Ordenação

Tipo de Verbete

Filtros

Áreas de Expressão
Artes Visuais
Cinema
Dança
Literatura
Música
Teatro

Período

Temas

A Enciclopédia é o projeto mais antigo do Itaú Cultural. Ela nasce como um banco de dados sobre pintura brasileira, em 1987, e vem sendo construída por muitas mãos.

Se você deseja contribuir com sugestões ou tem dúvidas sobre a Enciclopédia, escreva para nós.

Caso tenha alguma dúvida, sugerimos que você dê uma olhada nas nossas Perguntas Frequentes, onde esclarecemos alguns questionamentos sobre nossa plataforma.

Enciclopédia Itaú Cultural
Literatura

Quarto de despejo

Por Editores da Enciclopédia Itaú Cultural
Última atualização: 19.04.2022
1960
Quarto de despejo: diário de uma favelada é a primeira e mais conhecida obra da escritora Carolina Maria de Jesus. O impacto causado pelo diário na mídia e em setores do meio literário nacionais deve-se, sobretudo, à experiência social narrada como testemunho pela autora. Nascida em Sacramento, Minas Gerais, Carolina Maria de Jesus transfere-se ...

Texto

Abrir módulo

Análise

Quarto de despejo: diário de uma favelada é a primeira e mais conhecida obra da escritora Carolina Maria de Jesus. O impacto causado pelo diário na mídia e em setores do meio literário nacionais deve-se, sobretudo, à experiência social narrada como testemunho pela autora. Nascida em Sacramento, Minas Gerais, Carolina Maria de Jesus transfere-se para São Paulo em 1937, onde trabalha como catadora de lixo. Em 1955, inicia a produção do diário, em que registra sua vida na favela do Canindé. Segundo estudiosos a produção da autora em diário, poesia, conto e outros gêneros é antiga, mas sua trajetória literária se consolida apenas em 1958, quando tem seu primeiro contato com o jornalista Audálio Dantas (1929).

Encarregado de realizar uma reportagem sobre a favela do Canindé, Dantas decide transferir o tema da matéria para a vida e obra da escritora, tão logo a conhece. O repórter veicula trechos selecionados dos cerca de vinte cadernos de diário mantidos por Carolina Maria de Jesus,  primeiramente no jornal Folha da noite (1958) e na revista O cruzeiro (1959 e 1960), o que por fim viabiliza a publicação em livro do material por ele editado.

A obra atinge sucesso de vendas incomum no mercado editorial nacional, a primeira tiragem, de 3 mil exemplares é estendida a 30 mil exemplares e esgotando-se em três dias, apenas em São Paulo. Menos de um ano depois, começam a surgir edições para outras línguas, com a publicação em 17 países até 1963, chegando a 40 atualmente. As adaptações para o teatro, o cinema e a televisão são simultâneas ao sucesso do livro. A versão teatral, de 1961, em São Paulo, tem direção do ator e diretor Amir Haddad (1937).

O livro é pertinente ao contexto do final da década de 1950 e início de 1960. Neste período, o País assiste à tomada de consciência do contraste entre o processo de modernização econômica e a reprodução massiva de desigualdades sociais. Ecos desse quadro histórico são identificáveis na trajetória da escritora.

Quarto de despejo é composto por entradas de diário produzidas em duas fases, uma que vai de 15 a 28 de julho de 1955 e, outra que se inicia em 02 de maio de 1958 e vai até 1o de janeiro de 1960. A Audálio Dantas, novamente, deve-se a manutenção da grafia original de Maria Carolina de Jesus, preservando-se suas constantes fugas à norma gramatical, embora muitas alterações sejam feitas pelo jornalista visando melhores condições de legibilidade. Assim, em entradas que se sucedem dia a dia, com algumas exceções, a voz da narradora busca a máxima continuidade com a vivência cotidiana.

Ao mesmo tempo, o tom do relato oscila entre três registros. Em um deles, essencialmente objetivo, retrata-se a luta pela sobrevivência na favela e as saídas da autora à cidade. Nesse sentido, o último registro consiste simplesmente em “Levantei as 5 horas e fui carregar água”. Em outro, surgem reflexões sobre a condição de miséria da narradora, frequentemente estendidas à realidade social e política mais ampla. Finalmente, em um terceiro nível, unem-se, de um lado, o pensamento da autora a respeito do sentido de sua atividade de escrita, que vai da resistência à evasão e, de outro, um estilo mediado pelo desejo de superação estilística. É o que se nota em trechos como “Enquanto escrevo vou pensando que resido em um castelo cor de ouro que reluz a luz do sol [...] É preciso criar este ambiente de fantasia para esquecer que estou na favela”. Ou, ainda, em passagem que resume o lugar de fala construído pela autora enquanto, de acordo com a crítica Regina Dalcastagnè (1967), lugar de validação de uma experiência que coloca em pauta a partilha dos espaços públicos no Brasil: “Estou no quarto de despejo, e o que está no quarto de despejo ou queima-se ou joga-se no lixo”.

Quanto ao valor literário da obra, a fortuna crítica se divide. O entusiasmo do grande público com o livro de 1961, que não se repete nos demais trabalhos publicados pela autora, encontra respaldo em diversos escritores e especialistas, como o escritor italiano Alberto Moravia (1907-1990) e a escritora Clarice Lispector (1925-1977). O crítico Wilson Martins (1921-2010) e um grande número de leitores questionam a autenticidade do texto e ressaltam o papel decisivo das intervenções editoriais de Dantas. Já o poeta Ferreira Gullar (1930) e seu antecedente Manuel Bandeira (1886-1968), veem na obra “extraordinária força criativa”. Há também especialistas para quem o livro não tem relevância literária, limitando-se ao recorte documental. É o caso, por exemplo, da escritora e jornalista Marilene Felinto (1957), para quem os diários “não têm qualquer valor literário, porque não transcendem sua condição de biografia”.

Atualmente, Quarto de despejo é considerado um marco da literatura documental. Quanto a seu estatuto literário, o texto antecipa uma irrupção massiva da escrita testemunhal na década 70, sobretudo como reação à realidade social de violência e opressão instaurada pela Ditadura Militar. Trata-se de um conteúdo colado à experiência social, produzido por uma autora negra e marginalizada. A obra antecipa, igualmente, a contínua conquista de espaço pela literatura negra, feminina e proveniente das periferias, que ocorre nas décadas subsequentes. Sua posição prospectiva, assim, é pioneira.

Fontes de pesquisa 7

Abrir módulo
  • ANDRADE, Letícia Pereira de. O Diário como Utopia: Quarto de Despejo de Carolina Maria de Jesus. Dissertação (Mestrado em Letras), Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Mato Grosso do Sul , 2008.
  • DALCASTAGNÈ, Regina. Para além da 'perspectiva do alpendre'. Diário Oficial do Estado, Recife. Suplemento Pernambuco. Disponível em: < http://www.suplementopernambuco.com.br/edi%C3%A7%C3%A3o-impressa/71-ensaio/1452-para-al%C3%A9m-da-%E2%80%9Cperspectiva-do-alpendre%E2%80%9D.html >. Acesso em: 27 ago. 2015.
  • DANTAS, Audálio. A atualidade do mundo de Carolina. In: JESUS, Carolina MARIA de. Quarto de despejo: diário de uma favelada. 9. ed. São Paulo: Ática, 2007.
  • DANTAS, Audálio. Da favela para o mundo das letras. O Cruzeiro, São Paulo, n. 48, 10 set. 1960. Disponível em: http://memoria.bn.br/docreader/DocReader.aspx?bib=003581&pagfis=132008. Acesso em: 19 abr. 2022
  • LITERAFRO. O portal de literatura afro-brasileira. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais, 2018. Disponível em: http://www.letras.ufmg.br/literafro/. Acesso em: 18 abr. 2022
  • MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Carolina Maria de Jesus: emblema do silêncio. Revista USP, São Paulo, n. 37, maio 1998.
  • MIRANDA, Fernanda Rodrigues de. Os caminhos literários de Carolina Maria de Jesus: experiência e construção estética. Dissertação (Mestrado em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

Como citar

Abrir módulo

Para citar a Enciclopédia Itaú Cultural como fonte de sua pesquisa utilize o modelo abaixo: