Quadros (1917-1992), concentrando-se no mandato de Jango na presidência e nos eventos que conduzem ao Golpe de Estado que instaura a ditadura militar.

Em Jango, imagens e sons articulam-se com relativa independência, ou seja, as imagens não “ilustram” o que é dito, e a narração tampouco “explica” o que se vê. Na banda de imagens, entrevistas realizadas pelo diretor somam-se a materiais fotográficos e fílmicos de arquivo de diferentes procedências – trata-se de cinejornais e acervo da família Goulart. Na sequência que trata da revolta dos marujos, excertos de O Encouraçado Potemkin (1925), de Eisenstein (1898-1948), são intercalados com imagens da rebelião dos marinheiros ocorrida na semana que precedeu o Golpe de 64. Na banda sonora, a voz over conduzida pelo ator José Wilker (1946-2014) costura os demais elementos: trilha de Wagner Tiso e Milton Nascimento, áudio das entrevistas e registros sonoros de época. Entre eles, o discurso de Goulart no Comício da Central, no dia 13 de março e o anúncio, por Auro de Moura Andrade (1915-1982), então presidente do congresso, de que o posto de presidente da República encontrava-se vago, no dia 31 de março.

O texto, escrito pelo jornalista Maurício Dias, é sóbrio, mas não se pretende imparcial. Dentro do jogo de forças que levam ao Golpe de Estado, o filme alinha-se ao ideário das reformas defendido pelo presidente deposto, como as frases: “Jango propunha o fim da fome e da miséria num país onde a justiça sempre foi o lado obscuro da democracia” e “Jango, com as reformas, fez o Brasil viver sua utopia: o povo sai das páginas dos livros e torna-se participante do processo político”.

No filme, a sequência que retrata o chamado “Comício da Central”, em que João Goulart anuncia as reformas que implementa, funciona como ápice de seu mandato e prenúncio de sua queda. Um depoimento do general Antônio Carlos Muricy (1906-2000) introduz o comício e explica que, para o Exército, o evento é vivido como provocação, acirrando a desavença entre os militares e o governo. Em seguida, o jornalista Raul Ryff (1911-1989), secretário de imprensa durante o governo João Goulart, conta que o presidente sabia do perigo que corria ao realizar o comício. Segundo ele, ao ser advertido sobre os riscos de discursar em favor das reformas, Jango teria dito: “Eu não tenho problema (...) em ficar ou não no governo. Meu problema é que eu tenho que realizar essas reformas. Eu prefiro cair, mas cair de pé.”

As imagens do comício são acompanhadas dos melancólicos acordes da trilha sonora de Milton Nascimento e Wagner Tiso, num trecho instrumental de “Coração de estudante”. Veem-se manifestantes aplaudindo e segurando cartazes com dizeres como “Manda brasa Arraes, que o povo não aguenta mais”, “Donas de casa contra a sonegação”, “Tudo de petróleo para a Petrobrás”, “Desta vez, o governo é o povo”. A montagem não se deixa embalar pelo tom épico e otimista dessas mensagens. A locução de José Wilker informa que Goulart usa o mesmo palanque que Getúlio Vargas, sugerindo um paralelismo no desfecho trágico do governo dos dois políticos de São Borja, Rio Grande do Sul. O caixão de Getúlio é visto no início do filme, e, quando a narração o evoca sobre as imagens do comício, este ganha ares de funeral. A voz over cede lugar ao áudio do discurso de Jango, enquanto o presidente aparece no palanque ao lado de sua mulher, Maria Tereza Goulart (1940). A imagem em movimento é substituída por uma série de fotografias, dando um efeito de câmera lenta. Tal interrupção remete à interrupção do projeto de país, que estava por vir.

Além de garantir uma grande bilheteria, fato raro para um documentário histórico no Brasil, Jango faz sucesso com a crítica. Leva prêmios nos festivais de Gramado e de Havana, além do troféu Margarida de Prata, concedido pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Depois da exibição do filme em Gramado, o então crítico do jornal Folha de S. Paulo Leon Cakoff (1948-2011) escreve: “Jango (...) servirá para referendar toda esta emoção que está no ar, pedindo as diretas, redescobrindo o Brasil, vingando com a sensualidade e a perspicácia dos jovens. (...) Desconheço um outro filme exibido nos anos anteriores de Gramado que tenha provocado tanta expectativa e comoção”. Em um artigo de 2012, o historiador Marcos Napolitano ressalta a importância do documentário no momento político em que é lançado, revelando de maneira emocionada “uma verdadeira tragédia política e pessoal”. Para ele, trata-se de “um dos exemplos mais instigantes não apenas de como a história pode servir como matéria no cinema, mas, sobretudo, como o cinema pode intervir na história”4.

Jango louva o momento de breve “concretização das utopias”, como diz o texto de Maurício Dias, e evoca a união entre povo e governo que precede o golpe. Para além das divisões da esquerda, em 1984, o filme de Silvio Tendler torna-se emblema do fim do regime militar e de início de uma nova era de esperança.

Fontes de pesquisa 12

Abrir módulo
  • AUGUSTO, Sergio. Os relâmpagos da emoção. In: TENDLER, Silvio; DIAS, Mauricio. Jango. Porto Alegre: L&PM, 1984.
  • BERNARDET, Jean-Claude; RAMOS, Alcides. Cinema e História do Brasil. São Paulo: Contexto: Edusp, 1998.
  • BOJUNGA, Cláudio. A reconstrução da memória. Filme Cultura, Rio de Janeiro, n. 44, p. 20-29, abr. /ago. 1984.
  • BROOKEY, Marcia Paterman. História e utopia: o cinema de Silvio Tendler. Rio de Janeiro: Iluminária Academia/ Editora Multifoco, 2010.
  • CAKOFF, Leon. A filha de Jango fala de Jango. Folha de S. Paulo, São Paulo, 13 abr. 1984. Ilustrada. Disponível em: < http://acervo.folha.com.br/fsp/1984/04/13/21/ >. Acesso em: 10 nov. 2015.
  • CAKOFF, Leon. Em Gramado, a comovida exibição de Jango. Folha de S. Paulo, São Paulo, 12 abr. de 1984. Ilustrada. Disponível em:< http://acervo.folha.com.br/fsp/1984/04/12/21/ >. Acesso em: 10 nov. 2015.
  • FERREIRA, Jorge. Como as sociedades esquecem: Jango. In: SOARES, Mariza de Carvalho; FERREIRA, Jorge (orgs.). A História vai ao cinema: vinte filmes brasileiros comentados por historiadores. Rio de Janeiro: Record, 2001. p.161-178.
  • FERREIRA, Jorge. Como as sociedades esquecem: Jango. In: SOARES, Mariza de Carvalho; FERREIRA, Jorge (orgs.). A História vai ao cinema: vinte filmes brasileiros comentados por historiadores. Rio de Janeiro: Record, 2001. p.161-178. p. 161-178.
  • LUCENA, Eleonora de. Filme de Silvio Tendler relembra golpe que derrubou João Goulart há 50 anos. Folha de S. Paulo, São Paulo, 3 abr. 2013. Ilustrada. Disponível em: < http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2013/04/1255947-filme-de-silvio-tendler-relembra-golpe-que-derrubou-joao-goulart-ha-50-anos.shtml >. Acesso em: 27 out. 2015.
  • MACIEL, Fábio. O cinema como caminho narrativo para a construção da memória. In: XIV Encontro Regional da Anpuh-Rio Memória e Patrimônio. Rio de Janeiro, jul. 2010.
  • NAPOLITANO, Marcos. Nunca é cedo para se fazer história: o documentário Jango, de Silvio Tendler (1984). In: MORETTIN, Eduardo; NAPOLITANO, Marcos; KORNIS, Monica Almeida (Orgs.). História e documentário. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2012.
  • TENDLER, Silvio; DIAS, Maurício. Jango. Porto Alegre: L&PM, 1984.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: