Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Nove Noites

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 06.01.2017
2002
Análise

Texto

Abrir módulo

Análise
Nove noites (2002) é o sexto romance publicado por Bernardo de Carvalho (1960), distinguido com o Prêmio Portugal Telecom (2003) e com o Prêmio Machado de Assis conferido ao melhor romance do ano pela Biblioteca Nacional (2003). Essa narrativa explora o recurso da metaficção, ou seja, a elaboração de uma ficção fundada em ficções, expediente que aponta para uma estrutura pós-moderna. Além disso, a obra estabelece um diálogo interdisciplinar entre antropologia, história e jornalismo, mostrando-se uma narrativa de múltiplos interesses, notadamente na deslegitimação dos processos de fundamentação historiográficos.

A narrativa organiza-se por 19 capítulos numerados em cardinal, ora em itálico ora em cursiva romana, marcando-se narradores distintos. Além da estrutura romanesca, Carvalho acrescenta um paratexto intitulado “Agradecimentos”, em que se esclarecem as circunstâncias do texto, isto é, revela-se acerca dos processos metaficcionais: “Este é um livro de ficção, embora esteja baseado em fatos, experiências e pessoais reais. É uma combinação de memória e imaginação – como todo romance, em maior ou menor grau, de forma mais ou menos direta”[1].

O enredo desenvolve-se, em um primeiro momento, por meio de um autor-narrador, provavelmente um jornalista, que levanta dados documentais acerca de um personagem verídico, o antropólogo norte-americano Buell Quain, interessado em etnologia, que provavelmente se suicida aos 27 anos, em 1939, em meio a uma expedição no Tocantins entre os índios krahô. Essa pesquisa é feita 62 anos depois, ou seja, no presente histórico da publicação do livro, de forma metódica e apurada, por meio de cartas, de documentos, de fotos, de testemunhos e de relatos, na tentativa de revelar as circunstâncias e as motivações verdadeiras da morte do antropólogo.

Já, em um segundo momento, paralelamente, há um narrador ficcional, Manoel Perna, que convive com Quain nove noites durante sua estada no Brasil (daí o título do livro), narrado em itálico no corpo do romance. Tal estratégia compõe um gênero híbrido que aponta para a autoficção e a metaficção, criando-se dados inverídicos a partir de pistas verdadeiras da vida do antropólogo, em um texto a meio do caminho entre o romance-reportagem e o romance policial.

As narrativas paralelas e a pesquisa sistemática acerca do etnólogo criam relações com a história e a antropologia do século XX, inclusive ao mostrar o cotidiano e as dificuldades na etnologia durante o Estado Novo (1937) no Brasil. O romance perpassa temas bastante explorados atualmente como identidade, alteridade e sexualidade.

Além disso, o expediente de ficcionalizar a história aponta para uma supremacia do inverídico em detrimento ao documental, já que inverte o propósito comum da pesquisa em extrair dados fundamentados e coerentes de determinado assunto, criando-se possibilidades que não correspondem à verdade histórica, processo comumente usado em romances históricos. Assim, Carvalho logra a criação de um embate entre ficção e realidade de modo a misturar as perspectivas e as conclusões documentais, deslegitimando-as como fontes incontestáveis de conhecimento.

É justamente nessa tensão que os limites da realidade do etnógrafo começam a sobreporem-se à percepção do narrador-pesquisador, que passa a projetar-se na figura de Buell Quain, em um jogo de alteridades transformadas – pela ficção, o que torna o processo mais engenhoso – de sorte a criar uma identificação tão intensa entre o narrador e o etnólogo, que àquele torna-se uma espécie de “outro” desse, apropriando-se da cosmovisão de Quain, deixando entrever todas as suas experiências, angústias e perplexidades, inclusive sobre a sua infância.

A respeito de Nove Noites é possível constatar uma série de estudos acadêmicos, ensaios e resenhas, apontando para a crescente análise da obra. Yara Frateschi Vieira toca no eixo labiríntico da narrativa, que não se deixa decifrar linearmente: “[...] maquinaria destinada a desqualificar fronteiras entre identidades e discursos, dá simultaneamente ao leitor a sensação de estar numa casa de espelhos, cuja montagem inteligente permite criar um ponto simultaneamente central e cego — como se Narciso, afinal, se contemplasse num espelho que não reflete nada”[2]. É justamente a indefinição das situações narradas que faz com que a obra relacione-se coma ideia de “duplo”, além da dificuldade classificatória da narrativa, que oscila entre características do jornalismo e do ambiente policial, porém conseguindo ultrapassá-las no sentido de exceder as funções habituais de cada gênero.

Já Fábio Palmeira Eleutério ressalta o caráter atual da obra de Carvalho ao alinhar-se à tendência metaficcional: “A literatura contemporânea está repleta de novidades; livros sobre a vida de celebridades, autobiografias e biografias, romances feitos na expectativa de virar filmes, e outros encomendados para o cinema [...] mistura de estilos, metaficção e fragmentação do texto. Dentro desse cenário mundial da literatura contemporânea, a literatura brasileira acompanha as tendências do mercado editorial”[3].

Notas
[1] CARVALHO, Bernardo. Nove noites. 1ª edição, São Paulo: Companhia das Letras, 2002, p. 169.
[2] VIEIRA, Yara Frateschi. Refração e iluminação em Bernardo de Carvalho. Novos Estudos, nº 70, Nov., 2004, p. 201.
[3] ELEUTÉRIO, Fábio Palmeira. Um dispositivo labiríntico: As identidades em Nove noites, de Bernardo Carvalho, p. 85-86.

Fontes de pesquisa 6

Abrir módulo
  • CARVALHO, Bernardo. Nove noites. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.
  • FRANCO, Adenize Aparecida. Labirintos perdidos: ficção contemporânea em trânsito nos romances de Bernardo Carvalho e Francisco José Viegas (2000-2010). Tese (Doutorado em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.
  • MOURA, Flávio. A trama traiçoeira de ‘Nove noites. In: Trópico: ideias de Norte e Sul, São Paulo. Literatura. Disponível em: < www.revistatropico.com.br/tropico/html/textos/1586,1.shl >. Acesso em: 22 out. 2014.
  • OLIVEIRA, Bruno Lima. “O retorno do autor na literatura contemporânea.” In: Anais do SILEL, v. 3, n. 1. Uberlândia: Edufu, 2013.
  • SAKAI, Luiz Guilherme Fernandes da Costa. Denegação e desidentidade: a metaficção historiográfica em Nove Noites, de Bernardo Carvalho. 101f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2013.
  • VIEIRA, Yara Frateschi. Refração e iluminação em Bernardo de Carvalho. Novos Estudos, nº 70, Nov., 2004, p. 195-206.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: