Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Música

História do Brasil

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 16.08.2016
1934
Lançada em janeiro de 1934, a marcha “História do Brasil” é composta por Lamartine Babo (1904-1963) e gravada por Almirante (1908-1980) em 15 de dezembro de 1933, com o coro da gravadora Victor e acompanhamento do conjunto Diabos do Céu. Ocupa o lado B do disco de 78 rpm de Almirante, cujo lado A traz outra marcha de Babo, “Menina Oxigené”, em p...

Texto

Abrir módulo

Lançada em janeiro de 1934, a marcha “História do Brasil” é composta por Lamartine Babo (1904-1963) e gravada por Almirante (1908-1980) em 15 de dezembro de 1933, com o coro da gravadora Victor e acompanhamento do conjunto Diabos do Céu. Ocupa o lado B do disco de 78 rpm de Almirante, cujo lado A traz outra marcha de Babo, “Menina Oxigené”, em parceria com Hervé Cordovil (1914-1979).

Logo após seu lançamento, o jornal A Hora traz, em primeira página, a denúncia de plágio do samba “Negra Também é Gente”, gravado por Francisco Alves (1898-1952) no ano anterior. O compositor De Chocolat (1887-1956), parceiro de Ary Barroso (1903-1964) na autoria do samba, reclama a semelhança entre o estribilho da marcha de Babo e os versos do samba, embora com melodia diferente:

Quem foi que ninou o Brasil
Foi ioiô
Quem mais padeceu docemente?
Foi iaiá
Portanto no nosso Brasil,
Oh! ioiô,
Negro é gente.

A diferença cronológica é pequena: “Negra Também é Gente” é gravada em 20 de novembro de 1933 e lançada em janeiro de 1934, e “História do Brasil” é registrada em 15 de dezembro de 1933 e lançada também em janeiro de 1934.

Babo não se retrata diante da acusação e a polêmica se dissolve. O andamento binário e sincopado, próprio para o carnaval, contagia os foliões na capital da República. A marcha ganha destaque na folia carioca de 1934. Tamanho sucesso serve de mote para a peça Foi Seu Cabral, do revistógrafo Freire Júnior (1881-1956), estreada em 31 de março de 1934, no Teatro João Caetano.

Com letra aparentemente ingênua e non sense, “História do Brasil” parte do refrão entoado pelo coro:

Quem foi que inventou o Brasil?
Foi seu Cabral!
Foi seu Cabral!
No dia 21 de abril
Dois meses depois do carnaval.

O uso do verbo “inventar” em lugar de “descobrir”, mais recorrente nas versões oficiais da história do Brasil, subverte esta narrativa. A “invenção” ocorre “dois meses depois do carnaval”, denunciando o artificialismo desta concepção, já que a festa é instituída antes.

Babo estabelece o dia 21 de abril como marco fundador do país, em uma leitura descomprometida da história oficial, pela qual as caravelas, lideradas pelo navegador português Pedro Álvares Cabral (1467-1520), teriam aportado em terras brasileiras em 22 de abril de 1500. Alem disso, adota o tom coloquial ao se referir a personalidade lusitana como “seu Cabral”.

A primeira estrofe evoca, num registro caricatural e anacrônico, os elementos que constituem esta invenção:

Depois
Ceci amou Peri
Peri beijou Ceci
Ao som...
Ao som do Guarani.

Ceci e Peri, são personagens do romance O Guarani (1857), de José de Alencar (1829-1877),  ícone da fase indianista do romantismo brasileiro. Na marcha, os personagens se amam ao som da ópera homônima (1870) de Carlos Gomes (1836-1896), baseada no romance de Alencar.

No verso seguinte, o compositor faz um movimento elíptico, brincando com a sonoridade das palavras:

Do Guarani ao guaraná
Surgiu a feijoada
E mais tarde o parati.

Desta forma, relaciona universos distintos: o da alta cultura, do romance e da ópera O Guarani, ao da incipiente cultura de massas, representada pelo guaraná, refrigerante produzido a partir do xarope do fruto amazônico. A bebida é processada e comercializada no Brasil desde os anos 1920, usando como marketing o fato de ser um produto “nacional”.

Em seguida, coloca em evidência outros dois itens da mesa “tipicamente” brasileira: a feijoada e a cachaça parati1, culminando na transformação dos personagens na segunda estrofe:

Depois
Ceci virou iaiá
Peri virou ioiô.

Na releitura de Babo, o herói da literatura do final do século XIX e sua amada tornam-se ioiô e iaiá, corruptela dos termos “senhor” (sinhô) e “senhora” (sinhá), utilizados na época da escravidão e, depois, reapropriados em seus usos cotidianos, adquirindo conotação afetiva.

A estrofe finaliza com a constatação de que:

De lá...
Pra cá tudo mudou!
Passou-se o tempo da vovó
Quem manda é a Severa
E o cavalo Mossoró.

Prática corriqueira no período, as canções de carnaval glosam os principais acontecimentos do ano. Assim, o compositor traz dois destaques de 1933: a fadista Maria Severa Onofriana (1820-1846), e o cavalo de corrida Mossoró. A fadista é a heroína do primeiro filme falado produzido em Portugal, exibido no Rio de Janeiro naquele ano. Já o cavalo tem vitória inesperada sobre os puros-sangues argentinos no primeiro Grande Prêmio Brasil, celebrado pela multidão.

Tratando de aspectos relevantes e frívolos com o mesmo tom burlesco do início ao fim, a composição de Babo enfoca um problema que atravessa sua geração: a construção da brasilidade. Não por acaso, obras como Casa Grande & Senzala (1933), de Gilberto Freyre (1900-1987), e Raízes do Brasil (1936), de Sérgio Buarque de Holanda (1902-1982), são publicadas no período. De maneira mais programática, entre o final dos anos 1920 e meados dos anos 1940, Mário de Andrade (1983-1945) busca identificar o que caracteriza a música brasileira e oferecer elementos para os compositores. Fora dos circuitos intelectuais, o radialista e pesquisador Almirante, intérprete da marcha de Babo, empreende a mesma  busca. A pesquisa de Almirante contribui para legitimar o samba e a marcha como gêneros representativos da música brasileira.

Usando o registro humorístico, que recorre aos estereótipos e à incongruência, o compositor revela que a inserção do negro não consta na história oficial nem na alegoria romântica do nascimento da nação, o que, nos anos 1930, já não pode mais ser escondido. “História do Brasil” domestica a relação interracial d’O Guarani, gerando nova ancestralidade para a invenção da nação. Relacionando universos aparentemente desconexos, constata a presença do capital afrobrasileiro, fator importante para o crescimento da indústria do disco e do rádio no país.

Embora alguns elementos se percam na memória coletiva ao longo dos anos, a marcha continua a ser gravada e reconhecida por outras gerações. Isso se deve ao seu  arranjo marcante, sobretudo, pelos metais na introdução. Na gravação de 1955, o arranjo dos metais é creditado ao maestro Lyrio Panicalli (1906-1984), em parceria com Babo que, apesar de não ter conhecimento formal de música, o faz de maneira intuitiva, incorporando a instrumentação da música norte-americana, com a qual é familiarizado. Entre as principais regravações figuram a do próprio compositor, no disco Carnaval de Lamartine Babo (1955), e as de Arrelia (1905-2005) e Altamiro Carrilho (1924-2012), em Ride Palhaço - As Músicas de Lamartine Babo (1957), Sidney Miller (1945-1980), em Brasil, Do Guarani ao Guaraná (1968), Emilinha Borba (1923-2005), Oh! As Marchinhas (1981), e Quinteto Violado, em O Guarani (1986).

Notas
1 O uso da metonímia “parati” aparece em outras composições desta década, como no samba-choro Camisa Listrada (1937), Assis Valente (1911-1958).

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • FUNDAÇÃO Joaquim Nabuco. Base de dados dos discos de 78 rpm gravados no Brasil (1902-1964). Disponível em: http://bases.fundaj.gov.br/disco.html. Acesso em: 20 nov. 2015.
  • LAMARTINE Babo. Coleção Folha Raízes da MPB, v. 2. São Paulo. Disponível em: http://raizesmpb.folha.com.br/vol-2.shtml. Acesso em: 8 jan. 2016.
  • MARTINS, Franklin. Quem foi que inventou o Brasil?. Volume I: a música popular conta a história de República: de 1902 a 1964. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015.
  • McCANN, Bryam. Hello, Hello Brazil: popular music in the making of modern Brazil. London: Duke University Press, 2004.
  • NAVES, Santuza Cambraia. O violão azul: modernismo e música popular. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas,1998.
  • VALENÇA, Suetônio Soares. Trá-lá-lá. Rio de Janeiro: Edição FUNARTE, 1981.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: