Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas


Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Dom Casmurro

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 25.10.2021
1899
Coleção Brasiliana Itaú / Reprodução Fotográfica Horst Merkel

Dom Casmurro, 1899
Machado de Assis

Dom Casmurro (1899) é o sétimo romance publicado por Machado de Assis (1839-1908) e o terceiro de sua fase madura, inaugurada com Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881). Considerando o percurso como romancista, é o seu testemunho definitivo da prosa realista brasileira.

Texto

Abrir módulo

Dom Casmurro (1899) é o sétimo romance publicado por Machado de Assis (1839-1908) e o terceiro de sua fase madura, inaugurada com Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881). Considerando o percurso como romancista, é o seu testemunho definitivo da prosa realista brasileira.

O romance encerra as memórias de Bento Santiago, narrador responsável pela história que se expõe. O apelido Dom Casmurro é dado a ele por um jovem poeta, num percurso de trem, que se ofende com o desinteresse de Bento pela leitura de seus poemas. Solitário e vivendo a quadra final da vida, Dom Casmurro decide escrever para “atar as duas pontas da vida, e restaurar na velhice a adolescência”1. Para tanto, retoma a relação com Capitolina Pádua, Capitu, filha de um funcionário público que ganha na loteria e, assim, passa a frequentar a sociedade dos Santiago. A família de Bento é chefiada pelo pai, Pedro de Albuquerque, um latifundiário, deputado e senhor de escravos. Sua morte prematura leva a viúva, D. Maria da Glória, a liquidar parcialmente seus bens e a mudar-se com dependentes, escravos e agregados do campo para a capital.

Dada a moldura social, acompanha-se o autor pelos principais momentos dessa relação, de que dependem todos os passos de sua vida. No início, o amor furtivo da adolescência, pelo qual Bento decide abandonar a batina a que fora prometido por sua mãe. Em seguida, a curta vida de seminarista, cuja negação pelo estudo das leis depende de delicadas manipulações e negociações entre os membros da família. Há também o casamento com Capitu, resultado feliz da comédia da juventude. Durante o relato da vida conjugal, depreende-se a suspeita da traição ou não de Capitu com o melhor amigo de Bentinho, o também ex-seminarista Escobar. Da suposta traição, teria nascido o filho do casal, Ezequiel. A prosa do memorialista revela-se uma tentativa de reconstituição dos tempos idos, eivada de ressentimento contra aquela a quem dedicara seus melhores sentimentos e que lhe teria correspondido (assim pensa Bento) com a infâmia do adultério.

A simplicidade do enredo é contraposta pela intrincada construção narrativa, baseada nos torneios de memória do protagonista. O desenvolvimento do drama em si – com a morte de Escobar e a partida de Capitu e do filho – é econômico se comparado ao longo desfilar de lembranças sobre os ardis da infância e da adolescência. O objetivo de Bento parece ser buscar nesse passado a suposta adúltera em latência. Daquele tempo, ressaltam-se desejos e fragilidades sentimentais dos cônjuges e o discreto julgamento social de Capitu, sobretudo da parte do agregado da casa, José Dias. A vivacidade encantadora da garota seria, da perspectiva desse conflito, o disfarce à ambição, ao cálculo e à astúcia de alguém que, desde a adolescência, reconhece a superioridade dos Santiago e pretende ascender socialmente. O vínculo entre o relacionamento amoroso e a condição social pesa, por sua vez, sobre o próprio narrador e a consistência de seu relato em face da fragilidade dos argumentos da acusação. Entre eles, a alegada semelhança entre o finado Escobar (afogado no mar) e Ezequiel. Restam apenas inferências derivadas da arbitrariedade da suspeita. O ciúme por meio do qual Bento alinha a própria narrativa à tragédia de Otelo, do dramaturgo inglês William Shakespeare (1564-1616), é permeado de vitimização. Com ele, procura a compaixão de “suas leitoras”.

Embora não tenha sido recebido com a efusividade de Memórias Póstumas pelos leitores, Dom Casmurro é o livro de maior recepção crítica da obra de Machado e o mais dado a polêmicas. Em pouco mais de 100 anos de história, Dom Casmurro rende defensores ferrenhos de Bentinho – caso do crítico Alfredo Pujol (1917), para quem o narrador é “alma cândida e boa, submissa e confiante, feita para o sacrifício e a ternura” e, portanto, presa fácil de uma Capitu “ardilosa e pérfida, acautelada e fingida” –, e críticos não menos empenhados em seu comportamento. O divisor de águas da crítica é o estudo da norte-americana Helen Caldwell, O Otelo Brasileiro de Machado de Assis (1960). Identificando a profundidade da referência machadiana a Shakespeare, Helen é a primeira a redefinir a leitura tradicional dos papéis do romance, que dão por certas as funções da vítima e da culpada. Trazendo a insígnia do vilão shakespeariano Iago no próprio sobrenome (Santiago), Bento acumula as funções do herói e do antagonista trágicos diante de uma nova Desdêmona, incapaz de lutar contra a cegueira e a perfídia do marido.

Na esteira do trabalho pioneiro de Caldwell, pode-se destacar a leitura de Silviano Santiago (1936), que vê em Bento a possibilidade do desmascaramento de “certos hábitos de raciocínio, certos mecanismos de pensamento” presentes na cultura bacharelesca brasileira. E a de Roberto Schwarz (1938), que inverte o próprio vetor da traição e argumenta: “A junção de vontades confusas, em parte inconfessáveis (o ciúme desatinado, os apetites sexuais diversos), com a autoridade patriarcal”, da qual Bento se vê ungido por ideologia de classe, é “conjugação que descarta, ou trai, o juramento de confiança e igualdade que o moço bem-nascido fizera à vizinha pobre”2. Sendo assim, Capitu representa o pensamento esclarecido e arejado a ser esmagado pela violência inerente ao patriarcalismo brasileiro.

Sem permitir uma resposta definitiva, o questionamento da fidelidade de Capitu e o modo como Bento (o personagem-narrador) a conduz parecem renovar-se ao sabor da própria história social brasileira. Dom Casmurro,  além de se consolidar como um monumento do romance nacional, é um estudo imprescindível da sociedade e da psicologia humanas.

 

Notas
1 ASSIS, Machado de. Dom Casmurro. Apresentação de Paulo Franchetti; notas e comentários de Leila Guenther. Cotia: Ateliê Editorial, 2008. p. 94.
2 SCHWARZ, Roberto. Duas meninas. São Paulo: Companhia das Letras, 1997. p. 33.

Fontes de pesquisa 5

Abrir módulo
  • ASSIS, Machado de. Dom Casmurro. Apresentação de Paulo Franchetti; notas e comentários de Leila Guenther. Cotia: Ateliê Editorial, 2008.
  • CALDWELL, Helen. O Otelo brasileiro de Machado de Assis: um estudo de Dom Casmurro. Cotia: Ateliê Editorial, 2002.
  • PEREIRA, Lucia Miguel. Machado de Assis: estudo crítico e biográfico. Belo Horizonte: Editora Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1988.
  • SANTIAGO, Silviano. Uma literatura nos trópicos: ensaios sobre dependência cultural. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 2000.
  • SCHWARZ, Roberto. Duas meninas. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: